[ editar artigo]

Cientistas da Fiocruz e de Harvard descobrem detalhes do processo inflamatório relacionado à COVID-19 grave

Cientistas da Fiocruz e de Harvard descobrem detalhes do processo inflamatório relacionado à COVID-19 grave

Pesquisadores do grupo de Imunopatologia, da Fiocruz Minas, em parceria com cientistas da Escola de Medicina da Universidade de Harvard anunciaram uma descoberta inovadora: o passo a passo do processo de inflamação relacionado às formas graves de COVID-19

Em síntese: os cientistas entenderam como o coronavírus influencia o desenvolvimento da infecção e de que forma ela é combatida no organismo. A pesquisa foi publicada na última quarta-feira, 6 de abril, na revista Nature.

Principais descobertas sobre o processo inflamatório decorrente do coronavírus

A relação entre o desenvolvimento das formas graves de COVID-19 e os processos inflamatórios é discutida por outros pesquisadores desde o início da crise sanitária. No entanto, essa é a primeira pesquisa que traz evidências científicas do que acontece de fato durante o processo inflamatório em decorrência da infecção do vírus.

Segundo os cientistas, quando o Sars-CoV-2 entra no corpo humano, há uma replicação viral que desencadeia  a infecção. Nos casos mais críticos da doença, o paciente é acometido por sintomas variados que vão desde o desconforto respiratório agudo até consequências mais graves como a falência múltipla de órgãos ou até mesmo o óbito.

Leia também: Diretrizes brasileiras para o tratamento de pacientes ambulatoriais com suspeita ou confirmação de COVID-19

Apesar disso, o organismo tem capacidade para combater a infecção e neutralizar a infecção. Assim que a presença do vírus é identificada, o sistema imunológico do paciente entra em estado de alerta e produz um anticorpo específico: o afucosilado.

Os pesquisadores destacaram que, apesar disso ser positivo, o mesmo anticorpo é responsável pela fagositose do Sars-CoV-2 (processo de captura e digestão do vírus). Com isso, as células de defesa (monócitos) ativam  complexos de proteínas (os inflamossomas) que geram a morte dos monócitos infectados.  Segundo a pesquisa, isso pode ser preocupante, já que a consequência deste processo para o organismo consiste na produção  de novas células de defesa que desencadeiam uma cascata inflamatória,

Em entrevista concedida ao Portal Fiocruz, Caroline Junqueira, pesquisadora e coordenadora do estudo, explica:

“Os monócitos em piroptose estouram e liberam componentes que dão sinais de perigo ao organismo. Com isso, o sistema de defesa recruta outras células e, quanto mais recruta, mais inflamação vai ocorrendo. Ou seja, os monócitos conseguem agir abortivamente, de forma a impedir a replicação do vírus, mas isso ocorre por meio do processo de piroptose, que causa uma imunopatologia, que é quando a defesa é prejudicial ao organismo hospedeiro. Isso porque as células que morreram causam uma tempestade de citocinas, gerando mais inflamação”.

Produzir anticorpos não significa estar livre do vírus e das consequências do processo inflamatório

Os cientistas enfatizaram que, apesar do corpo humano produzir o anticorpo afucosilado por meio do processo inflamatório (ou seja: isso acontece somente por meio da infecção), os anticorpos  que protegem as pessoas contra a COVID-19 por meio da vacinação possuem uma estrutura diferente.

Saiba mais: O plasma convalescente realmente previne a COVID-19 grave?

Ou seja: em hipótese alguma, os anticorpos naturais do organismo deixam a pessoa livre das consequências de uma inflamação sistêmica. É preciso considerar que o vírus age de forma distinta conforme cada organismo. Além disso, o estudo também destaca que o anticorpo afucosilado gera anticorpos que são maléficos, ao contrário da vacina.

Por fim, essa descoberta é importante para discutir novas perspectivas de tratamento da doença.

Artigos relacionados

• COVID-19 reduz cérebro no giro parahipocampal — área que afeta memória, além do córtex olfativo primário

Pacientes infectados com COVID-19 possuem mais chances de desenvolver diabetes tipo 2

• Acometimento neurológico associado à COVID-19

Referências

  1. JUNQUEIRA, C., CRESPO, Â., RANJBAR, S. et al. FcγR-mediated SARS-CoV-2 infection of monocytes activates inflammation. Nature (2022). Disponível em: https://doi.org/10.1038/s41586-022-04702-4. Acesso em 08 de abril de 2022.
  2.  PORTAL FIOCRUZ. Estudo descreve processo de inflamação relacionado às formas graves de Covid-19. Disponível em: https://www.nature.com/articles/s41586-022-04702-4#citeas. Acesso em 08 de abril de 2022.

 

Coronavirus | COVID-19

Academia Médica
O que a faculdade esquece de falar!
O que a faculdade esquece de falar! Seguir

Página da redação da Academia Médica para divulgar atualizações pertinentes aos médicos, acadêmicos de medicina e profissionais de saúde.

Ler conteúdo completo
Indicados para você