Academia Médica
Academia Médica
Você procura por
  • em Publicações
  • em Grupos
  • em Usuários
VOLTAR

Diabetes é o principal fator de risco para mortes por doenças cardiovasculares no Brasil

Diabetes é o principal fator de risco para mortes por doenças cardiovasculares no Brasil
Academia Médica
set. 28 - 4 min de leitura
000

As doenças cardiovasculares (DCV) são a principal causa de morte na maioria dos países de baixa e média renda (PBMRs), como o Brasil. Agora, um grupo de pesquisadores brasileiros buscou avaliar o impacto de fatores de riscos cardiovasculares já conhecidos (como hiperglicemia, dislipidemia, obesidade, hipertensão e tabagismo) na mortalidade por DCV. Os resultados do estudo foram publicados na revista PLOS ONE. 

Foram usados dados de fontes governamentais, como os ministérios do Desenvolvimento Social e da Saúde e o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), registrados entre 2005 e 2017, totalizando 312 observações estado/ano. Os números foram confrontados com informações de outros bancos de dados, como o Global Health Data Exchange (GHDx) e o repositório do Institute for Health Metrics and Evaluation (IHME), da Universidade de Washington, nos Estados Unidos. 

As principais variáveis ​​dependentes utilizadas ao longo do estudo foram as taxas de mortalidade ou incidência por 100 mil indivíduos por DCV, cardiopatia isquêmica ou acidente vascular cerebral isquêmico por sexo, estado e ano. Uma análise de sensibilidade empregou os anos de vida perdidos devido à mortalidade prematura (YLL, calculado para cada morte por causa específica em relação à expectativa de vida padrão normativa na idade da morte) em vez das taxas de mortalidade. Modelos de regressão linear multivariada de efeitos fixos foram realizados, ajustando para renda, desigualdade de renda, pobreza e acesso à saúde. 

Entre 2005 e 2017, as mortes por DCV diminuíram 21,42%, acompanhadas por uma diminuição expressiva do tabagismo (-33%) e aumento da hiperglicemia (+9,5%), obesidade (+31%) e dislipidemia (+5,2). A hiperglicemia mostrou uma associação com esse desfecho de cinco a dez vezes maior do que outros fatores, especialmente em mulheres. É importante ressaltar que a associação entre hiperglicemia e mortalidade por DCV foi independente do nível socioeconômico e de acesso aos cuidados de saúde. 

Além da redução do tabagismo, o maior acesso à saúde básica é listado como um dos fatores responsáveis pela melhora nos índices de mortalidade por doenças cardiovasculares. Essa observação levou em conta a questão da hipertensão, frequentemente associada a problemas cardíacos. No entanto, ela representou sete vezes menos mortes por doenças cardiovasculares do que a hiperglicemia. Uma das possibilidades é que o acesso ao sistema de saúde universal, com aumento na cobertura de atenção primária, que tornou melhor a taxa de controle da pressão arterial na população. 

Um aspecto que chamou a atenção dos pesquisadores foram as diferenças observadas nos resultados de acordo com o gênero: “As disparidades sexuais reiteram outros estudos que apontam o diabetes e a hiperglicemia como fatores de risco mais fortes para doença cardiovascular em mulheres do que em homens”, advertem. 

Os pesquisadores concluíram que cerca de 5 mil pessoas não teriam morrido por doença cardiovascular no período analisado caso os índices de diabetes fossem menores na população. Por outro lado, a pesquisa também permitiu concluir que pelo menos 17 mil mortes foram evitadas somente pela diminuição do consumo de cigarros durante esses 12 anos.  

As políticas de saúde, de acordo com os cientistas, devem ter como objetivo reduzir diretamente a prevalência de hiperglicemia para mitigar a carga populacional de DCV no Brasil no futuro, seja por meio de uma melhor educação nutricional da população, pela restrição a alimentos com açúcar adicionado ou pelo acesso a novas classes de medicamentos hipoglicemiantes. 

Referências: 

Gaspar RS, Rezende LFM, Laurindo FRM. Analysing the impact of modifiable risk factors on cardiovascular disease mortality in Brazil. PLoS One. 2022 Jun 22;17(6):e0269549. doi: 10.1371/journal.pone.0269549. PMID: 35731729; PMCID: PMC9216570. Disponível em https://journals.plos.org/plosone/article?id=10.1371/journal.pone.0269549 

Leia também:

Distúrbios hipertensivos da gravidez são ligados a eventos cardíacos futuros

O que é bom para o coração é bom para o cérebro: atualizações da American Heart Association

A amamentação está associada a um menor risco materno de doenças cardiovasculares

Nenhuma quantidade de álcool é boa para o coração, diz World Heart Federation

Inteligência artificial identifica indivíduos em risco de complicações de doenças cardíacas



Denunciar publicação
    000

    Indicados para você