[ editar artigo]

Excesso de gordura corporal pode estar associado a pontuações cognitivas mais baixas em adultos

Excesso de gordura corporal pode estar associado a pontuações cognitivas mais baixas em adultos

 

Tanto a adiposidade generalizada quanto a visceral estão associadas a pontuações cognitivas mais baixas na meia-idade, de acordo com um estudo publicado on-line em 1º de fevereiro no JAMA Network Open .

Sonia S. Anand, da McMaster University em Hamilton, Canadá, e colegas usaram dados de 9.189 participantes entre 30 e 75 anos de idade dos estudos Canadian Alliance for Healthy Hearts and Minds (CAHHM) e Prospective Urban Rural Epidemiological-Mind (PURE-MIND) para examinar as associações de adiposidade com lesão cerebral vascular e escores cognitivos. Os pacientes foram submetidos à análise de bioimpedância elétrica para avaliar o percentual de gordura corporal (GC) e 6.773 foram submetidos à ressonância magnética para avaliar a lesão cerebral vascular e medir o volume de tecido adiposo visceral (TAV). A análise dos dados foi realizada de 3 de maio a 24 de novembro de 2021.

A função cognitiva foi avaliada usando o Teste de Substituição de Símbolos Digitais (DSST; pontuações variam de 0 a 133, com pontuações mais baixas indicando menor função cognitiva) e Avaliação Cognitiva de Montreal (escores variam de 0 a 30, com pontuação ≥26 denotando função cognitiva normal). A cognição reduzida foi definida como uma pontuação DSST inferior a 1 desvio-padrão abaixo da média. O risco cardiovascular foi avaliado por meio do INTERHEART Risk Score (IHRS; as pontuações variam de 0 a 48; baixo risco é definido como uma pontuação de 0 a 9, risco moderado de 10 a 16 e alto risco de 17 ou superior).

Os autores descobriram que aquelas pessoas com mais gordura corporal total e/ou mais gordura em sua cavidade abdominal eram mais propensas a pontuar mais baixo somente no teste DSST, mas não houve diferença estatisticamente significativa para a Avaliação Cognitiva de Montreal. Eles relatam que essa associação é independente dos fatores de risco cardiovascular clássicos frequentemente associados à obesidade. Também foram feitos ajustes para lesão vascular cerebral e escolaridade.

Este não é o primeiro estudo a relatar uma associação entre obesidade e pontuação reduzida em testes de função cognitiva. Portanto, embora os resultados dos dois testes no estudo atual não tenham sido consistentes entre si, é plausível que tal relação seja real. Os autores concluem afirmando que “Esses resultados sugerem que estratégias para prevenir ou reduzir a adiposidade podem preservar a função cognitiva”. 

Isso pressupõe que algo sobre o estado obeso leva ao comprometimento da cognição. Mas outras explicações são igualmente possíveis. A cognição prejudicada pode predispor à obesidade em um ambiente obesogênico ou algum fator comum pode prejudicar tanto o controle do peso corporal quanto os aspectos da função cognitiva. Em resumo, segundo os autores, este estudo se soma a um corpo de dados de longa data sugerindo uma associação entre obesidade e função cognitiva reduzida. 

No entanto, no estudo, o efeito foi restrito a um teste específico e não foi observado no outro. Existem muitas influências sociais, educacionais e biológicas inerentes ao desempenho cognitivo e aquelas relacionadas ao peso corporal parecem relativamente menores em termos de tamanho do impacto. Há muitas pessoas altamente inteligentes vivendo com obesidade. Embora a perda de peso traga muitos benefícios à saúde e outros benefícios para pessoas que vivem com sobrepeso ou obesidade, é prematuro concluir que uma melhora no desempenho cognitivo provavelmente seja um deles. 

 

Artigos relacionados:

 

Referências:

Anand SS, Friedrich MG, Lee DS, et al. Evaluation of Adiposity and Cognitive Function in Adults. JAMA Netw Open. 2022;5(2):e2146324. doi:10.1001/jamanetworkopen.2021.46324

 

Academia Médica
O que a faculdade esquece de falar!
O que a faculdade esquece de falar! Seguir

Página da redação da Academia Médica para divulgar atualizações pertinentes aos médicos, acadêmicos de medicina e profissionais de saúde.

Ler conteúdo completo
Indicados para você