[ editar artigo]

Mini-guia para estudantes de medicina que pensam no empreendedorismo

Mini-guia para estudantes de medicina que pensam no empreendedorismo

 

Depois de mais de 4 mil estudantes universitários e algumas ideias, mentorias, empresas, clínicas e laboratórios criados ou aperfeiçoados, algumas premissas relacionadas à inovação e empreendedorismo se fizeram fortes, outras nem tanto.  Percebo que, nos últimos 10 anos,  é notável a mudança de mindset do estudante de medicina em um aspecto muito mais inovador e empreendedor.

O maior desafio dos acadêmicos é a falta de amparo técnico nas escolas médicas — ambiente pouco agregador para tal. Inclusive, é importante pontuar que  o mindset clínico é diferente do mindset empreendedor.

Segundo a Escolas Médicas do Brasil, há 353 escolas de medicina no Brasil, responsáveis pela oferta de 35.642 vagas por ano. Os dados são da pesquisa Radiografia das Escolas Médicas Brasileiras 2020, divulgada pelo Conselho Federal de Medicina (CFM). Segundo o estudo, 94% das instituições de ensino superior que oferecem vagas para medicina estão em municípios com déficit em pelo menos um dos três parâmetros considerados ideais para o funcionamento dos cursos.

Se considerarmos o momento social em que nos encontramos, de necessidade de inovação e criatividade, ficaríamos mais aquém ainda do mínimo necessário para ajudar na construção do mindset médico que se exige atualmente.

Ser um estudante de medicina é uma experiência de consumo. Entretanto, ter tempo e energia para seguir uma carreira empreendedora ou um trabalho paralelo, é um desafio, principalmente porque precisamos de mais escolas médicas empreendedoras e empreendedorismo interprofissional.

Esse é  um dos muitos problemas enfrentados pelas faculdades de medicina. As principais razões para a não implementação desse tema nas escolas são:  falta de professores capacitados, ausência de financiamento adequado e resistência dos docentes às mudanças curriculares.

O ensino de empreendedorismo e de temas relacionados à saúde digital são relevantes para a formação do médico, entretanto tais temas são quase inexistentes na graduação médica brasileira.

Existe uma marcada transição entre as gerações de docentes e discentes, evidenciando uma assincronia entre o egresso formado pela escola médica e o profissional requerido pelo mercado do início de século XXI.

Tal fenômeno dificulta a atualização da grade curricular. Fundamentalmente, para ser um empreendedor médico, você precisará de educação, recursos, redes, mentores, acesso à experiência, suporte entre pares e orientação de carreira não clínica.

Se interessou pelo assunto ou deseja empreender, acadêmico? Continue lendo este texto. Acredito que será útil para você!

Por que empreender na medicina?

De maneira simplista, empreender é uma tarefa que abrange a implementação de mudanças ou a melhoria de alguma iniciativa, como a necessidade crescente de se encontrar técnicas e processos mais eficazes para tratar doenças e atender os pacientes, bem como uma forma de os médicos buscarem algo a mais para as suas carreiras, seja de forma individual ou coletiva.

Em um universo em constante transformação, o empreendedorismo deixou de ser um hype e tornou-se algo vital para quem deseja se desenvolver. Basta acompanhar algumas marcas (e atualmente até rede de hospitais) para perceber a mudança de mentalidade.

Na saúde, muitas empresas e profissionais têm se destacado por conseguirem conquistar o mercado com boas ideias e muita vontade de crescer. Na medicina, empreender vai além de montar um consultório, abrir uma sociedade médica e investir em pesquisa.

Para quem ainda tem dúvidas quanto a empreender na saúde, podemos observar a construção das ligas acadêmicas de medicina, que sempre foram pioneiras em revelar o pensamento da nova geração médica em prol de um assunto de interesse em comum.

De um universo praticamente nulo a um universo recheado de novas revelações da construção de um mindset inovador e criativo. Fazendo uma rápida pesquisa, é fácil encontrar ligas acadêmicas já não tão novas, mas atuantes, como:

•Liga Acadêmica de Finanças, Inovação e Empreededorismo (LAFIE), da Universidade Católica de Pelotas (UCPel);

•Liga Acadêmica de Gestão e Empreendedorismo em Saúde (LAGESF), da Faculdade de Saúde e Ecologia Humana (FASEH);

• Liga Acadêmica de Finanças e Empreendedorismo na Medicina (LAFEM), da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ);

• Liga de Empreendedorismo e Inovação em Saúde (LAEIS), do Centro Universitário UNINOVAFAPI;

• Núcleo de Experiência Empreendedora Tecnológica  (NEXT), da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS);

 •Liga de Empreendedorismo (i9), da Universidade Federal de Santa Maria;

• Liga Acadêmica de Pesquisa e Inovação em Saúde (LAPIS), da Universidade Potiguar;

• Liga Acadêmica de Empreendedorismo, Carreira Médica e Gestão em Saúde (ECAGE), da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ);

 •Liga Acadêmica de Finanças, Empreendedorismo e Inovação em Medicina, da Universidade Federal da Paraíba (UFPB);

• Liga de Tecnologia, Empreendedorismo e Finanças (LATEF), da Universidade FTC (UniFTC);

• Liga Acadêmica de Gestão e Empreendedorismo Médico (LAGEM), da Universidade de Uberaba (Uniube).

Escolas Médicas empreendedoras

Nas escolas de ensino médio,  o start para a educação empreendedora, com foco em inovação e fomento de soft skills já começou há alguns anos. O intuito é preparar melhor os alunos para um futuro nebuloso de trabalho, no qual os graduados disputarão empregos em rápida mudança sendo transformados por máquinas cada vez mais capazes.

Muitas universidades estão se autodenominando "empreendedoras". A maioria, no entanto, está apenas colocando vinho velho em uma garrafa nova. Para eles, o objetivo é formar estudantes que possam criar um negócio viável e sustentável.

Poucas escolas médicas e de pós-graduação podem ser consideradas empreendedoras. Isso é lamentável porque o crescimento econômico de longo prazo exige um compromisso intensificado para promover o impacto da inovação das universidades de primeira linha do país e outras instituições de pesquisa. Para as próprias instituições de pesquisa, esse compromisso significa priorizar atividades como:

• Fomento à pesquisa, com capacitação de grandes pesquisadores;

• Construção de operações de transferência de tecnologia eficientes e focadas em resultados;

• Introdução de  culturas de inovação e empreendedorismo no meio acadêmico, com envolvimento das comunidades de negócios e inovação.

No Brasil, este movimento consiste em financiar mais recursos de pesquisa e prestar mais atenção à competição mundial por talentos humanos.

Criar um pipeline de talentos diversificado do ensino médio à pós-graduação de graduados com uma mentalidade empreendedora é um pilar fundamental para transformar os cuidados de saúde em saúde e agregar valor.

Outros estão mudando a cultura tóxica da inovação, ao eliminar as barreiras à inovação aberta com a tecnologia em saúde, mudar o comportamento de médicos e pacientes, criar um sistema nervoso cibernético em evolução para responder às mudanças ambientais e coordenar as informações.

Criar um negócio é apenas uma forma de entregar valor definido pelo usuário e limita o escopo da educação e treinamento empresarial. Para escolas de medicina e programas de treinamento de pós-graduação, o objetivo deve ser formar alunos com mentalidade empreendedora que possam criar valor definido pelo usuário da forma que decidirem fazê-lo, incluindo iniciar ou administrar um negócio com um modelo de negócios viável. Pode ser uma inovação de processo. Pode ser uma inovação na experiência do usuário. Pode ser uma ferramenta de análise que reduz substancialmente os custos e melhora os resultados.

A Inteligência Artificial (IA) e a robótica estão mudando como o trabalho é feito e quem o faz, incluindo médicos. À medida que as máquinas fazem mais do que antes era humano, as empresas e as pessoas que prosperam não serão aquelas que adivinham corretamente os próximos conjuntos de soft skills, mas que cultivam a capacidade de seus trabalhadores de aprender mais rápido.

Leia também: Como preparar os médicos para o mundo influenciado pela Inteligência Artificial 

À medida que a meia-vida de habilidades específicas diminui e as máquinas se tornam proficientes em tarefas que incluem até mesmo a tomada de decisões, as capacidades fundamentalmente humanas se tornam mais importantes: empatia, curiosidade, criatividade, imaginação, emoções e inteligência social, liderança e desenvolvimento de outras pessoas. Em outras palavras, os médicos terão que ter uma mentalidade empreendedora para prosperar.

Para a maioria dos centros médicos acadêmicos, a inovação é descrita e medida por métricas de transferência de tecnologia, como patentes, receitas de licenciamento e spin outs. Infelizmente, as universidades inovadoras descritas nesses termos não são necessariamente universidades empreendedoras. Alguns estão começando a perceber isso e estão repensando como fazem o negócio da ciência e da medicina.

O caminho das universidades para transformação envolve dar promoção ao corpo docente e reconhecimento de posse por realizações inovadoras e empreendedoras, responsabilizar cada aluno por demonstrar uma mentalidade empreendedora, contratar, desenvolver e promover a inovação, liderar inovadores e não gerenciar a inovação e transformar doações em investimentos.

Além disso, os estudantes de medicina devem ser tratados e rastreados como clientes, medindo sua pontuação de promotor líquido durante e após a conclusão de sua educação e treinamento.

Os educadores médicos estão lutando para criar a força de trabalho do século 21. Para garantir que os médicos em treinamento em todo o mundo recebam a educação necessária para fornecer o melhor atendimento aos pacientes, a Associação Médica Mundial está pedindo às associações médicas nacionais que incentivem as escolas médicas a desenvolver programas de garantia de qualidade e apoiar sistemas de credenciamento que definam padrões de educação que se alinham com as necessidades dos pacientes.

As universidades empreendedoras e as faculdades de medicina não devem ser apenas estudantes de graduação que criarão negócios. Em vez disso, todo graduado deve ser treinado para criar valor definido pelo usuário. Afinal, é assim que eles estão, cada vez mais, sendo pagos.

Ser um empreendedor faz de você um médico melhor e os pacientes se beneficiam. Apoiar os empreendedores do corpo docente pode aumentar o apoio da indústria para pesquisa, desenvolvimento e comercialização.

O fato de os médicos não saberem como entregar valor é parte do motivo pelo qual é tão difícil matar os honorários de um serviço médico. Em vez disso, uma sociedade empreendedora deve criar universidades empreendedoras que criem escolas médicas empreendedoras. Para isso, precisam de meios, motivos e oportunidades.

Por que é difícil encontrar escolas médicas empreendedoras?

Afinal, o objetivo de uma escola de medicina empreendedora é formar todos os alunos com uma mentalidade empreendedora? Não! O objetivo não é ensiná-los a iniciar e administrar um consultório!

Todo aluno deve saber como criar valor definido pelo usuário por meio da implantação da inovação, e não deve fazer nenhuma diferença se sua subespecialização é cirurgia, psiquiatria, clínica ou patologia. Poucas universidades recompensam professores e alunos por desenvolverem, comercializarem uma ideia ou pagarem mais para ministrar os cursos.

O dinheiro é escasso e pouco está disponível para apoiar esses programas. Eles funcionam com pouco dinheiro, espera-se que sejam autofinanciados e exigem tempo não compensado do corpo docente, pago principalmente por bolsas e receitas clínicas. O empreendedorismo em saúde repousa sobre um banco de quatro patas que inclui educação, redes, experiência e dinheiro. Os três últimos são difíceis de criar, dimensionar e sustentar.

Os educadores de inovação em saúde e empreendedorismo não têm um lar acadêmico. Ainda não é um domínio acadêmico reconhecido, há lugares limitados para publicar pesquisas e manuscritos revisados ​​por pares, e comitês de promoção e permanência atribuem pouco ou nenhum valor à atividade. Cada disciplina tem uma cultura e um estilo de aprendizagem diferente. Os alunos recuam porque não constatam a relevância imediata além de conseguir um emprego ou o próximo degrau acadêmico.

Empreendedores fazem médicos melhores

O objetivo dos empreendedores médicos é criar valor definido pelo usuário por meio da implantação de produtos biomédicos e clínicos, processos ou inovação de políticas usando um modelo de negócios VAST (do inglês, Validação, Automação, Escalabilidade, Tempo e Tração).

Saiba mais: Médicos startupeiros e a sereia do empreendedorismo

Há muitas maneiras de os médicos fazerem isso sem criar empresas. Alguns pensam que praticar medicina versus empreendedorismo médico é uma decisão de “ou um, ou outro”. Na maioria dos casos, os médicos fazem as duas coisas, em graus variados, simultaneamente, quer reconheçam ou não.

Algumas habilidades que tornam médicos e empreendedores melhores incluem profissionalismo, habilidades interpessoais e de comunicação, capacidade de aprendizagem baseada na prática, pensamento baseado em sistemas e habilidades para mudanças.

Embora poucos médicos tenham uma mentalidade empreendedora, um número crescente está praticando o empreendedorismo médico em diferentes funções como proprietários de empresas de serviços profissionais, tecnopreneurs, edupreneurs, prestadores de serviços, intraempreendedores, investidores ou empreendedores sociais de saúde pública.

Os médicos são adequados para serem empreendedores por causa de sua educação e treinamento. Infelizmente, na maioria dos casos, essa educação não inclui a medicina ou o empreendedorismo e essa omissão é reveladora. Praticar o empreendedorismo não apenas agrega valor aos pacientes, mas também torna os médicos melhores pelos seguintes motivos:

1. Isso os força a expandir suas habilidades na busca de problemas, não apenas na resolução de problemas;

2. Isso os torna mais centrados no paciente e no cliente;

3. Exige que eles considerem mais do que apenas a qualidade do atendimento que prestam, mas também outros fatores de valor de não qualidade do atendimento, como experiência, serviço, conveniência, preço e acessibilidade;

4. Faça-os pensar em modelos de negócios mais eficazes, eficientes, responsivos ao mercado e com valor agregado e os envolva ainda mais na aprendizagem ao longo da vida. Também os ajuda a serem mais bem remunerados;

5. Reforça a responsabilidade pessoal e o aprendizado com seus erros;

6. Ele constrói seu julgamento clínico levando em consideração outras variáveis ​​de experiência do pacientes, lições e exemplos de sucesso de empreendedores e indústrias fora da medicina, ampliando assim seus horizontes criativos;

7. Ajuda a se reconectar à missão da medicina;

8. Torna-os melhores administradores de recursos escassos;

9. Desafia-os a serem mais empáticos com as necessidades, exigências e circunstâncias sociais do paciente;

10. Torna-os mais humildes e confronta-os com a realidade de que uma parte significativa do seu sucesso se deve à sorte, ao código postal onde nasceram e aos pais que escolheram;

11. Proporciona-lhes fontes alternativas de rendimento e ajuda-os a serem pagos pela criação de valor;

12. Ajuda a informar aqueles que fazem desenvolvimento e inovação de novos produtos;

13. Pode ser parte de uma carreira extra ou de outro portfólio;

14. É uma forma de transmiti-lo ou participar de atividades de empreendimento social;

15. Ajuda a se tornar parte da solução de assistência médica.

Cada vez mais médicos estão adotando princípios empresariais em seu trabalho porque, simplesmente, precisam sobreviver. Antigamente, você podia se formar como o último da classe, pendurar uma telha, praticar o padrão de atendimento, ficar longe de problemas e receber muito pelo esforço. Não mais.

É estúpido esperar que os médicos agreguem valor quando não têm educação ou treinamento sobre como fazê-lo. O empreendedorismo médico é bom para empresas, investidores e empreendedores, clientes-pacientes, economia regional e competitividade globa

Em resumo: precisamos de mais escolas médicas empreendedoras por nenhuma outra razão que o empreendedorismo torna os médicos melhores e vice-versa.

Habilidades futuras

Infelizmente, os futuros médicos não estão sendo educados e treinados para vencer as novas transformações. Quantos se formarão com esses trabalhos das habilidades futuras? Existem algumas habilidades que devem ser aprimoradas ainda na faculdade de medicina, como instinto, visão, energia, habilidades com pessoas e desejo de evoluir.

Muitos estudantes empreendedores que conheço, tiraram um ano sabático entre a graduação e a faculdade de medicina. Não é a realidade da maioria. Para atingir essas habilidades alguns atributos-chave, que também podem ser treinados e estimulados, são necessários:

1. Mindset: a inovação começa com a mentalidade certa. O lugar de falhar é na faculdade. Aprenda com os erros. Busque valor em cada falha. É a pedra fundamental para converter problemas em oportunidades, assim muitas vezes a ideia original cresce muito mais do que a promessa inicial.

2. Consistência: o trabalho duro supera o talento quando o talento não trabalha duro. Consistência bate a sorte, o talento e as boas intenções. Os indivíduos mais eficazes, produtivos e talentosos sempre viveram pelo mesmo código: Pequeno progresso, todos os dias. É assim que os atletas olímpicos ganham ouro. A consistência não é uma coisa complicada. O sucesso não é complicado. Você faz o que precisa fazer todos os dias.

3. Oportunidade: uma ideia brilhante é quase sempre associada com genialidade e talento, o que dá a impressão de ser algo para poucos. Entretanto, todos os indivíduos que realizaram grandes feitos têm algo em comum: a capacidade de observação e a interação com o ambiente inserido. Parece simples, mas exige sensibilidade, sentidos aguçados e habilidade para enxergar nas entrelinhas. Diariamente, tendemos a não enxergar as oportunidades nos caminhos que cruzamos, pois, raramente paramos para olhar a nossa volta. Mas se olhar com os olhos de um estrangeiro, você verá o mundo sob uma nova perspectiva e aumentará drasticamente a densidade das suas experiências. Por meio desta sintonia, você frequentemente encontrará coisas fascinantes. Viaje!

4. Sorte: um experimento feito por alguns psicólogos da UC Berkeley consistiu em enviar voluntários para pequenas salas em grupos de três pessoas do mesmo sexo e deram a eles um problema complexo para resolver. Eles designaram aleatoriamente um membro do grupo como seu líder. Trinta minutos depois, eles entraram na sala com um prato de quatro biscoitos para os três voluntários. Adivinha quem comeu o biscoito extra? O líder. Foi talento, trabalho duro ou apenas sorte porque ele ou ela foi escolhido aleatoriamente para ser o líder 30 minutos antes? Sorte desempenha um papel mais importante em nosso sucesso do que gostaríamos de admitir. Por sorte ele quer dizer onde nasceu, o bairro que nossos pais escolheram e portanto, as escolas que frequentamos, quem são os pais e se somos saudáveis.

Além disso, ser parte dos “que têm” nos endurece para os “não-ter” que não tiveram a sorte de ter as oportunidades de ter sucesso, apesar de seu talento e esforço. Portanto, estar em uma escola médica e estar tendo a oportunidade de ler esse texto já é a sorte que você precisa.

5. Conhecimentos, habilidades e atitudes: infelizmente, os médicos são levados a pensar que obter um MBA lhes dá o direito de se autodenominarem empreendedores médicos. Mais frequentemente, eles são treinados para serem gerentes. Não precisamos de mais administradores médicos. Precisamos de mais médicos inovadores e empreendedores que possam nos tirar da confusão dos cuidados com a doença. Embora eu acredite que a carreira ideal envolva um tempo razoável praticando medicina clínica, os alunos pensam de outra forma. Esses alunos merecem um novo caminho para criar o futuro, e os educadores médicos e empresariais precisam criar produtos educacionais que atendam às suas necessidades.

6. Networking: o LinkedIn é uma excelente ferramenta para quem sabe usar. O engajamento dentro do seu universo de networking é mais importante do que o tamanho dela. Você deve desenvolver e cultivar suas redes antes de precisar delas ou que elas precisam de você. Criar uma espécie de base. Quase todo grande empreendedor é um grande networker com uma constelação cescente de conexões e fontes de ideias e inspiração. Mas eles usam essas redes para criar padrões que outros não veem.

Alguns, na educação médica, incluindo a mim, estão começando a ligar alguns pontos e defendendo uma educação coerente, ligando a medicina à ciência, tecnologia, engenharia, matemática, negócios, humanidades e outros domínios também. Você não precisa de poderes milagrosos ou espelhos de truques para ver os cantos. Você só precisa de uma mente e rede abertas. Na Academia Médica, Médicos S/A e congressos específicos você conseguirá fazer um bom networking.

7. Tenha mentores: mentores são parceiros que ajudam você a se manter no caminho certo para atingir suas metas. Eles são difíceis de encontrar e a falta de um mentor é uma razão frequentemente citada para o fracasso empresarial. Muitos empreendedores têm dificuldade em encontrar o mentor certo por vários motivos. Ter um mentor pode ser uma poderosa ferramenta para qualquer profissional. Quer esteja no início da sua carreira ou já tenha alguns anos de experiência, ter alguém que o possa guiar e fornecer-lhe conselhos irá ajudá-lo e ao mesmo tempo desafiá-lo, dar-lhe uma direção e moldar à sua maneira de pensar.

8. Recursos: dependendo do seu nicho-problema-solução, algumas iniciativas públicas e privadas, bem como plataformas, de conhecimento (como a Academia Médica, Médicos S/A e a AMA Physician Innovation Network) e financeira (como o Kickstarter), estão disponíveis com facilidades a níveis diferentes. Com networking e mentoria, os recursos ficam menos desafiadores.

9. Experiência: uma pessoa que passou por várias experiências profissionais tende a aprender como se comportar em diferentes contextos, além de ter o conhecimento necessário para determinadas atividades. Quanto mais cedo você inicia sua jornada, mais pode aproveitar as oportunidades, experimentar novas situações, mudar de ideia e se permitir errar. Ainda que nunca seja tarde demais para mudar, quanto mais cedo você fizer isso, melhor pode aproveitar o que tem. O feito é melhor que o perfeito. Comece! Erre!

10. Redes de apoio social e emocional: seja você um médico empregado, um profissional da comunidade, um CEO iniciante de uma startup ou um intraempreendedor, você precisa de ajuda como antídoto para o estresse. Aproveite o tempo para cultivar o relacionamento certo com a pessoa certa na função certa e agradeça às suas estrelas da sorte por tê-las encontrado.

11. Humildade: uma mentalidade de aprendizagem requer humildade. Requer uma vontade de admitir "eu não sei" e o “preciso de ajuda”.

12. Encontre seus pontos cegos: quando se trata de esclarecer pontos cegos pessoais, há uma diferença entre sucesso pessoal e profissional. Compreender e remover pontos cegos pessoais pode ser uma experiência dolorosa e difícil: eles são baseados em crenças emocionais e psicológicas profundas que  construídas para protegê-lo, apesar das consequências prejudiciais e não intencionais.

Os médicos que tentam tratar os pacientes somente considerando seus conhecimentos da faculdade são cegos guiando cegos. Os problemas de cada paciente e suas doenças são tão complexos, as soluções tão exigentes e as tecnologias tão convergentes, que somente a colaboração multiprofissional e intersetorial, facilitada pela inovação aberta e impulsionada por aqueles dispostos a ter sucesso na inovação, produzirá resultados.

13. Motivação: algumas motivações vêm de dentro (intrínsecos) e outros vêm de fora (extrínsecos). A maioria acha que é uma boa ideia ter paixão por sua causa, produto, tecnologia ou objetivo. Outros pensam que essa "paixão" pode obscurecer seu julgamento, obscurecer ainda mais seus pontos cegos e levá-lo a ser cabeça-dura ou obstinado diante da verdade.

14. Marca pessoal: construir sua marca pessoal pode parecer um exercício trivial para os médicos. Para a maioria, seus pratos estão cheios, acompanhando a medicina de última geração e lidando com todas as mudanças ambientais e incertezas na prática da medicina. No entanto, existem duas razões básicas pelas quais você deve construir sua marca pessoal — crescimento pessoal e profissional. Simplificando, sua “marca” é o que seu cliente em potencial pensa quando ouve o nome da sua marca. Aprenda a se vender. O LinkedIn e Instagram ajudam muito. Acompanhe as pessoas de interesse.

Dica extra: assista o vídeo abaixo sobre médicos em transição!

Clique aqui e saiba montar seu LinkedIn para médicos. 

15. No começo, busque problemas, não soluções: muitos pequenos problemas não reconhecemos como problemas, assim aceitamos um status quo. Quando tentamos identificar problemas, com o tempo nossos sentidos ficam aguçados para enxergar o que a maioria não vê. Crie mapas da jornada do paciente no atendimento.

16. Cultive hábitos empreendedores: Esqueça a leitura de livros, seu mentor ou amigos leram. Chame-os para uma conversa. Siga perfis nas redes sociais que possa te prover insights sobre inovação e inspiração. O algoritmo vai te sugerir cada vez mais temas que você curta ou compartilhe. Escreva sobre. Divulgue!

17. Tenha um pensamento estratégico: nada de reuniões chatas e cadernos grandes jogados pela casa. Ir a um lugar com uma comida melhor que a que servem no hospital é fundamental. Leve seus amigos e escute o que eles têm a te dizer. Escute as pessoas fora do seu nicho também. Agrupe as ideias, valores e desafios e debruce sobre elas.

Muitas dessas habilidades podem melhorar suas chances de se encaixar em uma residência de sua escolha. Dado o estado atual de como os programas escolhem os residentes, no entanto, não há garantia. Mesmo assim, uma abordagem empreendedora fará de você um médico melhor.

Se você é estudante de medicina, pode estar pensando em desistir ou não fazer residência. Pense duas vezes antes de desistir ou se tornar um médico desistente. É chamado de empresário médico por uma razão.

Você vê, enquanto as coisas estão mudando gradualmente para empreendedores de estudantes de medicina como você, não espere que você não tenha tempo nem apoio para perseguir seus empreendimentos. A faculdade de medicina está consumindo tudo, então você precisará espremer algum tempo extra por conta própria. Além disso, é extremamente improvável que sua faculdade de medicina ofereça o conhecimento, as habilidades e as competências necessárias para ser bem-sucedido como um empreendedor médico, ou seja, buscar oportunidades sob condições VUCA (voláteis, incertas, complexas, ambíguas).

Erros e falhas

Criar um empreendimento, defender um novo processo, oferecer um novo curso ou programa é emocionante. No entanto, estatisticamente, é mais provável que você falhe do que tenha sucesso e há uma linha tênue entre determinação e otimismo teimoso.

Você pode não ter as habilidades para fazer o que ama. Em algum momento, você terá que considerar desistir e seguir em frente. Ou talvez você esteja esgotado e pensando em abandonar a prática para fazer outra coisa. Mesmo os grandes falham com frequência.

“Todos nós somos encorajados a seguir nossos sonhos, não importa o custo”

Concorda com a frase acima? Eu a vejo como um mito! Os vencedores desistem o tempo todo. Eles simplesmente desistem das coisas certas na hora certa. O fracasso da inovação é importante. Você aprende muito mais com o fracasso do que com o sucesso. Analisar honestamente os próprios fracassos pode levar ao tipo de introspecção que nos ajuda a crescer — além de mostrar que o caminho para o sucesso não é uma linha reta.

Há uma diferença entre desistir de um projeto e desistir de si mesmo. As coisas acontecem e aprender com os erros e como você se adaptou às inevitáveis pedras e flechas do infortúnio molda a todos nós, se permitirmos. Isso nos desencorajará e nos destruirá se não o fizermos. Não caia nessa armadilha: descubra quais práticas ou ideias não estão mais lhe servindo e abra espaço para novas.

Finalizando

O empreendedorismo de estudantes de medicina e residentes continuará a evoluir e, finalmente, se difundir na prática. O resultado será um valor definido pelo usuário que, esperamos, dobrará a curva de custo indescritível e melhorará os resultados. Parabéns a todos os alunos e formandos que se juntam a esta jornada.

Em breve encontrará outros que partilham da mesma necessidade ou vontade. O objetivo da educação empreendedora do estudante de medicina é apresentá-lo à mentalidade empreendedora e despertar seu empreendedor interno. Não é apenas ensiná-los como iniciar empresas, mas sim como criar valor definido pelo usuário por meio da implantação da inovação.

Gostou do conteúdo? Deixe seu comentário e, se possível, compartilhe com quem aquele acadêmico que você conhece e que pensa em empreender!


Quer escrever?

Publique seu artigo na Academia Médica e faça parte de uma comunidade com mais de 215 mil médicos, acadêmicos, pesquisadores e profissionais da saúde. Clique no botão "NOVO POST" no alto da página

Academia Médica
Albert Bacelar de Sousa
Albert Bacelar de Sousa Seguir

Médico Intensivista, Professor Universitário, Coordenador UTI, Instrutor Simulação Realística, Programador Python, Professor Health Design Thinking, MBA Gestão em Saúde, Educação, Empreendedorismo e em Tecnologias em Saúde, Ex-Mergulhador de Resgate

Ler conteúdo completo
Indicados para você