Academia Médica
Academia Médica
Você procura por
  • em Publicações
  • em Grupos
  • em Usuários
VOLTAR

Excesso de oxigênio em cirurgias e o risco aos pacientes

Excesso de oxigênio em cirurgias e o risco aos pacientes
Academia Médica
dez. 1 - 2 min de leitura
000

Níveis excessivos de oxigênio administrados a pacientes submetidos à anestesia geral durante cirurgia podem estar associados a maior risco de danos a órgãos como rins, coração e pulmões, de acordo com estudo desenvolvido nos Estados Unidos e publicado pelo The BMJ. Foram analisados dados de cerca de 350 mil pacientes, com idade média de 59 anos, submetidos à sedação geral e intubação endotraqueal em 42 centros médicos norte-americanos, entre janeiro de 2016 e novembro de 2018.

Um algoritmo foi utilizado para calcular a quantidade de oxigênio fornecida acima do nível do ar (21%) em relação ao tempo gasto com saturação de oxigênio igual ou superior a 92% durante os procedimentos operatórios, realizados em tempo médio de 205 minutos. Também foi feito o rastreio de lesão renal aguda, miocárdica e pulmonar, mortalidade em trinta dias, tempo de internação e acidente vascular cerebral. Injúria renal aguda foi diagnosticada em 6,5% dos pacientes participante, miocárdica em 2,8% e pulmonar em 4,4%.

Foi verificado que pacientes na extremidade superior (percentil 75) dos níveis de oxigênio tiveram chances superiores de 26% de desenvolvimento lesão renal aguda, 12% de lesão miocárdica e 14% de lesão pulmonar em comparação com pacientes na extremidade inferior (25º percentil). As pessoas que receberam mais oxigênio também tiveram chances 9% maiores de AVC e 6% maiores de mortalidade em trinta dias após o procedimento.

Algumas limitações foram apontadas pelo estudo, como a não análise de fatores como dieta, estilo de vida e uso de medicamentos que podem influenciar a suscetibilidade à lesão de órgãos por parte dos pacientes. Porém, os autores sugerem a realização de novas pesquisas sobre o tema que possam, inclusive, medir o comprometimento cognitivo gerado pelo fornecimento de níveis altos de oxigênio. Isto por que alguns experimentos sugerem que o tecido cerebral pode ser particularmente vulnerável.

Referência:

Oxygen administration during surgery and postoperative organ injury: observational cohort study, The BMJ (2022). DOI: 10.1136/bmj-2022-070941

Leia também:

Surto de meningite pode estar ligado a contaminações de anestésicos no México

ASA e APSF analisam necessidade de teste de COVID-19 antes de cirurgias eletivas

Quanto tempo após a infecção por SARS-CoV-2 devemos esperar para realizar uma cirurgia?

Considerações Ambientais e Ocupacionais da Anestesia



Denunciar publicação
    000

    Indicados para você