Academia Médica
Academia Médica
Você procura por
  • em Publicações
  • em Grupos
  • em Usuários
VOLTAR

A influência das redes sociais no desenvolvimento de transtornos alimentares

A influência das redes sociais no desenvolvimento de transtornos alimentares
Academia Médica
mar. 29 - 3 min de leitura
000

O uso das mídias sociais leva a preocupações com a imagem corporal, transtornos alimentares e problemas de saúde mental. É o que sugere a revisão sistemática de cinquenta estudos em dezessete países envolvendo jovens de 10 a 24 anos, publicada na revista PLOS Global Public Health.

No estudo, verificou-se que exposições específicas de tempo e frequência a tendências de mídia social, conteúdo pró-transtorno alimentar, plataformas focadas na aparência e investimento em atividades relacionadas à aparência fortalecem a relação com  transtornos alimentares e problemas de saúde mental. Além disso, IMC alto, ser do sexo feminino e preocupações com a imagem corporal pré-existente também aumentaram essa relação, enquanto alta alfabetização em mídia social e apreciação corporal foram fatores de proteção.

O estudo destaca que relatórios recentes descobriram que 91% dos adolescentes do Reino Unido e dos Estados Unidos usam mídias sociais e que mais de 50% verificam suas contas pelo menos uma vez por hora. Por esse motivo, é importante mensurar o impacto do uso das redes com esses transtornos.  

Três estudos transversais indicaram que as plataformas focadas na aparência, nomeadamente Instagram e Snapchat, estão significativamente associadas a preocupações com a imagem corporal , patologia de transtorno alimentar, ansiedade e sintomas depressivos.

A revisão também revela que: 

  • Atividades relacionadas à aparência - como evitar "selfie", manipulação de fotos e postar fotos editadas - foram consistentemente associadas à insatisfação com a imagem corporal e ao risco de patologia de transtorno alimentar em dezessete estudos.

  • Associações significativas entre o uso de mídia social e comportamentos alimentares desordenados, incluindo compulsão alimentar, purgação, uso de laxantes e dieta extrema foram observadas em onze estudos.

  •  Alta frequência de uso de mídia social e insatisfação com a imagem corporal foi corroborada. 

Por fim, os pesquisadores ressaltam que é importante compreender os fatores que contribuem para o desenvolvimento de transtornos alimentares, para que pesquisadores, pais, educadores, formuladores de políticas e profissionais de saúde usem recursos de forma proativa e preventiva contra essas patologias.

Referência:

Alexandra Dane et al, The social media diet: A scoping review to investigate the association between social media, body image and eating disorders amongst young people, PLOS Global Public Health (2023). DOI: 10.1371/journal.pgph.0001091

Leia também:



Denunciar publicação
    000

    Indicados para você