[ editar artigo]

Perdendo o sono? Entenda a relação entre os distúrbios e a saúde e saiba como se cuidar

Perdendo o sono? Entenda a relação entre os distúrbios e a saúde e saiba como se cuidar

 

Dificuldade para dormir. Cansaço. Estresse. Sono acumulado. Vontade de dormir demais. Privação de sono. Sono leve. Sono desregulado. Já vivenciou na pele algumas dessas situações? Se você é residente, estudante de medicina ou profissional de saúde, imaginamos  que certamente a resposta é sim!

Leia também: Privação de sono e erros médicos caminham juntos

Não existe um único motivo que influencia o desenvolvimento dos distúrbios de sono como insônia, apneia obstrutiva, entre outros. É justamente por isso que é importante falar sobre o assunto não só no Dia Mundial do Sono, comemorado hoje (18 de março), como também em outras épocas. É claro que, diante de uma pandemia que se arrasta por mais de dois anos, marcada por um cenário de instabilidades sociais, econômicas, financeiras e tantas outras, inevitavelmente, são potencializados fatores estressantes que abalam a qualidade de vida, a saúde mental e, claro: interferem na rotina do sono.

Para entender esse impactos, pesquisadores do Instituto do Sono realizaram uma pesquisa com mais de 1600 pessoas, de 24 estados brasileiros e descobriram que mais de 55,1% da população investigada relatou piora do sono durante a pandemia, por motivos diversos como: maior tempo de exposição às telas de dispositivos móveis como smartphones, TV e computador; dificuldade para dormir devido às preocupações; falta de entusiasmo e indisposição.

Além das interrupções no sono, da maior dificuldade para dormir e do aumento da frequência de situações como acordar no meio da noite, houve um aumento de 286% em relação às queixas de pesadelos e sonhos ruins entre as pessoas entrevistadas. 

Outra pesquisa realizada pela Associação Brasileira do Sono revelou que as pessoas estão dormindo menos nos últimos anos (mesmo antes da pandemia). Em 2018, a média diária era de 6 horas e 36 minutos. Em 2019, esse índice passou a ser de 6 horas e 24 minutos. 

Neste cenário, alguns especialistas defendem que o Brasil vive uma epidemia de insônia. Por isso, é importante ligar o sinal de alerta para as consequências que as noites mal dormidas geram na vida, na produtividade e na saúde. 

Pensando nisso, a Associação Brasileira de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cérvico-Facial (Aborl-CCF), lançou uma campanha de alerta sobre o assunto com o tema Ronco não é piada”. Segundo a entidade, é fundamental conscientizar as pessoas sobre a necessidade de um bom sono não só para melhorar a qualidade de vida, como também para contribuir para a prevenção de doenças como: 

  • Pressão alta;

  • Diabetes;

  • Síndrome metabólica;

  • Ansiedade;

  • Depressão, entre outras.

Em entrevista à Agência Brasil, o coordenador do Departamento de Medicina do Sono da instituição, Danilo Sguilla reforçou:

“O sono é parte integrante do nosso processo fisiológico. Precisamos dormir para reparar a energia gasta em um dia todo de trabalho, para consolidar nossa memória".

Dicas para melhorar a qualidade do sono

Afinal, o que fazer para melhorar a qualidade do sono? Não existe uma fórmula mágica para dormir melhor, mas de acordo com um material do Ministério da Saúde, alguns hábitos que podem ajudar a amenizar esse problema, a partir do que se entende por higiene do sono  (conjunto de hábitos que podem ser aplicados especialmente antes de dormir para ter uma noite mais tranquila).

 Confira as dicas abaixo:

  • Não planeje suas atividades do dia seguinte na cama;

  • Estabeleça horários regulares para ir dormir e se levantar, inclusive no final de semana;

  • Evite o consumo de café e/ou bebidas que contenham cafeína antes de dormir;

  • Se possível, não consuma alimentos perto do horário de dormir;

  • Desligue o celular ou deixe-o bem longe para evitar distrações;

  • Crie um ritual do sono: um banho relaxante e uma leitura, por exemplo, ajudam a fazer um “detox” dos problemas diários;

  • Medite. A meditação ajuda a respirar melhor e esvaziar sua mente.

Gostou do conteúdo? Compartilhe com as pessoas que você conhece e, se possível, deixe seu comentário!


Artigos relacionados 

Referências

  1. AGÊNCIA BRASIL. Campanha alerta sobre importância do sono saudável na vida das pessoas. Disponível em: https://agenciabrasil.ebc.com.br/saude/noticia/2022-03/campanha-alerta-sobre-importancia-do-sono-saudavel-na-vida-das-pessoas. Acesso em 18 de março de 2022.
  2. INSTITUTO DO SONO. Pesquisa sobre o sono na pandemia. Disponível em: https://institutodosono.com/artigos-noticias/pesquisa-sobre-o-sono-na-pandemia/. Acesso em 18 de março de 2022.
  3. DE LUCENA, Larissa Sena et al. DISTÚRBIOS DO SONO NA PANDEMIA DO COVID-19: REVISÃO NARRATIVA. Estudos Avançados sobre Saúde e Natureza, v. 1, 2021.
  4. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Distúrbios do sono. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/disturbios-do-sono/. Acesso em 18 de março de 2022.

 

Academia Médica
O que a faculdade esquece de falar!
O que a faculdade esquece de falar! Seguir

Página da redação da Academia Médica para divulgar atualizações pertinentes aos médicos, acadêmicos de medicina e profissionais de saúde.

Ler conteúdo completo
Indicados para você