[ editar artigo]

Choosing Wisely: 9 recomendações para a prática pediátrica em otorrinolaringologia

Choosing Wisely: 9 recomendações para a prática pediátrica em otorrinolaringologia

A campanha Choosing Wisely visa aumentar a conscientização entre médicos e pacientes em relação a exames e tratamentos desnecessários ou inadequados. Com base nesses princípios, a Sociedade Canadense de Otorrinolaringologia - Cirurgia de Cabeça e Pescoço desenvolveu 9 recomendações para serem incorporadas na prática clínica e que visa melhorar o atendimento ao paciente por meio do apoio à educação, promoção da pesquisa, divulgação de informações, avanço científico da sociedade e manutenção de elevados padrões profissionais e éticos.

Essas recomendações têm como objetivo reduzir exames ou tratamentos desnecessários ou inadequados e podem ser relevantes para vários profissionais, incluindo generalistas, otorrinolaringologistas e pediatras.

As 09 recomendações da Choosing Wisely Canadá

A lista atual foi criada por membros da Sociedade Canadense de Otorrinolaringologia - Cirurgia de Cabeça e Pescoço. Os membros foram escolhidos com base em sua afiliação contínua a um hospital universitário e seu treinamento na subespecialidade em otorrinolaringologia pediátrica.

Não solicite radiografia simples para avaliação de fraturas nasais pediátricas de forma rotineira

A decisão de realizar um procedimento de redução fechada para uma fratura nasal não complicada na sala de cirurgia é baseada em fatores como dificuldade respiratória e deformidade externa, que não é avaliada de forma eficaz por raio-X. As radiografias simples não são capazes de avaliar com precisão as fraturas nasais devido à sua baixa sensibilidade e especificidade, de 72 e 73%, respectivamente. Em geral, os raios-X não agregam valor ao diagnóstico ou alteram o plano de tratamento para crianças com fraturas nasais e não devem ser solicitados para evitar seus custos associados e exposição à radiação.

Não solicite exames de imagem para distinguir uma sinusite bacteriana aguda de uma infecção do trato respiratório superior

A sinusite bacteriana aguda não complicada é um diagnóstico feito com base em critérios clínicos e tem baixa prevalência em crianças com sintomas respiratórios. Embora os exames de imagem possam ajudar a descartar a sinusite, um resultado anormal não confirma o diagnóstico, dado que muitas crianças terão achados anormais na imagem devido a infecções respiratórias superiores virais e/ou outras doenças inflamatórias durante certas épocas do ano; combinadas com o potencial de exposição à radiação, a imagem não é recomendada de rotina. Os casos em que a imagem seria garantida incluem se a criança é imunocomprometida ou se complicações nas órbitas, do sistema nervoso central ou supurativas estão presentes

Não coloque tubos de timpanostomia na maioria das crianças para um único episódio de otite média com efusão de menos de 3 meses de duração

Embora a inserção do tubo de timpanostomia possa estar associada a melhorias na qualidade de vida em curto prazo, a história natural da otite média com efusão (OME) é suficientemente favorável e a maioria dos casos de OME não complicados em crianças se resolverá espontaneamente em 3 meses. Ao adiar a consideração da inserção do tubo de timpanostomia, procedimentos potencialmente desnecessários são evitados, juntamente com os riscos associados, efeitos colaterais relacionados ao tubo e custos.

Crianças que apresentam um único episódio de OME não complicada devem ser reavaliadas em 3 meses e 6 meses para indicações de intervenção. Crianças excluídas desta recomendação incluem aquelas que têm fatores de risco para dificuldades de desenvolvimento, como trissomia do 21, transtorno do espectro autista, anomalias craniofaciais, cegueira, outros atrasos no desenvolvimento e perda auditiva permanente independente de OME.

Não prescreva rotineiramente esteróides intranasais / sistêmicos; anti-histamínicos ou descongestionantes para crianças com otite média não complicada com efusão

Na maioria dos casos, o tratamento medicamentoso com anti-histamínicos, descongestionantes, antibióticos sistêmicos e esteróides mostraram pouco ou nenhum efeito nos resultados de longo prazo da OME não complicada em crianças. Além disso, existem custos associados e potenciais efeitos colaterais desses medicamentos. Portanto, a recomendação é não prescrever rotineiramente esses tratamentos médicos para crianças com OME não complicada. A exceção a isso seria para crianças com doenças coexistentes nas quais esses medicamentos são indicados para tratamento primário (por exemplo, crianças com rinite alérgica).

Não prescrever antibióticos orais para crianças com otorreia de tubo de timpanostomia não complicada ou otite externa aguda não complicada

O uso de antibióticos orais desnecessários pode promover resistência aos antibióticos e aumentar o risco de infecções oportunistas. Os antibióticos tópicos atingem concentrações mais altas no canal auditivo e ouvido médio, demonstram maior satisfação do paciente, estão associados a menos eventos adversos e têm eficácia igual para o tratamento de otorreia aguda de tubo de timpanostomia e otite externa aguda quando em comparação com os antibióticos orais.

Não prescrever codeína para alívio da dor pós-tonsilectomia/adenoidectomia em crianças

A codeína tem sido associada a uma alta taxa de reações adversas a medicamentos em crianças, incluindo depressão respiratória com risco à vida. Alternativa de analgesia devem ser usadas após tonsilectomia / adenoidectomia. Os médicos devem estar cientes de que outros analgésicos também podem ter metabólitos ativos que podem ser uma preocupação em crianças em uma dose inadequada (por exemplo, morfina).

Não administre antibióticos perioperatórios para tonsilectomia eletiva em crianças

A administração de antibióticos perioperatórios para crianças submetidas a amigdalectomia não complicada eletiva não mostra benefícios em relação às morbidades pós-amigdalectomia comuns. O uso excessivo de antibióticos sistêmicos aumenta a resistência bacteriana e o risco de eventos adversos ao medicamento desnecessariamente. Essas preocupações superam a redução da febre pós-operatória, que é o único benefício potencial da administração de antibióticos perioperatórios para tonsilectomia eletiva.

Não realize amigdalectomia para crianças com infecções de garganta recorrentes não complicadas se houve menos de 7 episódios no último ano, 5 episódios em cada um dos últimos 2 anos ou 3 episódios em cada um dos últimos 3 anos

Para crianças que têm um número menor de infecções recorrentes na garganta, a tonsilectomia tem um benefício significativamente menor quando comparada àquelas com infecções mais frequentes, e muitas crianças com infecções recorrentes na garganta melhoram naturalmente sem intervenção. Portanto, sempre que possível, deve-se evitar a tonsilectomia em crianças com menor número de infecções agudas.

Não realize cirurgia endoscópica dos seios da face para rinossinusite crônica pediátrica não complicada antes da falha da terapia médica máxima e adenoidectomia

Embora a cirurgia endoscópica dos seios da face (CESF) tenha se mostrado uma terapia eficaz em crianças com rinossinusite crônica não complicada, resultados comparáveis podem ser alcançados com terapia medicamentosa e adenoidectomia. A terapia medicamentosa máxima deve ser exaurida antes da intervenção cirúrgica para pacientes não complicados. Em casos com complicações como envolvimento orbital ou da base do crânio, a cirurgia pode ser empregada de maneira mais precoce.

Segundo os autores, essas recomendações não são “regras” rígidas, mas têm o objetivo de promover a discussão entre médicos e pacientes sobre abordagens baseadas em evidências para reduzir o tratamento inadequado ou desnecessário para pacientes pediátricos.

Leia mais


Quer escrever? Publique seu artigo na Academia Médica. Clique no botão "NOVO POST" no alto da página!


Referências

McDonough, M., Hathi, K., Corsten, G., Chin, C. J., Campisi, P., Cavanagh, J., ... & Hong, P. (2021). Choosing Wisely Canada–pediatric otolaryngology recommendations. Journal of Otolaryngology-Head & Neck Surgery, 50(1), 1-5.

Academia Médica
O que a faculdade esquece de falar!
O que a faculdade esquece de falar! Seguir

Página da redação da Academia Médica para divulgar atualizações pertinentes aos médicos, acadêmicos de medicina e profissionais de saúde.

Ler conteúdo completo
Indicados para você