[ editar artigo]

Bebês nascidos durante o primeiro ano da pandemia têm menor pontuação em um teste de neurodesenvolvimento

Bebês nascidos durante o primeiro ano da pandemia têm menor pontuação em um teste de neurodesenvolvimento

 

Pesquisadores da Columbia descobriram que bebês nascidos durante o primeiro ano da pandemia tiveram pontuação mais baixa em um teste de triagem de desenvolvimento de habilidades sociais e motoras aos 6 meses – independentemente de suas mães terem COVID-19 durante a gravidez – em comparação com bebês nascidos pouco antes da pandemia.

O estudo, que incluiu 255 bebês nascidos no Morgan Stanley Children's Hospital de Nova York e no Allen Hospital entre março e dezembro de 2020, foi publicado na revista JAMA Pediatrics.

Já no começo da pandemia, os pesquisadores descobriram que as mães não passam o Sars-CoV-2 para o feto. No entanto, sabe-se que as doenças virais durante a gravidez aumentam o risco de atrasos no neurodesenvolvimento das crianças por meio da ativação do sistema imunológico da mãe, que por sua vez afeta o desenvolvimento cerebral do feto.

No estudo atual, os pesquisadores analisaram as respostas de um questionário que os pediatras dão aos pais para avaliar aspectos do desenvolvimento infantil, como comunicação e coordenação motora fina e grossa, resolução de problemas e habilidades sociais. Quase metade das mães do estudo teve COVID-19 em algum momento durante a gravidez, embora a maioria das doenças fosse leve ou assintomática.

Não foram encontradas diferenças nas pontuações entre bebês expostos ao Sars-CoV-2 no útero e aqueles nascidos durante a pandemia cujas mães não contraíram COVID-19 durante a gravidez. No entanto, as pontuações médias entre os bebês nascidos durante a pandemia – independentemente se suas mães haviam tido COVID-19 durante a gravidez ou não – foram menores do que as habilidades motoras grossas, motoras finas e sociais de 62 bebês pré-pandêmicos nascidos nos mesmos hospitais.

Embora o estudo não tenha medido o estresse materno durante a gravidez, os pesquisadores afirmam ser possível que o estresse causado pela pandemia e vivenciado pelas mães durante a gravidez explique a queda nas habilidades motoras e sociais encontradas nos bebês nascidos durante a pandemia.

Estudos anteriores mostram que o estresse materno nos primeiros estágios da gravidez tem um efeito maior no funcionamento socioemocional dos bebês do que o estresse mais tarde na gravidez, e uma tendência semelhante foi encontrada no novo estudo: bebês cujas mães estavam no primeiro trimestre de gravidez em o auge da pandemia obtiveram os menores escores de neurodesenvolvimento no estudo.

Outros fatores, incluindo menos brincadeiras e interações alteradas com cuidadores estressados, podem ajudar a explicar por que os bebês nascidos durante a pandemia têm habilidades sociais e motoras mais fracas do que as crianças nascidas antes da pandemia de COVID-19.

"Estas não foram grandes diferenças, o que significa que não vimos uma taxa mais alta de atrasos reais no desenvolvimento em nossa amostra de algumas centenas de bebês, apenas pequenas mudanças nas pontuações médias entre os grupos. No entanto essas pequenas mudanças merecem atenção cuidadosa porque, em nível populacional, elas podem ter um impacto significativo na saúde pública. Sabe-se disso por outras pandemias e desastres naturais", concluem os pesquisadores.

 

Artigos relacionados

 

Referências

Shuffrey LC, Firestein MR, Kyle MH, et al. Association of Birth During the COVID-19 Pandemic With Neurodevelopmental Status at 6 Months in Infants With and Without In Utero Exposure to Maternal SARS-CoV-2 Infection. JAMA Pediatr. Published online January 04, 2022. doi:10.1001/jamapediatrics.2021.5563

Academia Médica
O que a faculdade esquece de falar!
O que a faculdade esquece de falar! Seguir

Página da redação da Academia Médica para divulgar atualizações pertinentes aos médicos, acadêmicos de medicina e profissionais de saúde.

Ler conteúdo completo
Indicados para você