Academia Médica
Academia Médica
Você procura por
  • em Publicações
  • em Grupos
  • em Usuários
VOLTAR

Nozes podem amenizar sintomas de estresse e depressão

Nozes podem amenizar sintomas de estresse e depressão
Academia Médica
dez. 16 - 3 min de leitura
000

Ensaio clínico randomizado australiano analisou alunos universitários durante um semestre e descobriu que a suplementação de nozes por dezesseis semanas teve um efeito positivo nos níveis autorrelatados de estresse e depressão, melhorou a saúde mental geral e ajudou no sono a longo prazo. 

Problemas de saúde mental em estudantes de graduação são consequência da natureza crônica do estresse acadêmico. Uma recente pesquisa de saúde mental da Organização Mundial da Saúde (OMS) constatou que pelo menos 75% dos distúrbios de saúde mental ocorrem antes dos 24 anos de idade, tornando os estudantes de graduação particularmente vulneráveis à depressão. 

O estudo explica que a associação entre estresse crônico e depressão pode ser devido ao uso excessivo ou desregulação dos sistemas de resposta ao estresse, ou seja, o eixo hipotálamo-hipófise-adrenal (HPA) e o sistema simpático-adrenérgico.

A desregulação do primeiro sistema resulta em níveis cronicamente elevados de cortisol, conhecidos por prejudicar o aprendizado e a memória por meio de regiões-chave do cérebro, como hipocampo, amígdala basolateral e córtex pré-frontal medial, com superativação do último sistema levando ao aumento da produção de catecolaminas.

No cérebro, o estresse crônico pode perturbar o sistema dopaminérgico mesolímbico, o que pode levar à diminuição da sensibilidade à recompensa, uma característica comum da sintomatologia da depressão.

Além disso, pesquisas recentes também mostraram que as intervenções nutricionais, como a dieta mediterrânea, são eficazes na prevenção de distúrbios psicológicos, e que o consumo de nozes pode diminuir o risco de depressão.

Atuando em conjunto, acredita-se que o estresse e a dieta modulam a saúde intestinal e a composição da microbiota intestinal, embora a microbiota intestinal também possa exercer influência sobre o cérebro e o intestino por meio da produção de metabólitos, influenciando ainda mais os desejos de comida e o humor. 

As nozes possuem em sua composição ácidos graxos ômega-3, ácido α-linolênico e conteúdo de triptofano. Além disso, são uma fonte rica de vários compostos neuro-suportadores, como melatonina, polifenóis, ácido fólico e vitamina E. Por isso, podem ter efeitos positivos na cognição e na saúde mental.

O estudo australiano contou com a participação de oitenta acadêmicos, divididos em dois grupos de tratamento: um que recebeu nozes frescas pré-porcionadas, consumindo uma porção (aproximadamente 56 g) por dia; e outro, chamado grupo de controle, ao qual foi solicitado a abstinência do consumo de qualquer tipo de noz ou peixe gordo.

Os participantes receberam três visitas clínicas. Nessas, eram aplicados questionários sobre saúde mental e coletadas uma amostra de sangue e uma amostra de saliva.

Segundo os pesquisadores, aqueles que consumiram a quantidade proporcionada de nozes todos os dias mostraram melhorias nos indicadores de saúde mental autorrelatados. Eles também tiveram biomarcadores metabólicos melhorados e melhor qualidade geral do sono a longo prazo.

Referência:

Mauritz F. Herselman et al, The Effects of Walnuts and Academic Stress on Mental Health, General Well-Being and the Gut Microbiota in a Sample of University Students: A Randomized Clinical Trial, Nutrients (2022). DOI: 10.3390/nu14224776

Leia também:

5 conselhos para estudantes de Medicina

A faculdade de Medicina te deixou infeliz?

A educação médica precisa parar de esgotar os alunos. Agora!



Denunciar publicação
    000

    Indicados para você