[ editar artigo]

O que a poluição atmosférica tem a ver com suicídio?

O que a poluição atmosférica tem a ver com suicídio?

Estima-se que, mundialmente, mais de 300 milhões de pessoas convivam com a depressão, doença crônica e incapacitante que está intimamente associada ao suicídio, que foi a segunda principal causa de morte entre pessoas com 15 a 29 anos em 2015.

A poluição por material particulado (PM) ambiental, que basicamente consiste na poluição causada por poeiras, fumaças e todo tipo de material sólido e líquido que se mantém suspenso na atmosfera por causa de seu pequeno tamanho, ocupa o sexto lugar entre os fatores de risco comportamentais, ambientais, ocupacionais e metabólicos mais maléficos para a saúde humana. 

Estudos epidemiológicos e experimentais anteriores não são conclusivos quanto à associação entre a poluição do ar e doenças do sistema nervoso central e déficits de comportamento, como depressão e suicídio. Para esclarecer essa dúvida, um recente estudo realizado na Universidade de Crambidge, na Inglaterra, teve como objetivo determinar a relação geral entre a exposição ao MP e depressão/suicídio com base nas evidências atuais. Para isso, trinta artigos (20 para depressão e 10 para suicídio) com dados de 1.447.313 participantes foram incluídos em uma revisão sistemática com meta-análise

As análises encontraram uma associação positiva significativa entre poluição por material particulado com o risco de depressão e suicídio, especialmente, em pessoas com mais de 65 anos e em regiões desenvolvidas. As associações para depressão parecem ser ainda mais fortes para partículas menores, em longo prazo e em ambientes mais poluídos, por exemplo, para cada aumento de 10 µg/m3 em PM, há uma chance 19% maior de desenvolver a doença e suas complicações.

Embora o mecanismo exato ainda não tenha sido esclarecido, uma hipótese é que o material particulado, principal poluente do ar, induza o desenvolvimento dos transtornos mentais devido a ativação de vias de neuroinflamação e de estresse oxidativo, além de causar ativação crônica e desregulada do eixo hipotálamo-hipófise-adrenal, já associada a efeitos neurocomportamentais adversos.

A depressão e o suicídio têm feito cada vez mais vítimas diariamente e o acesso a tratamentos eficazes ainda é limitado. Portanto, atuar na prevenção a partir do esclarecimento da fisiopatologia e de possíveis fatores de risco envolvidos na gênese da doença é de suma importância, sendo necessários mais estudos que avaliem essa correlação.

Artigos relacionados 


Quer escrever? Publique seu artigo na Academia Médica. Clique no botão "NOVO POST" no alto da página!


Referências

‌Liu Q, Wang W, Gu X, Deng F, Wang X, Lin H, Guo X, Wu S. Association between particulate matter air pollution and risk of depression and suicide: a systematic review and meta-analysis. Environ Sci Pollut Res Int. 2021 Feb;28(8):9029-9049. doi: 10.1007/s11356-021-12357-3. Epub 2021 Jan 22. PMID: 33481201. 

Conteúdo traduzido e adaptado por Diego Arthur Castro Cabral

Academia Médica
O que a faculdade esquece de falar!
O que a faculdade esquece de falar! Seguir

Página da redação da Academia Médica para divulgar atualizações pertinentes aos médicos, acadêmicos de medicina e profissionais de saúde.

Ler conteúdo completo
Indicados para você