[ editar artigo]

O declínio dos investimentos para o SUS pela União

O declínio dos investimentos para o SUS pela União

Para 2022, o Ministério da Saúde reduziu em 20% o orçamento destinado ao SUS, passando dos R$ 200,6 bilhões de 2021 para os atuais R$ 160,4 bilhões(1). É com esse aporte reduzido que as prefeituras e municípios irão regularizar os atendimentos atrasados pela pandemia de COVID-19 e vão suprir as necessidades adicionais desse período (1). 

Durante os dois primeiros anos de pandemia, o orçamento para a Saúde foi aprimorado por decretos extraordinários e de calamidade pública, o que flexibilizou o teto de gastos. Mas, as verbas de urgência não foram incluídas em 2022 e, segundo prefeitos e economistas, o cenário ameaça a qualidade dos serviços(1).

Para as atuais demandas, o Ministério da Saúde terá apenas R$ 22,6 bilhões a mais do que no orçamento de 2019. Contudo, entre janeiro de 2019 e dezembro de 2021, a inflação acumulada medida pelo IPCA foi de 20,63%, segundo dados da Calculadora do Cidadão do Banco Central(1). 

Além disso, o valor repassado à atenção primária passou de R$ 27,2 bilhões em 2019 para R$ 27,4 bilhões em 2020, crescimento de apenas 0,7%, enquanto a inflação foi de 4,52%, enfatiza Áquilas Mendes, professor de Economia Política da Saúde na Universidade de São Paulo (USP), evidenciando que o investimento não condiz com o aumento dos gastos do governo por impostos(1). 

A verba para o SUS neste ano contrasta ainda com o cálculo de 2020 da Secretaria do Tesouro Nacional, órgão do Ministério da Economia, estimando que, devido ao envelhecimento populacional, o governo federal precisa aplicar mais R$ 50,7 bilhões em saúde até 2027(1).

O caminho do declínio de investimentos no SUS pelo Ministérios da Saúde

 Mesmo sendo o único país do mundo com mais de 100 milhões de habitantes com sistema de saúde público, universal e gratuito, o Brasil investe menos do que nações em desenvolvimento, segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS)(1). 

Na última década, o investimento federal per capita em saúde pública também reduziu: passou de R$ 615 em 2014 para R$ 573 em 2020, segundo a Associação Brasileira de Economia da Saúde, que corrigiu os valores pela inflação(1).

Em, 2017, no governo de Michel Temer, foi criado o teto dos gastos, que acabou com a obrigação da União gastar 15% da receita em saúde e limitou que, até 2036, os gastos em saúde estarão no patamar do investido em 2017, mais a correção da inflação(1).

A consequência dessa emenda é que o SUS deixou de receber, entre 2018 e 2020, R$ 22,5 bilhões, sem considerar os recursos extraordinários da pandemia.  Até 2036, o CNS estima que o sistema de saúde pode deixar de ganhar R$ 400 bilhões devido às restrições da emenda(1).

No governo Bolsonaro houve a criação do programa Previne Brasil, que alterou o repasse de verbas da saúde a municípios para a atenção primária, reduzindo o dinheiro distribuído pela União (1). Antes, a verba repassada para a união era calculada pelo tamanho da população, agora com o novo programa, o orçamento será repassado de acordo com a produção apresentada pelo sistema. Entretanto, muitos municípios não têm apoio para informatização do SUS e muitos têm dificuldade com internet, impossibilitados de exportar a informação porque o banco de dados do Ministério tem problemas, e acaba que, nos meses seguintes, há redução significativa no orçamento. Enquanto isso, o município entra com recurso próprio(1). 

 A cada ano, a participação do Ministério da Saúde no montante total de verbas aplicadas no sistema cai, como mostra cálculo do economista Francisco Funcia, vice-presidente da Associação Brasileira de Economia em Saúde(1). Em 1991, a União contribuía com 73% do financiamento do SUS, em 2019 entrou com 43% da verba. Em contrapartida, Estados e prefeituras elevam os gastos com a saúde para suprirem as demandas do sistema — apesar de o governo federal concentrar 69% dos impostos arrecadados no país(1). 

 

O funcionamento financeiro do SUS 

O SUS tem 4 fontes principais de verba, sendo que o maior financiador é o Ministério da Saúde, seguido dos Estados e municípios, e as emendas parlamentares, que são uma fonte imprevisível, a qual  segue critérios de aplicação essencialmente políticos, não técnicos, pelos parlamentares do Congresso, segundo o Instituto de Estudos para Políticas de Saúde em estudo sobre o orçamento da saúde (1).

 Quando as prefeituras aumentam o gasto com SUS, sobra menos dinheiro municipal para políticas de saneamento básico e de assistência social, exemplifica o presidente do Conselho de Secretários Municipais da Saúde do Rio Grande do Sul (Cosems-RS), Maicon Lemos(1). 

Artigos relacionados 

OCDE publica estudo sobre o Sistema de Saúde no Brasil e a necessidade de melhorias

Conselho Nacional de Saúde reprova as contas do Ministério da Saúde de 2020

Que sistemas de saúde estamos oferecendo aos médicos que formamos?

Referência

(1) Para 2022, Ministério da Saúde perde 20% do orçamento de 2021. Fev 2022. Disponível em https://gauchazh.clicrbs.com.br/saude/noticia/2022/02/para-2022-ministerio-da-saude-perde-20-do-orcamento-de-2021-ckzn60gan008c015p17sn3f43.html#:~:text=Ainda%20assim%2C%20o%20or%C3%A7amento%20para,bilh%C3%B5es%2C%20conforme%20dados%20da%20pasta. Acessado em Mar 2022.

Academia Médica
O que a faculdade esquece de falar!
O que a faculdade esquece de falar! Seguir

Página da redação da Academia Médica para divulgar atualizações pertinentes aos médicos, acadêmicos de medicina e profissionais de saúde.

Ler conteúdo completo
Indicados para você