Academia Médica
Academia Médica
Você procura por
  • em Publicações
  • em Grupos
  • em Usuários
VOLTAR

Cresce o número de jovens com diabetes tipo 2

Cresce o número de jovens com diabetes tipo 2
Academia Médica
dez. 13 - 5 min de leitura
000

Entre os diferentes tipos de diabetes, o de tipo 2 é tradicionalmente considerado um distúrbio metabólico em pessoas de meia-idade e idosos e acarreta riscos aumentados de complicações graves, incluindo doenças cardíacas, perda de visão e morte. Até pouco tempo, raramente era observado em adolescentes e adultos jovens. Porém, nas últimas décadas, o início precoce do problema tornou-se cada vez mais comum.  

Estudo publicado em 07 de dezembro no periódico The BMJ demonstrou que as taxas de diabetes tipo 2 em adolescentes e jovens adultos em todo o mundo aumentaram substancialmente de 1990 a 2019. Os resultados mostram que países com índice sociodemográfico baixo-médio e médio e mulheres com menos de 30 anos foram particularmente afetados. O alto índice de massa corporal foi o principal fator de risco atribuível em todos os países. 

Os autores do artigo usaram dados do Global Burden of Disease Study 2019 para estimar novos casos (incidência), mortes e anos de vida ajustados por incapacidade (DALYs) – uma medida combinada de quantidade e qualidade de vida – devido ao diabetes tipo 2 em adolescentes e adultos jovens (pessoas com idades entre 15 e 39 anos) de 204 países e territórios, entre 1990 e 2019. Eles também examinaram o DALY proporcional atribuível a diferentes fatores de risco, sendo que os dados foram avaliados por idade, sexo e índice sociodemográfico. 

Os resultados mostram que, ao redor do mundo, a taxa de incidência padronizada por idade para diabetes tipo 2 em adolescentes e adultos jovens aumentou de 117 por 100.000 habitantes em 1990 para 183 em 2019. A taxa DALY padronizada por idade aumentou de 106 por 100.000 em 1990 para 150 por 100.000 em 2019. A taxa de mortalidade por idade aumentou modestamente, de 0,74 por 100.000 em 1990 para 0,77 por 100.000 em 2019. 

Quando os países foram agrupados de acordo com os índices sociodemográficos, os países com índice sociodemográfico baixo-médio e médio tiveram a maior taxa de incidência por idade e DALYs por idade em 2019, enquanto os países com baixo índice sociodemográfico tiveram a menor taxa de incidência por idade, mas a maior taxa de mortalidade padronizada por idade. 

Pacientes do sexo feminino apresentaram taxas de mortalidade e DALYs mais altas do que homens com menos de 30 anos, mas as diferenças entre os sexos foram revertidas naquelas com mais de 30 anos, exceto em países com baixo índice sociodemográfico. 

Os pesquisadores buscaram avaliar a contribuição de fatores de risco entre as regiões. Eles observaram proporções mais altas de poluição do ar por partículas (12% x 7%), consumo de carne vermelha (11% x 3%) e de bebidas açucaradas (9% x 2%) e tabagismo (13% x 4%) em países com alto índice sociodemográfico e proporções mais altas de poluição do ar proveniente da queima de combustíveis sólidos (17% x 0,07%) e dieta pobre em frutas (9% x 6%) em países com baixo índice sociodemográfico.

No entanto, o fator que foi mais proeminente foi o elevado índice de massa corporal, que teve contribuição média de cerca de 70%. A contribuição dos diferentes fatores de risco não variou com a idade, exceto pelo alto índice de massa corporal, que teve uma tendência crescente. 

Os pesquisadores argumentam que o controle de peso é essencial para reduzir o ônus do diabetes tipo 2 de início precoce, mas os países devem estabelecer políticas específicas para lidar com o problema de maneira mais eficaz. Em 2021, cerca de 537 milhões de adultos (20-79 anos) viviam com a doença. Em 2045, a previsão é que o número aumente para cerca de 783 milhões de pessoas.

Algumas limitações do estudo são apontadas, como diferenças na definição de diabetes tipo 2 e uma alta probabilidade de subdiagnóstico em muitos países. Embora várias técnicas tenham sido usadas para reduzir o viés e a imprecisão nos dados, o viés não pode ser totalmente descartado. 

No entanto, eles apontam que avaliaram de forma abrangente as tendências temporais globais, regionais e nacionais para o diabetes tipo 2 de início precoce e as contribuições correspondentes dos fatores de risco com base no Global Burden of Disease Study 2019. 

Referência: 

Xie J, Wang M, Long Z, Ning H, Li J, Cao Y et al. Global burden of type 2 diabetes in adolescents and young adults, 1990-2019: systematic analysis of the Global Burden of Disease Study 2019 BMJ 2022; 379 :e072385 doi:10.1136/bmj-2022-072385 

Leia também:

Novo medicamento reduz em 26% triglicerídeos de pessoas com diabetes tipo 2

10% das mortes prematuras e evitáveis no Brasil poderiam ser poupadas com alimentação saudável

Benefícios da alimentação com restrição de tempo aliada a exercício de alta intensidade no controle glicêmico a longo prazo

Cinco novos medicamentos para diabetes e doenças cardiovasculares incorporados ao programa Farmácia Popular

Diabetes é o principal fator de risco para mortes por doenças cardiovasculares no Brasil

Estudo da Fiocruz Bahia mostra que medicamento para diabetes pode auxiliar no tratamento da leishmaniose cutânea



Denunciar publicação
    000

    Indicados para você