[ editar artigo]

Impactos econômicos do sobrepeso e obesidade

Impactos econômicos do sobrepeso e obesidade

Entre 1975 e 2016, a prevalência de obesidade aumentou em todos os países do mundo. O sobrepeso e a obesidade contribuem para várias doenças não transmissíveis (DCNT), incluindo doenças cardiovasculares, diabetes e câncer. As DCNTs relacionadas à obesidade são responsáveis ​​por mais de 5 milhões de mortes em todo o mundo a cada ano, com mais da metade ocorrendo em pessoas com menos de 70 anos. A pandemia de COVID-19 também revelou a obesidade como sendo um fator significativo na morbidade e mortalidade por doenças infecciosas. A obesidade é uma doença crônica complexa resultante da interação de vários fatores, incluindo suscetibilidade genética, nutrição com alta densidade energética, baixa atividade física e estresse.

A natureza multifatorial e crônica do sobrepeso e da obesidade leva a impactos econômicos tanto para indivíduos quanto para nações. Mais evidentes são os custos diretos de saúde associados ao tratamento de doenças atribuíveis à obesidade. Indivíduos que vivem com obesidade são significativamente mais propensos a usar os serviços de saúde domiciliares, fazer mais consultas ambulatoriais, receber mais prescrição de medicamentos, ser internados em hospitais e submetidos a cirurgias do que indivíduos com baixo peso. Finalmente, os indivíduos com obesidade apresentam custos mais elevados de atendimento e estadias mais longas no hospital. 

Neste sentindo, a Federação Mundial de Obesidade (World Obesity Federation - WOF) publicou um artigo em que estima o impacto econômico do sobrepeso e obesidade em 8 países, incluindo o Brasil. Os impactos econômicos da obesidade incluem custos indiretos resultantes da perda ou redução da produtividade e do capital humano. Estudos em vários países mostram que indivíduos com obesidade perdem mais dias de trabalho (absenteísmo) do que indivíduos sem obesidade e trabalham menos do que sua capacidade total quando estão no trabalho. A obesidade também aumenta as chances de desemprego e tem impacto negativo sobre os salários. Finalmente, mortes prematuras por doenças atribuíveis à obesidade implicam na perda de potenciais contribuições futuras para a economia.

Os autores da publicação reiteram que, assim como acontece com os estudos econômicos de outras doenças, estudar os custos econômicos da obesidade não implica e não deve ser mal interpretado no sentido de que os indivíduos que vivem com obesidade criam ou são responsáveis ​​por custos ou perdas econômicas. Em vez disso, um ambiente cada vez mais obesogênico, tanto diretamente quanto por meio de mudanças epigenéticas individuais, leva a um aumento da prevalência de obesidade e seus impactos econômicos associados. Embora seja difícil de medir, o viés de peso também impõe custos econômicos e outros, ressaltando ainda mais a importância de não culpar os indivíduos que sofrem de obesidade.

Para tanto, os autores buscaram estimar os impactos econômicos do sobrepeso e da obesidade em oito países (Austrália, Brasil, Índia, México, Arábia Saudita, África do Sul, Espanha e Tailândia) usando uma abordagem de custo da doença e fórmulas matemáticas. Os custos diretos e indiretos da obesidade de 2019 a 2060 foram estimados de uma perspectiva social, bem como o efeito de dois cenários hipotéticos de projeções de prevalência de obesidade. Os dados específicos do país foram obtidos de estudos publicados e bancos de dados globais.

Em termos per capita, os custos da obesidade em 2019 variaram de US $ 17 na Índia a US $ 940 na Austrália. Esses custos econômicos são comparáveis ​​a 1,8% do produto interno bruto (PIB) em média nos oito países, variando de 0,8% do PIB na Índia a 2,4% na Arábia Saudita. Em 2060, sem mudanças significativas no status quo, os impactos econômicos da obesidade devem crescer para 3,6% do PIB em média, variando de 2,4% do PIB na Espanha a 4,9% do PIB na Tailândia. Reduzir a prevalência da obesidade em 5% dos níveis projetados ou mantê-la nos níveis de 2019 se traduzirá em uma redução média anual de 5,2% e 13,2% nos custos econômicos, respectivamente, entre 2020 e 2060 nos oito países.

Figura 3Custo total da obesidade em 2019 como porcentagem do PIB.

 

Figura 7Custos totais da obesidade como porcentagem do PIB, 2019–2060. PIB, produto interno bruto.

 

Nesta análise, o impacto econômico no Brasil seria de 39 bilhões de dólares (aproximadamente 200 bilhões de reais), o que equivale a 2,1% do PIB nacional. Com as projeções para 2060, caso os índices de obesidade continuem a crescer, este valor pode chegar a 4,5% do PIB.

Os resultados revelam que os impactos sociais da obesidade são substanciais para países com diferentes níveis de renda. Embora se saiba que países de alta renda enfrentam altos custos econômicos com a obesidade, este estudo concluiu que uma magnitude semelhante de impacto pode estar presente nos países de baixa renda, consistente com as evidências existentes sobre o duplo fardo da desnutrição. 

As diferenças no impacto econômico entre os países são parcialmente explicadas pelas diferenças na prevalência da obesidade e na mortalidade atribuível à obesidade. A Índia tem a menor prevalência total de obesidade, mortalidade atribuível à obesidade e custo por cento do PIB entre os oito países. 

Por outro lado, a Arábia Saudita, com o maior custo por cento do PIB, tem a maior prevalência de obesidade total e também tem uma mortalidade atribuível à obesidade acima da média entre os oito condados. Outros fatores que impulsionam as diferenças nos custos totais entre os países incluem os níveis de renda / força econômica (PIB / capita), diferenças salariais, taxas de emprego, gastos nacionais com saúde e a distribuição por idade da mortalidade atribuível à obesidade.

Por fim, a pesquisa demonstra que os impactos econômicos da obesidade são substanciais em todos os países, independentemente do contexto econômico ou geográfico, e aumentarão com o tempo se as tendências atuais continuarem. Essas descobertas apontam fortemente para a necessidade de medidas governamentais para aumentar a conscientização sobre os impactos sociais da obesidade e de ações políticas para abordar as raízes sistêmicas da obesidade.

 

Referências

Okunogbe A , Nugent R , Spencer G , et al. Impactos econômicos do sobrepeso e da obesidade: estimativas atuais e futuras para oito países. BMJ Global Health 2021; 6: e006351.

 

Artigos relacionados:


Publique na Academia Médica. Clique em NOVO POST e comece já a compartilhar conhecimento!


 

Academia Médica
O que a faculdade esquece de falar!
O que a faculdade esquece de falar! Seguir

Página da redação da Academia Médica para divulgar atualizações pertinentes aos médicos, acadêmicos de medicina e profissionais de saúde.

Ler conteúdo completo
Indicados para você