[ editar artigo]

Mutações nos genes BRCA estão relacionadas a câncer de próstata e pâncreas

Mutações nos genes BRCA estão relacionadas a câncer de próstata e pâncreas

 

Já é bem estabelecido que variantes patogênicas dos genes BRCA1 e BRCA2 aumentam o risco de câncer de mama em homens e mulheres e também de câncer de ovário. No entanto, um estudo publicado no Journal of Clinical Oncology forneceu as evidências mais fortes até o momento que associam estes genes a vários outros cânceres.

Desde que esses genes foram descritos na década de 90, vários estudos exploraram possíveis ligações entre mutações dos genes BRCA1 e BRCA2 e outros cânceres. Entretanto, de acordo com o artigo, tais estudos tiveram amostras pequenas, resultando em estimativas imprecisas do risco de câncer. A estimativa precisa de riscos é importante para o desenvolvimento de estratégias de prevenção e rastreamento de câncer e para fornecer aconselhamento genético para indivíduos em maior risco. Mutações nos genes BRCA são incomuns, afetando cerca de 1 em 300-400 pessoas na população.

Para investigar essas estimativas de risco, a equipe de pesquisadores analisou dados de quase 3.200 famílias com um ou mais membros com a mutação BRCA1 e quase 2.200 famílias com membros portadores da mutação BRCA2. Então, autores do estudo examinaram as associações das mutações com 22 tipos de câncer primário.

A partir dos dados coletados, os pesquisadores estimaram que os homens que carregam alguma mutação no BRCA2 têm 27% de risco de desenvolver câncer de próstata aos 80 anos, mais que o dobro da taxa em comparação com os não portadores da variante. Por outro lado, mutações no BRCA1 não foram associadas a um aumento no risco de câncer de próstata.

Carregar uma cópia defeituosa de BRCA1 ou BRCA2 mais que dobrou o risco de câncer de pâncreas de um indivíduo aos 80 anos. Ademais, as mutações também aumentaram o risco de câncer de estômago, embora os pesquisadores alertem que, devido à raridade dessa forma de câncer, o número de pacientes analisados era pequeno.

Mutações em ambos os genes aumentaram significativamente o risco de câncer de mama em homens, embora a doença ainda seja muito rara, representando menos de 1% de todos os casos de câncer masculino no Reino Unido, observaram os pesquisadores. Enquanto uma mutação no BRCA1 aumenta o risco de um homem desenvolver câncer de mama em mais de quatro vezes aos 80 anos, uma mutação no gene BRCA2 aumenta esse risco em 44 vezes para a mesma faixa etária. Estima-se que 38 pacientes a cada 1000 portadores de mutações no BRCA2 desenvolverão câncer de mama aos 80 anos.

Os pesquisadores não conseguiram encontrar evidências convincentes de que as mutações estavam ligadas ao aumento do risco de alguns outros cânceres que anteriormente se pensava estarem ligados a genes BRCA defeituosos, como o melanoma, por exemplo.

Os pesquisadores afirmam que cânceres causados ​​por genes BRCA defeituosos herdados são relativamente raros, e que fatores como idade, tabagismo, dieta e outros fatores evitáveis ​​contribuem para o risco individual de cânceres.

“Melhorar nossa compreensão de como as falhas em nossos genes estão associadas a certos tipos de câncer nos coloca em uma posição muito melhor para identificar aqueles com maior risco de desenvolver câncer”, concluem os autores.

 

Artigos relacionados

Referências

  1. LI, Shuai et al. Cancer Risks Associated With BRCA1 and BRCA2 Pathogenic Variants .  Journal of Clinical Oncology, p. JCO2102112, 2022.DOI: 10.1200/JCO.21.02112 Disponível em https://ascopubs.org/doi/10.1200/JCO.21.02112

 

Academia Médica
O que a faculdade esquece de falar!
O que a faculdade esquece de falar! Seguir

Página da redação da Academia Médica para divulgar atualizações pertinentes aos médicos, acadêmicos de medicina e profissionais de saúde.

Ler conteúdo completo
Indicados para você