[ editar artigo]

Confirmado novo caso de Candida auris no Brasil

Confirmado novo caso de Candida auris no Brasil

 

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) publicou um alerta de risco à saúde pública, em 11 de janeiro de 2022 (com resultados atualizados no dia 13), devido ao surto de Candida auris no Brasil, espécie de fungo resistente a medicamentos e responsável por infecções hospitalares que se tornou um dos mais temidos do mundo.

De acordo com a agência, já haviam sido, quando da redação do documento, identificados dois casos de infecção pelo fungo envolvendo um paciente de 67 anos e outra de 70 anos que estavam internados em um hospital da rede pública do Recife. 

A Anvisa classificou a situação como um surto, embora haja poucos casos, porque "a definição epidemiológica de surto abrange não apenas uma grande quantidade de casos de doenças contagiosas ou de ordem sanitária, mas também o surgimento de um microrganismo novo na epidemiologia de um país ou até de um serviço de saúde – mesmo se for apenas um caso".  

O Candida auris é um fungo emergente que representa uma séria ameaça à saúde pública considerando que produzem biofilmes tolerantes a antifúngicos apresentando resistência aos medicamentos comumente utilizados para tratar infecções por Candida. Estudos apontam, segundo a agência, que até 90% dos isolados de Candida auris são resistentes ao fluconazol, anfotericina B ou equinocandinas. Esse tipo de padrão multirresistente não tem sido observado em nenhuma outra espécie do gênero Candida. Além disso, pode causar infecção de corrente sanguínea e outras infecções invasivas, podendo ser fatal, principalmente em pacientes imunodeprimidos ou com comorbidades e pode permanecer viável por longos períodos no ambiente (semanas ou meses), além de apresentar resistência a diversos desinfetantes, entre os quais, os que são à base de quaternário de amônio.

Ademais, de acordo com o órgão, a espécie em questão apresenta propensão para causar surtos em decorrência da dificuldade de identificação oportuna pelos métodos laboratoriais rotineiros e de sua difícil eliminação do ambiente contaminado. Este representa o terceiro surto do patógeno no país.

 

Referências:

Alerta de Risco GVIMS/GGTES/Anvisa no 01/2022. Anvisa. Disponível em https://www.gov.br/anvisa/pt-br/assuntos/noticias-anvisa/2022/confirmado-novo-caso-decandida-aurisno-brasil

Artigos relacionados:

Infecções secundárias em pacientes criticamente enfermos com COVID-19

“Public Health”, “Global Health”, “One Health” e “Planetary Health”: o que são exatamente?

Infectologia

Academia Médica
O que a faculdade esquece de falar!
O que a faculdade esquece de falar! Seguir

Página da redação da Academia Médica para divulgar atualizações pertinentes aos médicos, acadêmicos de medicina e profissionais de saúde.

Ler conteúdo completo
Indicados para você