[ editar artigo]

O uso combinado de cigarros tradicionais e cigarros eletrônicos não reduz o risco de doenças cardiovasculares

O uso combinado de cigarros tradicionais e cigarros eletrônicos não reduz o risco de doenças cardiovasculares

 

Pessoas que utilizam cigarros tradicionais e cigarros eletrônicos não reduzem o risco de doenças cardiovasculares em comparação com pessoas que usam exclusivamente cigarros tradicionais, de acordo com uma nova pesquisa publicada no periódico Circulation, da American Heart Association.

O tabagismo é reconhecidamente um fator de risco para o desenvolvimento de diversas condições tradicional graves de saúde. De acordo com o artigo, quase 1 em cada 5 mortes nos EUA a cada ano são atribuídas ao tabagismo e à exposição ao fumo passivo, de acordo com as estatísticas de doenças cardíacas e derrames da American Heart Association de 2022. De forma concomitante, os cigarros eletrônicos, que contêm muitos produtos químicos tóxicos, estão se tornando cada vez mais populares como outra maneira de consumo de nicotina. 

Para examinar a relação entre doenças cardiovasculares, uso de cigarros eletrônicos e o uso duplo de cigarros tradicionais e cigarros eletrônicos, os pesquisadores revisaram dados do estudo "Population Assessment of Tobacco and Health" (PATH), uma coorte nacionalmente representativa que relatou informações sobre saúde e uso de produtos de nicotina coletados de 2013 a 2019. Após ajustes para idade, sexo e etnia, o estudo utilizou os dados de mais de 24.000 adultos, dos quais 50% tinham 35 anos ou menos e 51% eram pacientes do sexo feminino.

Os participantes foram, então, classificados como fumantes se fumaram mais de 100 cigarros ao longo da vida e relataram tabagismo atual durante qualquer rodada do período de coleta de dados. Os usuários de cigarros eletrônicos foram identificados pelo autorrelato dos participantes de qualquer uso de cigarro eletrônico durante qualquer rodada da coleta de dados. Os grupos finais foram 1) sem uso atual de cigarros eletrônicos ou tabagismo tradicional (14.832 pessoas; esse grupo pode incluir ex-fumantes ou ex-usuários de cigarros eletrônicos); 2) uso exclusivo de cigarro eletrônico (822 pessoas); 3) uso de cigarro tradicional apenas (6.515 pessoas); ou 4) uso duplo de cigarros tradicionais e eletrônicos (1.858 pessoas).

A análise definiu um evento de doença cardiovascular como qualquer diagnóstico de doença cardiovascular nos 12 meses anteriores. Os pesquisadores também avaliaram um resultado separado de ataque cardíaco, insuficiência cardíaca ou acidente vascular cerebral auto-relatados. A revisão encontrou mais de 1.480 casos de qualquer doença cardiovascular e mais de 500 casos de ataque cardíaco, insuficiência cardíaca ou acidente vascular cerebral.

A análise de todos os participantes do estudo concluiu que, em comparação com as pessoas que fumavam apenas cigarros tradicionais, as pessoas que fumavam cigarros tradicionais e também usavam cigarros eletrônicos não apresentaram diferenças significativas no risco de qualquer doença cardiovascular nem no risco de ataque cardíaco, insuficiência cardíaca ou acidente vascular cerebral.

Além disso, os pacientes que usavam apenas cigarros eletrônicos e pessoas que faziam uso dos dois tipos de cigarros eram mais jovens do que as pessoas que não usavam nenhum dos produtos: 62% das pessoas que usavam apenas cigarros eletrônicos e 54% dos usuários duplos tinham menos de 35 anos, em comparação para 51% dos participantes classificados como não usuários que não fumavam cigarros tradicionais ou usavam e-cigarros.

Os pesquisadores observaram que, em comparação com o tabagismo tradicional exclusivo, o uso exclusivo de cigarros eletrônicos foi associado a 30% a 40% menos eventos de doenças cardiovasculares autorrelatados, embora a associação tenha sido significativa apenas para qualquer desfecho cardiovascular, que inclui condições como doenças cardíacas congênitas doença ou miocardite (41 eventos relatados por usuários de cigarro eletrônico versus 569 relatados por fumantes), não especificamente para ataque cardíaco, insuficiência cardíaca ou acidente vascular cerebral (15 eventos relatados por usuários de cigarro eletrônico versus 242 relatados por fumantes). Dado o baixo número de resultados auto-relatados relatados por usuários de cigarros eletrônicos, os pesquisadores concluíram que são necessários mais dados nessa área.

Entre várias limitações do estudo, uma importante que os pesquisadores notaram foi o pequeno número de indivíduos e eventos cardiovasculares no grupo de uso exclusivo de cigarros eletrônicos. Enquanto apenas 15 pessoas que usaram exclusivamente cigarros eletrônicos relataram um diagnóstico de ataque cardíaco, insuficiência cardíaca ou acidente vascular cerebral, o número de indivíduos e eventos foi muito baixo para tirar conclusões definitivas sobre os efeitos do uso exclusivo de cigarros eletrônicos na amostra do estudo.

Os autores do estudo ressaltam que muitos fumantes que tentam usar cigarros eletrônicos para parar de fumar continuam, porém, usando ambos os produtos, tornando-se usuários duplos. Neste grupo, no entanto, não houve redução no risco cardiovascular. 

O fato de que o uso duplo - cigarros tradicionais e cigarros eletrônicos - apresenta risco de doença cardiovascular semelhante ao de fumar cigarros apenas é uma descoberta importante, pois muitos americanos estão adotando cigarros eletrônicos na tentativa de reduzir o tabagismo pois imaginam que este apresenta um risco menor. É comum as pessoas tentarem mudar dos cigarros tradicionais para os e-cigarros e acabarem utilizando ambos os produtos.

 

Artigos relacionados:

Referências:

Berlowitz, J.B., et al. (2022) E-cigarette Use and Risk of Cardiovascular Disease: A Longitudinal Analysis of the PATH Study, 2013-2019. Circulation. doi.org/10.1161/CIRCULATIONAHA.121.057369. Disponível em https://www.ahajournals.org/doi/10.1161/CIRCULATIONAHA.121.057369

Academia Médica
O que a faculdade esquece de falar!
O que a faculdade esquece de falar! Seguir

Página da redação da Academia Médica para divulgar atualizações pertinentes aos médicos, acadêmicos de medicina e profissionais de saúde.

Ler conteúdo completo
Indicados para você