[ editar artigo]

Máscaras N95 podem ser descontaminadas com segurança até 25 vezes

Máscaras N95 podem ser descontaminadas com segurança até 25 vezes

 

As máscaras N95 são comumente usados ​​em hospitais em todo o mundo para proteger os profissionais de saúde de patógenos infecciosos. Durante a pandemia de COVID-19, as instalações de saúde sofreram escassez de equipamentos de proteção individual (EPIs), forçando o pessoal a reutilizá-los ou recorrer a alternativas de máscara menos eficazes.

De acordo com as orientações dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças e da Administração de Segurança e Saúde Ocupacional, a equipe do Beth Israel Deaconess Medical Center (BIDMC) reutilizou máscaras N95 para aliviar as restrições de suprimento, empregando peróxido de hidrogênio vaporizado (VHP) – um agente de desinfecção ambiental eficaz – como método de descontaminação. Em um novo estudo analisando a abordagem avaliada entre junho e agosto de 2020, pesquisadores do BIDMC relataram que respiradores N95 reprocessados com VHP mantiveram sua função e eficácia por 25 ciclos de reutilização. Os resultados foram publicados no American Journal of Infection Control.

Os pesquisadores conduziram uma série de testes qualitativos e quantitativos para avaliar a função e a eficácia de sete máscaras N95 que foram usados ​​por três voluntários do sexo masculino e quatro do sexo feminino de junho a agosto de 2020. Esses testes incluíram uma verificação de vedação do usuário (realizada por indivíduos colocação e retirada dos respiradores), teste qualitativo e quantitativo de ajuste do respirador e teste de eficiência de filtragem, que avalia a capacidade do respirador de filtrar partículas.

Mesmo após 25 ciclos de descontaminação, os pesquisadores não encontraram alterações na integridade respiratória ou eficiência de filtração entre os sete respiradores N95. Todos os sete respiradores N95 atenderam aos objetivos primários de função e eficácia, passando por 25 verificações de vedação do usuário e oito testes de ajuste quantitativos e quatro qualitativos, além de manter a eficiência de filtragem de 95% ou mais durante todo o estudo.

Os pesquisadores afirmam que a implementação bem-sucedida e em larga escala do reprocessamento do respirador N95 requer planejamento e coordenação, equipes multidisciplinares para garantir a eficácia da desinfecção e a segurança do usuário final, além de suporte logístico significativo. O reprocessamento pode ser possível criando relacionamentos entre prevenção de infecções, saúde ocupacional, serviços ambientais e outros departamentos relevantes dentro dos hospitais para facilitar a implementação de tecnologias apropriadas e defender a inclusão do reprocessamento de equipamentos de proteção individual no planejamento epidêmico e pandêmico.

 

Referências:

Yen CF, Seeley R, Gordon P, Parameswaran L, Wright SB, Pepe DE, Mehrotra P. Assessing changes to N95 respirator filtration efficiency, qualitative and quantitative fit, and seal check with repeated vaporized hydrogen peroxide (VHP) decontamination. Am J Infect Control. 2021 Dec 7:S0196-6553(21)00741-0. doi: 10.1016/j.ajic.2021.11.005. Epub ahead of print. PMID: 35000800. 

New Study Suggests N95 Respirators Can Be Safely Reprocessed to Augment Supply in Future Epidemics.  Association for Professionals in Infection Control and Epidemiology. Disponível em https://apic.org/news/new-study-suggests-n95-respirators-can-be-safely-reprocessed-to-augment-supply-in-future-epidemics/

 

Artigos relacionados:

Academia Médica
O que a faculdade esquece de falar!
O que a faculdade esquece de falar! Seguir

Página da redação da Academia Médica para divulgar atualizações pertinentes aos médicos, acadêmicos de medicina e profissionais de saúde.

Ler conteúdo completo
Indicados para você