[ editar artigo]

Pré-eclâmpsia e complicações perinatais aumentam risco de distúrbios do neurodesenvolvimento nos bebês

Pré-eclâmpsia e complicações perinatais aumentam risco de distúrbios do neurodesenvolvimento nos bebês

 

A pré-eclâmpsia é um distúrbio hipertensivo da gravidez que pode representar risco para o bem-estar a longo prazo da mãe e do bebê, e muitas vezes requer parto antes do termo para otimizar os resultados. A pré-eclâmpsia em combinação com outras complicações perinatais, particularmente anormalidades do crescimento fetal (por exemplo, bebês pequenos para a idade gestacional [PIG]) é considerada um fator de risco para vários desfechos adversos de saúde mental e desenvolvimento neurológico.

Neste sentido, um estudo de coorte retrospectivo de base populacional descobriu que o risco de certos diagnósticos psiquiátricos e de neurodesenvolvimento foi maior em nascimentos expostos à pré-eclâmpsia materna e complicações perinatais em comparação com a pré-eclâmpsia isolada. Os resultados da pesquisa foram publicados no periódico JAMA Network Open em 28 de janeiro de 2022.

Foram considerados dados de mais de 1.000.000 de nascidos vivos únicos ocorridos na Finlândia entre 1º de janeiro de 1996 e 31 de dezembro de 2014. Os dados foram obtidos da Base de Dados Nacional de Drogas e Gravidez da Finlândia. Foram incluídos pacientes com história de pré-eclâmpsia materna e/ou complicações perinatais (PIG e/ou parto antes de 34 semanas de idade gestacional). Os critérios de exclusão incluíram: diabetes gestacional materno, história materna de internação psiquiátrica e hipertensão materna (crônica ou gestacional). Os códigos de classificação internacional de doenças (CID) foram usados ​​para identificar os códigos de diagnóstico correspondentes a dados relevantes de exposição e desfecho. 

Os distúrbios mais comumente diagnosticados entre as 93.281 crianças que experimentaram o desfecho primário neste estudo foram os seguintes: transtornos específicos do neurodesenvolvimento (5,5%), transtornos de ansiedade (5,0%), transtornos do humor (3,8%) e TDAH/transtorno de conduta (3,0%). A razão de risco ajustada (HR - hazard ratio) para qualquer transtorno neuropsiquiátrico em pacientes com exposição a pré-eclâmpsia e complicações em comparação com pré-eclâmpsia isolada foi de 1,18 (intervalo de confiança de 95% 1,12-1,23). O HR para exposição combinada em comparação com complicações perinatais isoladas foi de 1,77 (1,72-1,82). A razão de risco para transtorno neuropsiquiátrico com complicações e pré-eclâmpsia foi de 2,11 (1,96-2,26) em relação ao grupo controle. A análise de pares de irmãos foi realizada para avaliar possíveis fatores de confusão familiares e sugeriu que não havia confusão nas associações descritas.

Desta forma, os autores concluíram que a pré-eclâmpsia em combinação com complicações perinatais de PIG ou parto prematuro (<34 semanas) está associada a um risco maior de diagnósticos neuropsiquiátricos na infância em comparação com qualquer fator de risco isolado. Este estudo demonstra a importância do pré-natal em toda a população na antecipação e prevenção de tais complicações mais tarde na vida. 

 

Artigos relacionados

 

Referências:

Kong L, Chen X, Liang Y, Forsell Y, Gissler M, Lavebratt C. Association of Preeclampsia and Perinatal Complications With Offspring Neurodevelopmental and Psychiatric Disorders. JAMA Netw Open. 2022;5(1):e2145719. doi:10.1001/jamanetworkopen.2021.45719

 

 

Academia Médica
O que a faculdade esquece de falar!
O que a faculdade esquece de falar! Seguir

Página da redação da Academia Médica para divulgar atualizações pertinentes aos médicos, acadêmicos de medicina e profissionais de saúde.

Ler conteúdo completo
Indicados para você