[ editar artigo]

Incorporando a metacognição no processo de aprendizado

Incorporando a metacognição no processo de aprendizado

Dra. Roberta Fittipaldi é médica pneumologista, pesquisadora em ventilação mecânica, que trabalha nas principais UTIs da cidade de São Paulo e é professora da curso Ventilação Mecânica Online na Academia Médica.

A metacognição é definida pelo processo de "pensar sobre o pensamento", em outras palavras, é o processo que reflete hábitos pessoais, construção do conhecimento e caminhos para o aprendizado. Inicialmente proposta pelos psicólogos Willian James, Jean Piaget e Lev Vygotsky nos anos 70, hoje, após várias pesquisas, podemos aplicar conceitos de metacognição no ensino moderno, no qual é possível utilizar a metacognição como um processo que direciona o aluno ao seu próprio aprendizado e auto-conhecimento. (Ambrose et al, 2010).

Segundo Pintrrich: "existe uma necessidade de ensinar a metacognição explicitamente nas universidades, porque nós somos continuamente surpreendidos com o número de estudantes que chegam as universidades apresentando pouco ou nenhum conhecimento em metacognição, sobre diferentes estratégias, diferentes características cognitivas e nenhum conhecimento sobre si mesmo".

A proposta da metacognição em "aprender a pensar" e "pensar para aprender" vem baseada em estudos que avaliaram o sistema regulatório cerebral e concluíram que utilizamos esses sistemas para entender e controlar nossas próprias capacidades cognitivas. 

Segundo os estudos, existem processos em torno de aprender a aprender. Na maioria das vezes, os estudantes (crianças e adultos) e instrutores desconhecem o que são e o que é necessário para melhorá-los. Esses processos consistem em:

1. Conhecimento de Cognição :

  • a. Consciência de fatores que influenciam sua própria aprendizagem.
  • b. Conhecer estratégias para usar para aprender.
  • c. Escolher a estratégia apropriada para a situação específica de aprendizagem.

2. Regulamento de Cognição

  • a. Definir metas e planejamento.
  • b. Monitorar e controlar a aprendizagem.
  • c. Avaliar o próprio regulamento (avaliando se a estratégia que você está usando está funcionando ou não, fazendo ajustes e tentando algo novo).

Através desse conhecimento, surgiram propostas de questionários e avaliações que procuram objetivar e quantificar o processo de metacognição no aprendizado.

Em 1994, Schraw e Dennison criaram o Inventário de Consciência Metacognitiva  – Metacognitive Awareeness Inventoty (MAI), especificamente para que os adultos aprendessem a consciência do conhecimento metacognitivo e da regulação metacognitiva. O MAI consiste em 52 questões que avaliam esses dois componentes, através de perguntas em que o aluno responde como verdadeiro ou falso itens relacionados a sua forma de encarar um problema, de priorizar certas informações, e sobre como organiza uma estrutura de aprendizado.

Na conclusão das pesquisas de Schraw e Dennison foi visto que havia forte associação para ambos os fatores de metacognição realizando esse questionário e que eles também estavam relacionados.

Pesquisas mais recentes revelaram uma correlação significativa entre o MAI e algumas medidas de desempenho acadêmico (passar em uma disciplina, notas de fim de curso etc.). No entanto, ao observar estudantes de graduação e pós-graduação (adultos, jovens e idosos), descobriu-se que não diferem em suas pontuações médias nas áreas de Conhecimento de Cognição (semelhantes para ambos os grupos), mas diferem em termos de suas estratégias e habilidades de regulação.

O Conhecimento da Cognição é mais facilmente adquirido e melhorado. As estratégias de Regulamentação de Cognição não são tão fáceis de adquirir e, na maioria das vezes, os alunos não melhoram com o tempo em suas pontuações de Regulamentação – porque precisam aprender as estratégias e ter chances de praticar experiências de sala de aula. Sendo assim, os estudos concluem que alunos precisam que seus instrutores mudem o mindset para avaliar a metacognição para ajudá-los a construir suas próprias estratégias em torno da regulamentação da aprendizagem ao longo de uma trajetória de aprendizado.

Em tempos nos quais o universitário aprende superficialmente e retém pouco conhecimento para a aplicabilidade prática, e nos quais escolas médicas focam no aprender aqui e agora, faz-se necessário uma reavaliação do processo de aprendizado. Nosso paradigma atual não prepara o aluno para uma carreira médica duradoura e para uma vida médica. Alguns pesquisadores defendem a incorporação do ensino baseado na prática como um dos fatores para a melhoria do ensino médico, mas sabemos que infelizmente nosso país ainda patina em erros e acertos acerca desse sistema de aprendizado e avaliação. É necessário trazer o aluno para a prática do mundo real, estimular o pensamento crítico e intuitivo que tanto se faz necessário para médicos atualmente. A aplicação de metodologias baseadas em prática clínica, na resolução de problemas e na metacognição que faça o aluno ser estimulado e motivado a pensar não só no processo de definição diagnóstica, mas em todo o caminho no qual ele conseguiu chegar lá é uma proposta que trará conhecimento e aprendizado a longo prazo. 

Sabemos que existem inúmeras limitações para aplicação dessas técnicas: tempo, recursos, dificuldades entre professores e do próprio aluno. Porém todo o processo só muda quando conseguimos pensar criticamente e reavaliarmos seus pontos nevrálgicos. Dessa forma, utilizando a metacognição como avaliadora e promotora de mudanças, sem dúvida é possível trazer benefícios para nossos alunos e também para instituições. 

Referências:

  1. Metacognition in medical education – Keys to developing expertise mark quirk
  2. Ten metacognitve teaching strategies – Centre for Innovation and Excellence in Learing . Liesel knaack and Melissa Robertson 
  3. Metacognition handout - stanford university.edu

 

Leia também os outros artigos da série sobre Ensino Médico, publicado pela Dra. Roberta Fittipaldi.

 

 


Curso de Ventilação Mecânica Online com Dra. Roberta Fittipaldi

Roberta Fittipaldi é colaboradora da Academia Médica e professora do curso Ventilação Mecânica Online, uma um curso para se manter atualizado e ainda aprender de vez Ventilação Mecânica, com o intuito de melhorar a qualidade e segurança do paciente, intensivo ou não, que necessita de suporte ventilatório. 
É também doutora em Ventilação Mecânica pela FMUSP, especialista em Educação Medica pela Harvard TH Chan e médica das UTIs respiratórias do HIAE e Incor.

Quer participar do Curso que ela lidera? Clique aqui!

 


 

 

Academia Médica
Roberta Fittipaldi Palazzo
Roberta Fittipaldi Palazzo Seguir

Medica pneumologista Hospital Israelita Albert Einstein (HIAE). Professora da Pós graduação em Terapia Intensiva HIAE. Cursando doutorado em Pneumologia FMUSP. Médica Assistente UTI Respiratória FMUSP.

Ler conteúdo completo
Indicados para você