[ editar artigo]

Nova diretriz do American College of Gastroenterology sobre o manejo da DRGE

Nova diretriz do American College of Gastroenterology sobre o manejo da DRGE

 

A doença do refluxo gastroesofágico (DRGE) continua a estar entre as doenças mais comuns vistas por gastroenterologistas, cirurgiões e médicos de atenção primária. A compreensão das apresentações variadas de DRGE, aprimoramentos nos testes de diagnóstico e abordagem para o tratamento do paciente evoluíram. 

Embora os IBPs (inibidores da bomba de prótons) continuem a ser o tratamento médico de escolha para a DRGE, várias publicações levantaram questões sobre eventos adversos, levantando dúvidas sobre a segurança do uso em longo prazo e aumentando a preocupação com a prescrição excessiva de IBPs. 

Surgiram novos dados sobre o potencial de intervenções cirúrgicas e endoscópicas. Neste novo documento, o American College of Gastroenterology traz recomendações atualizadas e baseadas em evidências e orientações práticas para a avaliação e gestão de DRGE, incluindo manejo farmacológico, estilo de vida, cirúrgico e endoscópico. 

A diretriz está estruturada no formato de afirmações consideradas clinicamente importantes pelos autores do conteúdo para avaliação e tratamento da DRGE. 

Os autores desenvolveram questões e realizaram uma pesquisa bibliográfica para cada questão. O processo de classificação de recomendações, avaliação, desenvolvimento e foi usado para avaliar a qualidade das evidências para cada declaração. 

Esta é expressa como alta, moderada, baixa ou muito baixa, com base no risco de viés dos estudos, evidência de viés de publicação, heterogeneidade entre os estudos, objetividade das evidências e precisão da estimativa do efeito. 

A força da recomendação é dada como forte (recomendações) ou condicional (sugestões) com base na qualidade da evidência, riscos versus benefícios, viabilidade e custos, levando em consideração fatores percebidos do paciente e da população. Além disso, um resumo de evidências narrativas para cada seção fornece detalhes importantes para os dados que sustentam as declarações.

O manejo da DRGE requer uma abordagem multifacetada, levando em consideração a apresentação dos sintomas, achados endoscópicos e prováveis ​​anormalidades fisiológicas. As decisões de manejo podem diferir dependendo do tipo e tamanho da hérnia hiatal, da presença de EE (esofagite erosiva) e/ou esôfago de Barrett, índice de massa corporal (IMC) e anormalidades fisiológicas associadas, como gastroparesia ou motilidade ineficaz com ausência de reserva contrátil. O manejo médico inclui modificações no estilo de vida e terapia farmacológica, principalmente com medicamentos que reduzem a secreção de ácido gástrico.

  • 1. Recomenda-se perda de peso em pacientes com sobrepeso e obesos para melhora dos sintomas da DRGE (forte recomendação, nível moderado de evidência)
  • 2. Sugere-se evitar refeições dentro de 2–3 horas antes de dormir (recomendação condicional, baixo nível de evidência).
  • 3. Sugere-se evitar produtos de tabaco / fumo em pacientes com sintomas de DRGE (recomendação condicional, baixo nível de evidência).
  • 4. Sugere-se evitar “alimentos desencadeadores” para o controle dos sintomas da DRGE (recomendação condicional, baixo nível de evidência).
  • 5. Sugere-se elevar a cabeceira da cama para sintomas noturnos de DRGE (recomendação condicional, baixo nível de evidência).
  • 6. Recomenda-se o tratamento com IBPs em vez do tratamento com antagonistas do receptor de histamina-2 (H2RA) para a cura de EE (forte recomendação, alto nível de evidência).
  • 7. Recomenda-se o tratamento com IBPs em vez de H2RA para manutenção da cicatrização de EE (forte recomendação, nível moderado de evidência)
  • 8. Recomenda-se a administração de IBP 30–60 minutos antes das refeições, em vez de na hora de dormir para o controle dos sintomas da DRGE (forte recomendação, nível moderado de evidência).
  • 9. Para pacientes com DRGE que não têm EE ou esôfago de Barrett, e cujos sintomas foram resolvidos com terapia com IBP, deve-se tentar descontinuar IBP ou mudar para terapia sob demanda na qual IBP são tomados apenas quando os sintomas ocorrem e interrompido quando são dispensados ​​(recomendação condicional, baixo nível de evidência).
  • 10. Para pacientes com DRGE que requerem terapia de manutenção com IBP, os IBP devem ser administrados na dose mais baixa que efetivamente controle os sintomas da DRGE e mantenha a cura da esofagite de refluxo (recomendação condicional, baixo nível de evidência).
  • 11. Não recomenda-se a adição rotineira de terapias médicas em não respondedores aos IBP (recomendação condicional, nível moderado de evidência).
  • 12. Recomenda-se terapia de manutenção com IBP indefinidamente ou cirurgia anti-refluxo para pacientes com esofagite AL grau C ou D (forte recomendação, nível moderado de evidência).
  • 13. Não recomenda-se o baclofeno na ausência de evidências objetivas de DRGE (forte recomendação, nível moderado de evidência).
  • 14. Não recomenda-se o tratamento com um agente procinético de qualquer tipo para terapia de DRGE, a menos que haja evidência objetiva de gastroparesia (forte recomendação, baixo nível de evidência).
  • 15. Não recomenda-se o sucralfato para o tratamento da DRGE, exceto durante a gravidez (forte recomendação, baixo nível de evidência).
  • 16. Sugere-se terapia com IBP sob demanda ou intermitente para controle dos sintomas de azia em pacientes com NERD (doença do refluxo não erosiva) (recomendação condicional, baixo nível de evidência).

O documento traz ainda recomendações sobre exames e procedimentos terapêuticos, de acordo com graus de evidência e com as condições de cada paciente.

Referências:

Katz, Philip O. MD, MACG 1 ; Dunbar, Kerry B. MD, PhD 2,3 ; Schnoll-Sussman, Felice H. MD, FACG 1 ; Greer, Katarina B. MD, MS, FACG 4 ; Yadlapati, Rena MD, MSHS 5 ; Spechler, Stuart Jon MD, FACG 6,7  Diretriz clínica da ACG para o diagnóstico e tratamento da doença do refluxo gastroesofágico, The American Journal of Gastroenterology: 22 de novembro de 2021 - Volume - Edição - 14/10/2009 / ajg.0000000000001538 doi: 10.14309 / ajg.0000000000001538

 

Artigos relacionados:

 

Academia Médica
O que a faculdade esquece de falar!
O que a faculdade esquece de falar! Seguir

Página da redação da Academia Médica para divulgar atualizações pertinentes aos médicos, acadêmicos de medicina e profissionais de saúde.

Ler conteúdo completo
Indicados para você