[ editar artigo]

Quanto tempo após a infecção por SARS-CoV-2 devemos esperar para realizar uma cirurgia?

Quanto tempo após a infecção por SARS-CoV-2 devemos esperar para realizar uma cirurgia?

 

A infecção pré-operatória por SARS-CoV-2 mostrou-se anteriormente associada a riscos significativamente aumentados de morbidade e mortalidade. Dados nas fases iniciais da pandemia demonstraram que a infecção perioperatória pela COVID-19 estava associada a aumentos clinicamente importantes na mortalidade, em alguns casos, mais de 10 vezes. Além disso, quando a cirurgia foi realizada dentro de 6 semanas após a infecção, a morbidade e a mortalidade pós-operatória também aumentaram. Notavelmente, o aumento do risco perioperatório permaneceu consistentemente elevado até 7 semanas após a infecção por SARS-CoV-2, momento em que retornou à linha de base. 

Neste sentido, o periódico Anaesthesia publicou em fevereiro uma declaração de consenso multidisciplinar em nome da Association of Anesthetists, Center for Perioperative Care, Federation of Surgical Speciality Associations, Royal College of Anesthetists e Royal College of Surgeons of England, a fim de trazer recomendações acerca do preparo pré-operatório para cirurgias eletivas após a infecção pelo SARS-CoV-2:

  • Atualmente, não há evidências sobre os resultados perioperatórios após a vacinação contra SARS-CoV-2 e a variante omicron. Portanto, as recomendações anteriores de que, sempre que possível, os pacientes devem evitar cirurgias eletivas dentro de 7 semanas da infecção por SARS-CoV-2 permanecem, a menos que os benefícios de fazê-lo excedam o risco de esperar. Recomenda-se a avaliação de risco individualizada para pacientes com cirurgia eletiva planejada dentro de 7 semanas da infecção por SARS-CoV-2.
  • Os pacientes cirúrgicos devem ter recebido a vacinação pré-operatória contra a COVID-19, com três doses sempre que possível, com a última dose pelo menos 2 semanas antes da cirurgia. A confirmação e a otimização do status vacinal devem ser tomadas o mais rápido possível, seja antes do encaminhamento para a atenção primária ou na tomada de decisão cirúrgica;
  • As medidas atuais projetadas para reduzir o risco de pacientes adquirirem infecção por SARS-CoV-2 no período perioperatório devem continuar e, em vista do aumento da transmissibilidade da variante omicron, devem ser aumentadas (por exemplo, o uso de equipamento de proteção respiratória como respiradores N95) quando as evidências o apoiarem.;
  • Os pacientes devem ser solicitados a notificar a equipe cirúrgica se testarem positivo para infecção por SARS-CoV-2 dentro de 7 semanas da data planejada da operação. A partir daí, deve ocorrer uma conversa entre a equipe perioperatória e o paciente sobre os riscos e benefícios do adiamento da cirurgia;
  • A cirurgia eletiva não deve ocorrer em até 10 dias após o diagnóstico da infecção por SARS-CoV-2, principalmente porque o paciente pode ser infeccioso, o que representa um risco para vias cirúrgicas, funcionários e outros pacientes;
  • A infecção assintomática por SARS-CoV-2 com variantes anteriores aumentou o risco de mortalidade em três vezes ao longo das 6 semanas após a infecção. Dada a falta de evidências com infecção perioperatória pela variante omicron, as suposições de que a infecção assintomática ou levemente sintomática não aumenta o risco são atualmente infundadas;
  • Se a cirurgia eletiva for considerada dentro de 7 semanas do diagnóstico da infecção por SARS-CoV-2, recomenda-se que ocorram discussões multidisciplinares com o paciente com documentação dos riscos e benefícios. Se a cirurgia eletiva for considerada dentro de 7 semanas do diagnóstico da infecção por SARS-CoV-2, recomenda-se que ocorram discussões multidisciplinares com o paciente com documentação dos riscos e benefícios. Todos os pacientes devem ter seu risco de mortalidade (e complicações, quando possível) calculado usando um escore de risco validado. Modificadores de risco baseados em fatores do paciente: idade; estado de comorbidade; infecção por SARS-CoV-2 (tempo; gravidade da infecção inicial; sintomas em andamento) e fatores cirúrgicos (prioridade clínica; risco de progressão da doença; complexidade da cirurgia) podem então ser aplicados para ajudar a estimar como o risco subjacente seria alterado pela realização da cirurgia dentro de 7 semanas após a infecção. Os pacientes devem ser informados de que a decisão de prosseguir com a cirurgia dentro de 7 semanas será pragmática e não baseada em evidências;
  • Pacientes com sintomas persistentes e aqueles que tiveram COVID-19 moderada a grave (por exemplo, que foram hospitalizados) continuam provavelmente em maior risco de morbidade e mortalidade, mesmo após 7 semanas. Portanto, adiar a cirurgia além desse ponto deve ser considerado, equilibrando esse risco com quaisquer riscos associados a esse atraso;
  • Em pacientes com infecção recente ou perioperatória por SARS-CoV-2, deve-se evitar a anestesia geral em favor de técnicas anestésicas locais ou regionais;
  • Em vez de enfatizar apenas o tempo, considera-se também o conjunto tempo, avaliação da linha de base e aumento do risco e a tomada de decisão compartilhada.
  • A todos os pacientes que aguardam cirurgia deve-se abordar fatores de risco modificáveis, como exercícios pré-operatórios, otimização nutricional e cessação do tabagismo.

Artigos relacionados

Referência

1.EL-BOGHDADLY, K. et al. Timing of elective surgery and risk assessment after SARS-CoV-2 infection: an update. Anaesthesia, 2022. First published: 22 February 2022. Disponível em  https://doi.org/10.1111/anae.15699. Acesso em 15 de março de 2022.

Academia Médica
O que a faculdade esquece de falar!
O que a faculdade esquece de falar! Seguir

Página da redação da Academia Médica para divulgar atualizações pertinentes aos médicos, acadêmicos de medicina e profissionais de saúde.

Ler conteúdo completo
Indicados para você