[ editar artigo]

COVID-19 pode ter matado até 180 mil profissionais da saúde segundo a OMS

COVID-19 pode ter matado até 180 mil profissionais da saúde segundo a OMS

A Organização Mundial da Saúde alertou ao mundo que a pandemia do novo coronavírus pode ter matado entre 80.000 a 180.000 profissionais da saúde, principalmente nas áreas onde há uma desigualdade de acesso às vacinas e tratamentos adequados.

Baseados nos dados estimados da Organização Internacional do Trabalho de 135 milhões de profissionais de saúde empregados em atividades sociais e de saúde humana e nos dados de vigilância da OMS sobre todas as mortes relatadas como devidas ao COVID-19, as abordagens analíticas elaboradas pela equipe de pesquisadores da OMS apresentam uma faixa entre 80.000 a 180.000 mortes em todo o mundo com uma estimativa central com base na população de 115.500 mortes.

Diversos fatores foram associados e relacionados a essa elevada taxa de mortalidades. Dentre eles, podemos citar a iniquidade na distribuição de vacinas globalmente; as condições de saúde e hábitos de vida relacionadas aos profissionais de saúde; a estigmatização e discriminação desses profissionais que estavam na linha de frente e às condições de trabalho precárias que acabam por expor ainda mais os profissionais ao patógeno mortal.

Apesar de a taxa relatada de infecções e mortes entre profissionais de saúde e cuidadores ter diminuído ao longo do tempo, o mundo ainda não pode relaxar. É necessário mais trabalho para minimizar o risco de infecção no local de trabalho. Em setembro de 2021, os dados disponíveis de 119 países sugerem que dois em cada cinco profissionais de saúde e cuidados de saúde foram totalmente vacinados, em média, com diferenças consideráveis entre regiões e grupos econômicos. Menos de 1 em cada 10 foi totalmente vacinado nas regiões da África e do Pacífico Ocidental, enquanto 22, em sua maioria países de alta renda, relataram que mais de 80% do seu pessoal está totalmente vacinado, segundo dados da OMS.

Para reduzir essa elevada mortalidade entre os profissionais da saúde e para reduzir o abismo entre ao acesso às vacinas a OMS fez um chamado à ação para todos envolvidos no bem-estar dos profissionais da saúde que envolve:

1. Fortalecer a coleta de dados e relatórios sobre infecções, problemas de saúde e mortes entre profissionais de saúde e cuidados devido a COVID-19

A OMS solicita a todos os governos que monitorem e relatem infecções, problemas de saúde e mortes devido ao COVID-19, com dados desagregados da força de trabalho por ocupação, sexo e idade. A organização também conclama as redes da sociedade civil e associações profissionais a apoiar os governos na coleta e divulgação de dados mais precisos e oportunos de todas as fontes disponíveis. Para cada vez mais podermos avaliar o real impacto da pandemia nessa população.

 2. Proteção dos profissionais de saúde e cuidadores durante e após a atual pandemia da COVID-19

A instituição pede aos líderes políticos e formuladores de políticas públicas que façam tudo ao seu alcance para tomar decisões urgentes de regulamentação, política e investimento que garantam a proteção das vidas e do bem-estar dos profissionais de saúde. A OMS também alerta sobre a prevenção de atos de violência contra profissionais de saúde e assistência em todos os ambientes, especialmente em zonas frágeis e afetadas por conflitos. A instituição se compromete a se envolver com nossas redes de interessados e pesquisadores para apoiar os governos na identificação e implementação de medidas de mitigação que reduzirão ainda mais o risco de infecção e problemas de saúde.

3. Acelerar a vacinação de todos os profissionais de saúde globalmente

A instituição apela aos líderes políticos e formuladores de políticas públicas para que façam tudo ao seu alcance para garantir urgentemente o acesso equitativo às vacinas contra a COVID-19 para todos os profissionais de saúde globalmente. No final deste Ano Internacional dos Trabalhadores de Saúde e Assistência, todos os profissionais de saúde e assistência, em todos os países, deverão ter acesso às vacinas. Nenhum país deve ser deixado para trás.

Infelizmente a pandemia já vitimou mais de 100.000 profissionais da saúde ao redor do mundo, mas temos o dever e obrigação moral de zelar por aqueles profissionais que continuam na linha de frente se arriscando para salvar outras vidas. Garantir igualdade de recursos, acesso às vacinas e prezar pelo bem-estar destes profissionais é de suma importância e nos levará ao final dessa crise sanitária e humana.

Artigos relacionados:


Quer escrever? Publique seu artigo na Academia Médica. Clique no botão "NOVO POST" no alto da página!


Referências

‌World Health Organization: WHO. WHO and partners call for action to better protect health and care workers from COVID-19 [Internet]. Who.int. World Health Organization: WHO; 2021 [cited 2021 Oct 23]. Available from: https://www.who.int/news/item/21-10-2021-who-and-partners-call-for-action-to-better-protect-health-and-care-workers-from-covid-19 ‌

The impact of COVID-19 on health and care workers: a closer look at deaths. Health Workforce Department – Working Paper 1. Geneva:  World Health Organization; September 2021 (WHO/HWF/WorkingPaper/2021.1). Licence: CC BY-NCSA 3.0 IGO.

Health Workforce UHL. The impact of COVID-19 on health and care workers: a closer look at deaths [Internet]. Who.int. World Health Organization; 2021 [cited 2021 Oct 23]. Available from: https://www.who.int/publications/i/item/WHO-HWF-WorkingPaper-2021.1 ‌

Conteúdo traduzido e adaptado por Diego Arthur Castro Cabral

Academia Médica
O que a faculdade esquece de falar!
O que a faculdade esquece de falar! Seguir

Página da redação da Academia Médica para divulgar atualizações pertinentes aos médicos, acadêmicos de medicina e profissionais de saúde.

Ler conteúdo completo
Indicados para você