[ editar artigo]

The Lancet e Financial Times: governança de Futuros Saudáveis 2030 "Crescendo em um mundo digital"

The Lancet e Financial Times: governança de Futuros Saudáveis 2030

Pela primeira vez, uma comissão conjunta do periódico The Lancet com o jornal Financial Times sobre o futuro da saúde em 2030 "Crescendo em um mundo digital" está explorando a convergência da saúde digital, inteligência artificial (IA) e outras tecnologias de fronteira com cobertura universal de saúde (UHC) para apoiar a realização do terceiro Objetivo de Desenvolvimento Sustentável (ODS) - Saúde e Bem-Estar para todos. No dia 24 de outubro de 2021, foi publicado o Sumário Executivo desta Comissão na revista científica, e a Academia Médica está trazendo os principais pontos para seus leitores:

Dos efeitos de curto e longo prazo da Pandemia de COVID-19 às inseguranças de saúde já oriundas das mudanças climáticas, os futuros da saúde estão se desenrolando em uma era de aceleração econômica, social, tecnológica, e mudanças ambientais. Transformações digitais, que definem-se como os processos multifacetados de integração de tecnologias e plataformas digitais em todas as áreas da vida, incluindo saúde, são centrais para compreender - e moldar - muitas destas dinâmicas. Uma vez que grandes lacunas permanecem nas atuais bases de evidências na interface entre tecnologias digitais e saúde, é crucial a tomada de atitudes preventivas, orientadas para a missão e abordagens baseadas em valores.

Transformações digitais como novos determinantes da saúde

As transformações digitais são incorporadas e negociadas, de forma mais ampla, em processos políticos, sociais e econômicos. Modelos de negócios baseados em extração de dados, concentrações de poder e disseminação viral de desinformação e fake news representam características da fase atual das transformações digitais. Para atores privados e governos, as ferramentas digitais também permitem um alcance sem precedentes no dia a dia das pessoas e estão sendo usados para vigilância e fins políticos ​​em muitos países.

Dentro destes processos de transformações digitais, a saúde está rapidamente se tornando um domínio de alto risco devido à dinâmica como a crescente relevância econômica dos dados de saúde e o cada vez maior apetite por soluções digitais no setor de saúde, que foram substancialmente acelerados pela pandemia da COVID-19.

As transformações digitais têm o potencial de trazer enormes benefícios de longo prazo e substanciais mudanças em muitas áreas diferentes da saúde e do cuidado em saúde (healthcare) - na verdade, o efeito das transformações digitais foi tão difundido que pode em breve se tornar um dominante prisma através do qual podemos entender e abordar as dinâmicas de saúde e bem-estar.

As tecnologias digitais já estão conduzindo as transformações de saúde diretamente (por meio de sua aplicação em sistemas de saúde, cuidados de saúde, e automonitoramento do estado de saúde e comportamentos) e indiretamente (por meio de sua influência nos meios sociais, determinantes comerciais e ambientais da saúde). Além disso, devido à influência que a dinâmica do acesso e alfabetização digitais podem ter sobre saúde e bem-estar, pode-se considerar o próprio ecossistema digital como um determinante cada vez mais importante da saúde.

Colocando crianças e jovens no centro

Para garantir que todos se beneficiem das transformações digitais na saúde e dos cuidados de saúde, há uma necessidade urgente de orientar as prioridades de saúde digital para o estabelecimento de bases sólidas de saúde e bem-estar na infância. Este objetivo exigirá especialmente a adaptação dos serviços de saúde que tradicionalmente são considerados parte da cobertura universal de saúde para refletir as necessidades e prioridades das crianças e jovens, que provavelmente variam entre as faixas etárias, comunidades e níveis de alfabetização digital.

Existem várias razões para colocar crianças e jovens no centro deste esforço. Primeiro, a abordagem  do papel das tecnologias digitais como determinantes da saúde já na primeira infância será crucial para reduzir os encargos sociais e econômicos de doenças mais tardiamente na vida. Em segundo lugar, a saúde e o bem-estar das crianças e jovens são provavelmente uma prova da capacidade das sociedades de aproveitar as transformações digitais em apoio à cobertura universal de saúde para todas as pessoas.

Por último, segundo os autores, embora não haja uma experiência universal de crescimento em um mundo digital, crianças e jovens são geralmente aqueles com maior exposição às tecnologias digitais. Assim, estão particularmente expostos a potenciais danos que podem derivar deles mas também prontos para moldar futuros de saúde positivos por meio de codesign de soluções de saúde digital e pesquisa participativa e tomada de decisão.

Os autores concluem que, no centro da análise, está a redistribuição de poder para o benefício da saúde. Eles afirmam que as tecnologias digitais devem trabalhar para a saúde, abordar seus determinantes e desenvolver esforços mais amplos para superar divisões digitais e alcançar um desenvolvimento sustentável. Os autores também advogam por um modelo de governança digital de extração de dados com base em solidariedade de dados, confiança digital, responsabilidade e participação pública, que devem ser a chave para o avanço da equidade na saúde e reconciliação de questões de privacidade e valor público. 

"Os enormes desafios e oportunidades apresentados pelas transformações digitais de saúde e cuidados de saúde constituem uma chamada poderosa para a governança em várias escalas, que devem ser baseadas no núcleo Saúde para Todos e valores de democracia, equidade, solidariedade, inclusão e direitos humanos."
 

Veja abaixo o vídeo institucional da Comissão:

Disponível em https://www.governinghealthfutures2030.org/ghfutures2030/

Referências:

Kickbusch I, Piselli D, Agrawal A, Balicer R, Banner O, Adelhaardt M, Capobianco E, Fabian C, Singh Gill A, Lupton D, Medhora RP, Ndili N, Ryś A, Sambuli N, Settle D, Swaminathan S, Morales JV, Wolpert M, Wyckoff AW, Xue L; Secretariat of the Lancet and Financial Times Commission. The Lancet and Financial Times Commission on governing health futures 2030: growing up in a digital world. Lancet. 2021 Oct 22:S0140-6736(21)01824-9. doi: 10.1016/S0140-6736(21)01824-9.

 

Artigos Relacionados:

Academia Médica
O que a faculdade esquece de falar!
O que a faculdade esquece de falar! Seguir

Página da redação da Academia Médica para divulgar atualizações pertinentes aos médicos, acadêmicos de medicina e profissionais de saúde.

Ler conteúdo completo
Indicados para você