[ editar artigo]

NICE Guideline: avaliação e tratamento inicial para febre em menores de 5 anos

NICE Guideline: avaliação e tratamento inicial para febre em menores de 5 anos

O NICE - National Institute for Health and Care Excellence do Reino Unido - atualizou em 26 de novembro de 2021 o seu Guideline para avaliação e tratamento inicial da febre em crianças com idade menor que 5 anos, que havia sido publicado em 2019. 

As recomendações estão divididas em 7 tópicos principais, e trouxemos os principais pontos do documento:

1 Termômetros e a detecção de febre

O Guideline recomenda a não utilização de medições de temperatura por vias oral e retal de forma rotineira. Em bebês com menos de 4 semanas, deve-se medir a temperatura corporal com um termômetro eletrônico na axila. Em crianças de 4 semanas a 5 anos, deve-se utilizar um dos seguintes métodos:

  • termômetro eletrônico na axila

  • termômetro de ponto químico na axila

  • termômetro timpânico infravermelho.

Os termômetros químicos da testa não são confiáveis ​​e não devem ser usados ​​por profissionais de saúde. A percepção parental relatada de febre deve ser considerada válida e levada a sério pelos profissionais de saúde.

2 Avaliação clínica de crianças com febre

Em primeiro lugar, os profissionais de saúde devem identificar quaisquer características de risco imediato à vida, incluindo comprometimento das vias aéreas, respiração ou circulação e diminuição do nível de consciência. Os profissionais de saúde devem se atentar para os sinais indicativos de sepse.

Reconheça que as crianças com qualquer um dos seguintes sintomas ou sinais estão em um grupo de alto risco para doenças graves:

  • pele, lábios ou língua pálida / manchada / acinzentada / azul

  • nenhuma resposta aos estímulos sociais

  • parecer doente para um profissional de saúde

  • não acorda ou se acordado não fica acordado

  • choro fraco, agudo ou contínuo

  • grunhindo

  • frequência respiratória superior a 60 respirações por minuto

  • extração torácica moderada ou grave

  • turgor cutâneo reduzido

  • fontanela protuberante.

Meça e registre a temperatura, frequência cardíaca, frequência respiratória e tempo de enchimento capilar como parte da avaliação de rotina de uma criança com febre. Crianças menores de 3 meses com temperatura de 38 ° C ou mais estão em um grupo de alto risco para doenças graves, se atentando para a possibilidade de indução de febre por algumas vacinas em crianças com menos de 3 meses. Reconheça que crianças de 3 a 6 meses com temperatura de 39 ° C ou mais estão em pelo menos um grupo de risco intermediário para doenças graves. Não use a duração da febre para prever a probabilidade de doenças graves. No entanto, crianças com febre de 5 dias ou mais devem ser avaliadas quanto à doença de Kawasaki.

Os profissionais de saúde devem sempre buscar a origem da febre e verifique a presença de sintomas e sinais associados a doenças específicas, tais como doença meningocócica e meningite bacteriana, encefalite por herpes simples, pneumonia, infecções do trato urinário, artrite séptica ou osteomielite, doença de Kawasaki e também por doenças potencialmente importadas de outras regiões ou locais.

3 Gestão por avaliação remota

Os profissionais de saúde que realizam uma avaliação remota de uma criança com febre devem procurar identificar os sintomas e sinais de doenças graves e específicas, e devem manejá-las de acordo com as características de risco de doença grave.

4 Gestão pelo médico não pediátrico

As crianças cujos sintomas ou combinação de sintomas e sinais sugerem uma doença com risco de vida imediato devem ser encaminhadas imediatamente para atendimento médico de emergência pelo meio de transporte mais adequado. Crianças com quaisquer características 'vermelhas', mas que não são consideradas como tendo uma doença com risco imediato de vida, devem ser encaminhadas urgentemente aos cuidados de um especialista pediátrico. Quando uma criança recebe antipiréticos, não se deve confiar na diminuição ou na falta de diminuição da temperatura para diferenciar entre doenças graves e não graves.

5 Gestão pelo especialista pediátrico

Bebês menores de 3 meses com febre devem ser observados e ter os seguintes sinais vitais medidos e registrados:

  • temperatura

  • frequência cardíaca

  • frequência respiratória.

Realize as seguintes investigações em bebês menores de 3 meses com febre:

  • hemograma completo

  • cultura de sangue

  • proteína C-reativa

  • teste de urina para infecção do trato urinário

  • radiografia de tórax apenas se houver sinais respiratórios

  • cultura de fezes, se houver diarreia. 

Realize as seguintes investigações em crianças com 3 meses ou mais com febre sem origem aparente que se apresentam a especialistas pediátricos com 1 ou mais características 'vermelhas':

  • hemograma completo

  • cultura de sangue

  • proteína C-reativa

  • teste de urina para infecção do trato urinário.

As seguintes investigações também devem ser consideradas em crianças com características 'vermelhas', conforme orientado pela avaliação clínica:

  • punção lombar em crianças de todas as idades (se não for contra-indicada)

  • radiografia de tórax, independentemente da temperatura corporal e leucócitos

  • eletrólitos séricos e gasometria. 

Não deve-se realizar exames de sangue e radiografias de tórax de rotina em crianças com febre que não apresentam características de doença grave. 

Para crianças com febre e choque que se apresentem a cuidados pediátricos especializados ou a um departamento de emergência devem ser:

  • administrado um bolus de fluido intravenoso imediato de 20 ml / kg; o fluido inicial normalmente deve ser 0,9% de cloreto de sódio;

  • monitorado ativamente e dado mais bolus de fluido conforme necessário.

Antibióticos parenterais devem ser imediatamente administrados a crianças com febre que se apresentem a cuidados pediátricos especializados ou a um departamento de emergência se: chocado, inabalável ou mostrando sinais de doença meningocócica.

6 Intervenções antipiréticas

Deve-se considerar o uso de paracetamol ou ibuprofeno em crianças com febre que parecem angustiadas. Não se deve usar agentes antipiréticos com o único objetivo de reduzir a temperatura corporal em crianças com febre. 

Ao usar paracetamol ou ibuprofeno em crianças com febre:

  • continue apenas enquanto a criança parecer angustiada

  • considere mudar para o outro agente se o sofrimento da criança não for aliviado

  • não dê os dois agentes simultaneamente

  • considere apenas alternar esses agentes se o desconforto persistir ou se repetir antes da próxima dose.

7 Conselhos para atendimento domiciliar

Aconselhe os pais ou responsáveis ​​que cuidam de uma criança com febre em casa:

  • oferecer líquidos regulares à criança (quando um bebê ou criança é amamentado, o líquido mais adequado é o leite materno);

  • como detectar sinais de desidratação procurando os seguintes recursos: fontanela afundada, boca seca, olhos fundos, ausência de lágrimas, aparência geral pobre;

  • para encorajar seu filho a beber mais líquidos e considerar buscar mais conselhos se detectar sinais de desidratação;

  • como identificar uma erupção cutânea não escaldante;

  • para cuidar de seu filho durante a noite;

  • para manter seus filhos longe da creche ou escola enquanto a febre da criança persistir, mas para notificar a escola ou creche sobre a doença.

 

Referências:

Fever in under 5s: assessment and initial management. NICE - National Institute for Health and Care Excellence. Disponível em https://www.nice.org.uk/guidance/ng143/chapter/Recommendations

Artigos relacionados:

 

Academia Médica
O que a faculdade esquece de falar!
O que a faculdade esquece de falar! Seguir

Página da redação da Academia Médica para divulgar atualizações pertinentes aos médicos, acadêmicos de medicina e profissionais de saúde.

Ler conteúdo completo
Indicados para você