[ editar artigo]

Nenhuma quantidade de álcool é boa para o coração, diz World Heart Federation

Nenhuma quantidade de álcool é boa para o coração, diz World Heart Federation

 

A Federação Mundial do Coração (WHF - World Heart Federation) está desafiando a noção generalizada de que beber quantidades moderadas de álcool (sim, até vinho) pode diminuir o risco de doenças cardíacas

Em uma nova publicação, 'O Impacto do Consumo de Álcool na Saúde Cardiovascular: Mitos e Medidas', a organização está pedindo uma ação urgente e decisiva para combater o aumento das mortes e incapacidades relacionadas ao álcool em todo o mundo.

Em 2019, mais de 2,4 milhões de pessoas morreram por causa do consumo de álcool, representando 4,3% de todas as mortes no mundo e 12,6% das mortes em homens de 15 a 49 anos. O álcool é uma substância psicoativa e nociva que pode causar danos significativos ao corpo humano. Seu consumo é um importante fator de risco evitável para doenças não transmissíveis, incluindo doenças cardiovasculares, câncer, doenças digestivas e lesões intencionais e não intencionais, e para várias doenças infecciosas.

A evidência é clara, segundo a organização: qualquer nível de consumo de álcool pode levar à perda de uma vida saudável. Estudos mostraram que mesmo pequenas quantidades de álcool podem aumentar o risco de doença cardiovascular de uma pessoa, incluindo doença coronariana, acidente vascular cerebral, insuficiência cardíaca, doença cardíaca hipertensiva, cardiomiopatia, fibrilação atrial e aneurisma. Os estudos que afirmam o contrário são, de acordo com os autores da publicação, amplamente baseados em pesquisas puramente observacionais, que não levam em conta outros fatores, como condições pré-existentes e histórico de alcoolismo naqueles considerados “abstinentes”. Até o momento, nenhuma correlação confiável foi encontrada entre o consumo moderado de álcool e um menor risco de doença cardíaca.

“O retrato do álcool como necessário para uma vida social vibrante desviou a atenção dos malefícios do uso do álcool, assim como as frequentes e amplamente divulgadas alegações de que o consumo moderado, como uma taça de vinho tinto por dia, pode oferecer proteção contra doenças cardiovascularesEssas alegações são, na melhor das hipóteses, mal informadas e, na pior, uma tentativa da indústria do álcool de enganar o público sobre o perigo de seu produto”.

Os custos econômicos e sociais do álcool também são significativos: incluem o custo para os sistemas de saúde, gastos diretos e perdas de produtividade, bem como o aumento do risco de violência, falta de moradia e atividade criminosa. O álcool tem um impacto maior em pessoas de origens socioeconômicas baixas, que são mais propensas a experimentar seus efeitos adversos em comparação com pessoas de origens socioeconômicas mais altas, mesmo quando consomem quantidades semelhantes ou menores.

O WHF Policy Brief, The Impact of Alcohol Consumption on Cardiovascular Health: Myths and Measures , resume as evidências disponíveis sobre os impactos negativos do uso de álcool na saúde, explica o debate “danos versus benefício” do álcool e apresenta recomendações para indivíduos e formuladores de políticas para ajudar a combater o impacto do álcool globalmente.

Intervenções com boa relação custo-benefício para reduzir o consumo de álcool incluem o fortalecimento das restrições à disponibilidade da substância, a imposição de proibições à publicidade de álcool e a facilitação do acesso a exames e tratamento.

 

Referências:

World Heart Federation. THE IMPACT OF ALCOHOL CONSUMPTION ON CARDIOVASCULAR HEALTH: MYTHS AND MEASURES. Disponível em https://world-heart-federation.org/wp-content/uploads/WHF-Policy-Brief-Alcohol.pdf

 

Artigos relacionados:

 

Cardiologia

Academia Médica
O que a faculdade esquece de falar!
O que a faculdade esquece de falar! Seguir

Página da redação da Academia Médica para divulgar atualizações pertinentes aos médicos, acadêmicos de medicina e profissionais de saúde.

Ler conteúdo completo
Indicados para você