[ editar artigo]

Bioterrorismo: quais agentes biológicos mais utilizados na história?

Bioterrorismo: quais agentes biológicos mais utilizados na história?

 

A pandemia de COVID-19 reacendeu debates e discussões sobre as vulnerabilidades de biossegurança dos sistemas de saúde e destacou o potencial armamentista de agentes biológicos. Grupos terroristas e extremistas já tentaram incitar a propagação intencional da COVID-19 e usá-la como uma forma improvisada de arma biológica. Além dos impactos na saúde da própria doença, a pandemia acelerou a disseminação de ideologias extremas e organizações terroristas capitalizaram sentimentos antigovernamentais e contra as medidas sanitárias de combate à pandemia para exacerbar a desconfiança nas instituições públicas. 

Neste sentido, pesquisadores de Harvard buscaram fornecer uma descrição epidemiológica de todos os ataques relacionados ao terrorismo que utilizaram agentes biológicos entre 1970 e 2019. Os resultados foram publicados no periódico The American Journal of Emergency Medicine.

Para isso, eles coletaram de dados por meio do Global Terrorism Database (GTD). Esse é um banco de dados é de acesso aberto, com metodologia de coleta de dados disponível publicamente utilizando inteligência artificial que identifica eventos da mídia de notícias em todo o mundo e os confirma por meio de exame humano pelo Consórcio Nacional para o Estudo do Terrorismo e Respostas ao Terrorismo. O GTD define ataques terroristas como “o uso real ou ameaçado de força ilegal e violência por um ator não estatal para atingir um objetivo político, econômico, religioso ou social por meio do medo, coerção ou intimidação”.

Tal banco de dados foi pesquisado usando as funções de pesquisa do banco de dados interno para todos os eventos usando armas biológicas entre 1º de janeiro de 1970 e 31 de dezembro de 2019. Os anos de 2020 e 2021 ainda não estavam disponíveis no momento do estudo.

Os autores analisaram um total de 33 ataques terroristas envolvendo agentes biológicos que foram registrados entre 1970 e 2019, totalizando 9 mortes e 806 feridos. Vinte e um eventos ocorreram nos Estados Unidos, 3 no Quênia, 2 no Reino Unido e no Paquistão e um único evento no Japão, Colômbia, Israel, Rússia e Tunísia. 

Vinte dos ataques envolveram Antraz, 5 utilizaram Salmonella, 3 envolviam ricina , 2 envolviam matéria fecal, 1 envolvia toxina botulínica , 1 envolvia o uso de lâminas de barbear infectadas pelo HIV e 1 envolvia ricina ou antraz. Sete das mortes registradas foram relacionadas a ataques de antraz e 2 mortes restantes foram relacionadas a incidentes de salmonela. Das 806 lesões relatadas, 776 estavam relacionadas a 2 ataques envolvendo salmonela, 25 estavam relacionados a eventos de antraz e 1 estava relacionado a um evento envolvendo matéria fecal como agente biológico.

Os autores afirmam que o uso relatado de agentes biológicos como arma terrorista é extremamente raro e representa 0,02% de todos os ataques terroristas históricos. Apesar de sua aparente raridade, no entanto, o bioterrorismo tem a capacidade de infligir lesões em massa inigualáveis. Além disso, dada a natureza dos ataques, de acordo com os pesquisadores, é mais provável que eles passem despercebidos do que as armas convencionais.

A recente pandemia de COVID-19 expôs falhas significativas em:

•Biocontenção , triagem e vigilância de doenças;

• Mobilização de equipamentos de proteção individual (EPI);

• Capacidades de emergência médica e contramedidas de vacinas para ameaças biológicas. 

Além disso, a crise sanitária também revelou as complexidades em torno da liderança em crises e educação pública, como evidenciado pela implementação inconsistente e adesão a intervenções não farmacêuticas, hesitação e desigualdades globais relacionadas às vacinas e todos os fatores que poderiam ser exploradas no planejamento de um ataque de bioterrorismo.

Embora a Convenção sobre Armas Biológicas, estabelecida em 1975, proíba o desenvolvimento, produção, aquisição, transferência, armazenamento e uso de armas biológicas e tóxicas pelos 183 estados (em setembro de 2021) que ratificaram e aderiram ao tratado, pouco pode parar organizações terroristas de aproveitarem ou criarem ameaças biológicas usando a tecnologia disponível hoje. As preocupações de segurança vão desde o aumento da letalidade, ou facilidade de transmissão de agentes biológicos até o desenvolvimento de novos métodos de entrega que podem superar as medidas preventivas de vacinas.

As sugestões de especialistas para lidar com futuras ameaças biológicas incluem, segundo os autores do estudo, classificar as doenças infecciosas como ameaças potenciais à segurança nacional, manter o financiamento e o apoio à pesquisa biológica, saúde pública e programas de vigilância biológica, manter a prontidão da força de trabalho médica e melhorar colaborações e comunicações entre países.

Artigos relacionados

Referência

  1. TIN, Derrick; SABETI, Pardis; CIOTTONE, Gregory R. Bioterrorism: An analysis of biological agents used in terrorist eventsScienceDirect,  2022. Disponível:  https://doi.org/10.1016/j.ajem.2022.01.056

 

 

Academia Médica
O que a faculdade esquece de falar!
O que a faculdade esquece de falar! Seguir

Página da redação da Academia Médica para divulgar atualizações pertinentes aos médicos, acadêmicos de medicina e profissionais de saúde.

Ler conteúdo completo
Indicados para você