[ editar artigo]

Em breve, matar células cancerígenas sem matar as células saudáveis será possível

Em breve, matar células cancerígenas sem matar as células saudáveis será possível

Tratamentos convencionais de câncer, como quimioterapia e radioterapia, são responsáveis por matarem tanto células cancerígenas, quanto células saudáveis, resultando em efeitos colaterais fortes e diversos. Pesquisadores do Instituto de Ciências Básicas da Coreia do Sul desenvolveram uma estratégia terapêutica chamada  atacante de inserções-exclusões específicas do câncer (CINDELA). 

A CINDELA ataca especificamente as mutações causadas pelo câncer e causa múltiplas quebras na fita dupla do DNA para induzir especificamente a morte das células cancerígenas. Projetos genômicos do câncer descobriram que, independentemente de suas origens, a maioria das células cancerígenas acumula muitas mutações, incluindo pequena inserção/deleção (InDel) de vários nucleotídeos, alterações de nucleotídeo único e grandes aberrações cromossômica.

A quebra de uma sequência específica da dupla fita de DNA pode ser feita com a CRISPR-Cas9, endonuclease específica do local, comumente chamada de tesoura genética. Os pesquisadores sul-coreanos, conhecendo o acúmulo de mutações das células cancerígenas e a função da CRISPR-Cas9, propuseram uma nova ideia para a terapia do câncer. 

Os cientistas usaram a CRISPR-Cas9 para produzir quebras de fita dupla de DNA em mutações específicas do câncer que existem apenas em células cancerígenas para induzir essas células a morte. Para isso, eles confirmaram que se as quebras de fita dupla do DNA ativadas pelas enzimas usando CRISPR conseguiram induzir mortes celulares no câncer semelhantes a quebras físicas /químicas causadas por radiação ou quimioterapia, respectivamente. Em seguida, eles realizaram análises de bioinformática para identificar mutações exclusivas do InDel em várias linhagens de células cancerígenas diferentes, incluindo mama, cólon, leucemia e glioblastoma, que não são encontradas em células normais.

Com os resultados positivos e promissores, CINDELA foi encontrado para matar seletivamente as células cancerígenas sem afetar as células normais. Além disso, segundo o estudo, a ação da CINDELA é dependente do número de quebras de fita dupla de DNA criadas por CRISPR-Cas9. Assim, se houve 50 quebras na fita no DNA, o reagente CINDELA obteve melhor desempenho do que quando havia apenas 10 quebras. 

Também, a fim de verificar a eficácia do CINDELA em organismos vivos, os pesquisadores testaram o uso da CINDELA em camundongos. Para isso, células tumorais (câncer de cólon e pulmão) foram derivadas de pacientes e foram xenoenxertados nos ratos(1). Consoante os achados, o tratamento com CINDELA foi eficaz na supressão substancial do crescimento desses tumores nos camundongos.

Artigos relacionados

 •Mutações nos genes BRCA estão relacionadas a câncer de próstata e pâncreas

ANVISA aprova 1º registro de produto de terapia avançada para tratamento de câncer

CRISPR: A biotecnologia que pode editar a humanidade

 

Referência 

  1. KWON, Taejoon et al. Precision targeting tumor cells using cancer-specific InDel mutations with CRISPR-Cas9. Proceedings of the National Academy of Sciences, v. 119, n. 9, p. e2103532119, 2022. Disponível em: https://www.pnas.org/doi/full/10.1073/pnas.2103532119. Acessado em março de 2022.

Academia Médica
O que a faculdade esquece de falar!
O que a faculdade esquece de falar! Seguir

Página da redação da Academia Médica para divulgar atualizações pertinentes aos médicos, acadêmicos de medicina e profissionais de saúde.

Ler conteúdo completo
Indicados para você