[ editar artigo]

Aspirina na prevenção de Pré-eclâmpsia

Aspirina na prevenção de Pré-eclâmpsia

A pré-eclâmpsia é quando as mulheres grávidas têm hipertensão, proteína na urina e inchaço nas pernas, pés e mãos. Pode variar de leve a grave. Geralmente acontece no final da gravidez, embora possa vir mais cedo ou logo após o parto. A pré-eclâmpsia pode causar eclâmpsia, uma condição séria que pode trazer riscos à saúde da mãe e do bebê e, em alguns casos, causar a morte. No Brasil, a FEBRASGO estima que a pré-eclâmpsia ocorra em aproximadamente 1,5% das gestações.

Em um estudo recente foi demonstrado que o uso de aspirina em baixas doses (81 mg/dia) como medicação preventiva após 12 semanas de gestação em pessoas com alto risco de pré-eclâmpsia foi benéfico segundo a Força-Tarefa de Saúde Preventiva dos Estados Unidos (USPSTF).

Como o estudo foi realizado?

Um total de 23 ensaios clínicos randomizados foram incluídos; 18 foram realizados entre participantes com risco aumentado de pré-eclâmpsia. As dosagens de aspirina variaram de 50 mg/d a 150 mg/d. A incidência de pré-eclâmpsia entre os ensaios de participantes com risco aumentado variou de 4% a 30%. O uso de aspirina foi significativamente associado a menor risco de pré-eclâmpsia.

Não houve associações significativas do uso de aspirina com risco de hemorragia pós-parto; e outros danos relacionados ao sangramento, ou com raros danos perinatais ou em longo prazo.

O Colégio Americano de Cardiologia fez as seguintes considerações, a partir dessa recomendação:

  1. A pré-eclâmpsia é uma complicação em aproximadamente 4% das gestações nos Estados Unidos e é responsável por 6% dos partos prematuros e 19% dos partos prematuros com indicação médica nos Estados Unidos.
  2. Mulheres negras não hispânicas apresentam risco aumentado de pré-eclâmpsia e taxas mais altas de morbidade e mortalidade materna e infantil.
  3. A USPSTF encomendou uma revisão sistemática para avaliar a eficácia da aspirina em baixas doses para prevenir a pré-eclâmpsia, o que reforçou sua recomendação de 2014.
  4. A aspirina em baixas doses reduz o risco de pré-eclâmpsia, parto prematuro, pequena para a idade gestacional / restrição de crescimento intrauterino e mortalidade perinatal em gestantes com fatores de risco para pré-eclâmpsia.
  5. Os fatores de alto risco para pré-eclâmpsia incluem: história de pré-eclâmpsia (especialmente quando acompanhada por um resultado adverso), gestação multifetal, hipertensão crônica, diabetes tipo 1 ou 2 pré-gestacional, doença renal e doença autoimune (ou seja, lúpus eritematoso sistêmico, síndrome antifosfolipídeo). Se um ou mais desses fatores de alto risco estiverem presentes, a USPSTF recomenda aspirina em baixas doses.
  6. Os fatores de risco moderado para pré-eclâmpsia incluem: nuliparidade, obesidade (ou seja, índice de massa corporal> 30 kg / m2), história familiar de pré-eclâmpsia (ou seja, mãe ou irmã), pessoas negras (devido a fatores sociais, em vez de biológicos), renda mais baixa, idade de 35 anos ou mais, fatores de história pessoal (por exemplo, baixo peso ao nascer ou pequeno para a idade gestacional, resultado adverso anterior da gravidez, intervalo de gravidez> 10 anos) ou concepção in vitro. Se dois ou mais desses fatores de risco moderado estiverem presentes, a USPSTF recomenda aspirina em baixa dose (pode considerar aspirina em baixa dose se um desses fatores de risco estiver presente).
  7. Digno de nota, a maioria dos estudos iniciou aspirina em baixa dose antes de 20 semanas de gestação. O Colégio Americano de Obstetras e Ginecologistas e a Sociedade de Medicina Maternal Fetal recomendam que a aspirina em baixa dosagem seja iniciada entre 12 e 28 semanas de gestação (idealmente antes das 16 semanas) e continuada diariamente até o parto.
  8. Além disso, a USPSTF recomenda que todas as mulheres capazes de engravidar tomem um suplemento diário de ácido fólico 0,4-0,8 mg (400-800 mcg) para prevenir defeitos do tubo neural.
  9. Resumo: A USPSTF recomenda aspirina em baixa dose (81 mg / dia) como medicação preventiva após 12 semanas de gestação para mulheres com risco aumentado de pré-eclâmpsia.

Artigos relacionados 

Referências

  1. Henderson JT, Vesco KK, Senger CA, Thomas RG, Redmond N. Aspirin Use to Prevent Preeclampsia and Related Morbidity and Mortality: Updated Evidence Report and Systematic Review for the US Preventive Services Task Force. JAMA. 2021;326(12):1192–1206. doi:10.1001/jama.2021.8551

  2. Espinoza J. Low-Dose Aspirin for the Prevention of Preeclampsia. JAMA. 2021;326(12):1153–1155. doi:10.1001/jama.2021.14646
  3. Aspirin Use to Prevent Preeclampsia and Related Morbidity and Mortality: US Preventive Services Task Force Recommendation Statement. JAMA 2021;326:1186-1191.

Você sabia que pode publicar na Academia Médica? Clique aqui e saiba como

Academia Médica
O que a faculdade esquece de falar!
O que a faculdade esquece de falar! Seguir

Página da redação da Academia Médica para divulgar atualizações pertinentes aos médicos, acadêmicos de medicina e profissionais de saúde.

Ler conteúdo completo
Indicados para você