[ editar artigo]

Cães podem farejar odores específicos associados a ataques epiléticos

Cães podem farejar odores específicos associados a ataques epiléticos

Pesquisadores da Queen's University Belfast, no Reino Unido, descreveram uma resposta preditiva de cães não treinados previamente a ataques epiléticos iminentes em um artigo publicado na revista MDPI Animals. A epilepsia é uma condição neurológica debilitante e potencialmente fatal que afeta aproximadamente 65 milhões de pessoas em todo o mundo. Atualmente, não há, de acordo com os autores do artigo, nenhum dispositivo de alerta precoce de convulsões confiável e simples, o que significa que muitas pessoas com epilepsia instável vivem com medo de lesões ou morte súbita e do impacto negativo da estigmatização social.

Os autores do estudo avaliaram a existência de Compostos Orgânicos Voláteis (VOCs) específicos de ataques convulsivos, instigados pelo sistema nervoso autônomo e pelo eixo hipotálamo-hipófise-adrenal (HPA) e que causam um aumento nas taxas de coração e respiração, que poderiam desencadear as mudanças comportamentais em cães observadas quando seus donos têm crises epiléticas. De acordo com o artigo, há VOCs relatados para diversas doenças, como cólera, fibrose cística, diabetes, insuficiência cardíaca congestiva, tuberculose e outras.

A hipótese dos pesquisadores é que, dada a extraordinária capacidade olfativa dos cães, um VOC exalado pelo dono epilético do cão pode constituir um mecanismo de alerta precoce que faz os cães reagirem por respostas afiliativas dirigidas pelo dono no período pré-convulsão. Dezenove cães de estimação sem experiência prévia em ataques convulsivos foram expostos a odores que foram considerados característicos de três fases de convulsão, usando suor colhido de pessoas com epilepsia. Usando dois aparelhos especialmente concebidos, chamados de Mecanismo de Entrega Remota de Odor (RODM), os pesquisadores distribuíram separadamente odores associados a crises epilépticas e odores não associados a crises e registraram as reações dos cães a cada um. Os odores chegaram a um ponto imediatamente abaixo das coxas de um dono de cão de estimação sentado e não epiléptico.

Esquema mostrando a conformação espacial da sala do experimento. Fonte: Powell et al, 2021.

Ao alterar os odores alternados que emergem de amostras de suor, capturados antes da convulsão, durante uma convulsão e após uma convulsão, e dois controles sem convulsão, os pesquisadores registraram a resposta dos 19 cães. As descobertas sugerem que as convulsões estão associadas a um odor e que os cães detectam esse odor e demonstram um aumento acentuado no comportamento afiliativo dirigido a seus donos, como maior tempo de proximidade corporal, de contato físico e de contato visual. Uma resposta característica de todos os 19 cães à apresentação do odor de convulsão foi um olhar intenso que foi estatisticamente significativo, (p <0,0029), nas fases de pré-convulsão, convulsão e pós-convulsão, em comparação com o controle de odores de origem não convulsiva. 

Os autores do estudo concluem que, embora a natureza do biomarcador permaneça inexplicada, os resultados têm implicações significativas para o desenvolvimento de um programa de treinamento direcionado para cães com predição de convulsões, com a possibilidade de redução de acidentes e lesões causadas por ocorrências inesperadas de convulsões. 

 

Referências:

Powell, N.A.; Ruffell, A.; Arnott, G. The Untrained Response of Pet Dogs to Human Epileptic Seizures. Animals 2021, 11, 2267. https://doi.org/10.3390/ani11082267

 

Artigos Relacionados:


Você sabia que pode publicar na Academia Médica? Clique Aqui e saiba como


 

Academia Médica
O que a faculdade esquece de falar!
O que a faculdade esquece de falar! Seguir

Página da redação da Academia Médica para divulgar atualizações pertinentes aos médicos, acadêmicos de medicina e profissionais de saúde.

Ler conteúdo completo
Indicados para você