[ editar artigo]

Monkeypox ou "varíola do macaco" - o que sabemos até agora

Monkeypox ou

 

"Monkeypox", ou a chamada varíola do macaco, é uma zoonose viral com sintomas muito semelhantes aos observados no passado em pacientes com varíola, embora seja clinicamente menos grave.

O vírus Monkeypox é um vírus de DNA de fita dupla envelopado que pertence ao gênero Orthopoxvirus da família Poxviridae. Várias espécies de animais foram identificadas como suscetíveis ao vírus da varíola dos macacos. Isso inclui esquilos, ratos gambianos e outros roedores, primatas não humanos e outras espécies. A incerteza permanece sobre a história natural do vírus da varíola dos macacos e mais estudos são necessários para identificar o(s) reservatório(s) exato(s) e como a circulação do vírus é mantida na natureza.

A Monkeypox humana foi identificada pela primeira vez em humanos em 1970, na República Democrática do Congo, em um menino de nove anos de idade, em uma região onde a varíola havia sido eliminada em 1968. Desde então, a maioria dos casos foi relatada em regiões rurais de florestas tropicais da Bacia do Congo, particularmente na própria República Democrática do Congo, e casos humanos têm sido cada vez mais relatados em toda a África Central e Ocidental.

Em 2003, o primeiro surto de varíola de macacos fora da África ocorreu nos Estados Unidos da América e estava relacionado ao contato com animais silvestres domesticados que haviam sido importados de Gana. Este surto levou a mais de 70 casos de varíola nos EUA. A doença também foi relatada em viajantes da Nigéria para Israel em setembro de 2018, para o Reino Unido em setembro de 2018, dezembro de 2019, maio de 2021 e maio de 2022, para Cingapura em maio de 2019, e para os Estados Unidos da América em julho e novembro de 2021. Em maio de 2022, vários casos de varíola foram identificados em vários países não endêmicos, como o Reino Unido, Espanha, Portugal, Itália, Canadá e Estados Unidos.

A transmissão de animal para humano (zoonótica) pode ocorrer por contato direto com sangue, fluidos corporais ou lesões cutâneas ou mucosas de animais infectados. A ingestão de carne e outros produtos de origem animal mal cozidas de animais infectados é um possível fator de risco. As pessoas que vivem em ou perto de áreas florestais podem ter exposição indireta ou de baixo nível a animais infectados.

A transmissão de humano para humano pode resultar de contato próximo com secreções respiratórias, lesões na pele de uma pessoa infectada ou objetos recentemente contaminados. A transmissão por partículas respiratórias por gotículas geralmente requer contato pessoal prolongado, o que coloca os profissionais de saúde, membros da família e outros contatos próximos de casos ativos em maior risco. 

A transmissão também pode ocorrer através da placenta da mãe para o feto (o que pode levar à varíola congênita) ou durante o contato próximo durante e após o nascimento. Embora o contato físico próximo seja um fator de risco bem conhecido para transmissão, não está claro neste momento se a varíola dos macacos pode ser transmitida especificamente através de vias de transmissão sexual. Estudos são necessários para entender melhor esse risco.

O período de incubação da varíola dos macacos é geralmente de 6 a 13 dias, mas pode variar de 5 a 21 dias.

A infecção pode ser dividida em dois períodos:

  • o período de invasão (dura entre 0-5 dias) caracterizado por febre, dor de cabeça intensa, linfadenopatia, dor nas costas, mialgia e astenia intensa. 
  • a erupção cutânea geralmente começa dentro de 1-3 dias após o aparecimento da febre. A erupção tende a ser mais concentrada na face e extremidades do que no tronco. Afeta a face (em 95% dos casos), palmas das mãos e plantas dos pés (em 75% dos casos). Também são afetadas as mucosas orais (em 70% dos casos), genitália (30%) e conjuntiva (20%), bem como a córnea. A erupção evolui sequencialmente de máculas para pápulas, vesículas, pústulas e crostas que secam e caem. O número de lesões varia de alguns a vários milhares. Em casos graves, as lesões podem coalescer até que grandes seções de pele se desprendem.

De acordo com a Organização Mundial da Saúde, a varíola dos macacos é geralmente uma doença autolimitada com os sintomas que duram de 2 a 4 semanas. Casos graves ocorrem mais comumente entre crianças e estão relacionados à extensão da exposição ao vírus, estado de saúde do paciente e natureza das complicações. As deficiências imunológicas subjacentes podem levar a resultados piores. 

Embora a vacinação contra a varíola tenha sido protetora no passado, hoje pessoas com menos de 40 a 50 anos de idade (dependendo do país) podem ser mais suscetíveis à varíola devido à cessação das campanhas de vacinação contra a varíola em todo o mundo após a erradicação da doença. As complicações da varíola dos macacos podem incluir infecções secundárias, broncopneumonia, sepse, encefalite e infecção da córnea com conseqüente perda de visão. A extensão em que a infecção assintomática pode ocorrer é desconhecida.

A taxa de letalidade da varíola dos macacos variou historicamente de 0 a 11% na população em geral e tem sido maior entre crianças pequenas. Nos últimos tempos, a taxa de mortalidade de casos tem sido em torno de 3-6%.

Os cuidados clínicos para a varíola dos macacos devem ser totalmente otimizados para aliviar os sintomas, gerenciar complicações e prevenir sequelas a longo prazo. Os pacientes devem receber líquidos e alimentos para manter o estado nutricional adequado. As infecções bacterianas secundárias devem ser tratadas conforme indicado. Um agente antiviral conhecido como tecovirimat que foi desenvolvido para a varíola foi licenciado pela Associação Médica Europeia (EMA) para varíola em 2022 com base em dados em estudos em animais e humanos, mas ainda não está amplamente disponível. Se usado para atendimento ao paciente, o tecovirimat deve idealmente ser monitorado em um contexto de pesquisa clínica com coleta de dados prospectiva.

 

Artigos relacionados:

Referências:

World Health Organization. Monkeypox. Disponível em https://www.who.int/news-room/fact-sheets/detail/monkeypox

World Health Organization. Monkeypox - United Kingdom of Great Britain and Northern Ireland. Disponível em https://www.who.int/emergencies/disease-outbreak-news/item/2022-DON381

Moore M, Zahra F. Monkeypox. 2022 Feb 28. In: StatPearls. Treasure Island (FL): StatPearls Publishing; 2022 Jan–. PMID: 34662033. Disponível em https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK574519/

Reynolds MG, Doty JB, McCollum AM, Olson VA, Nakazawa Y. Monkeypox re-emergence in Africa: a call to expand the concept and practice of One Health. Expert Rev Anti Infect Ther. 2019 Feb;17(2):129-139. doi: 10.1080/14787210.2019.1567330. Epub 2019 Jan 21. PMID: 30625020; PMCID: PMC6438170. Disponível em https://www.tandfonline.com/doi/abs/10.1080/14787210.2019.1567330?journalCode=ierz20

Academia Médica
O que a faculdade esquece de falar!
O que a faculdade esquece de falar! Seguir

Página da redação da Academia Médica para divulgar atualizações pertinentes aos médicos, acadêmicos de medicina e profissionais de saúde.

Ler conteúdo completo
Indicados para você