[ editar artigo]

Pseudociências e o charlatanismo na medicina

Pseudociências e o charlatanismo na medicina

O termo "pseudo" traz a ideia de falso, de algo que se parece, mas não é. Assim, uma pseudociência pode ser definida como uma crença ou prática que se diz verdadeira e científica, mas que não decorre do uso do método científico - ou seja, não se submete ao conjunto de protocolos rigorosos que a ciência exige para considerar um fenômeno, uma intervenção, uma técnica como um conhecimento comprovado, um fato [1].

Para trazer ares de cientificidade às pseudociências, são muito comuns os argumentos a seguir:

"É uma prática milenar!"

Essa é a clássica desculpa para justificar que a prática deve funcionar, já que é usada há muitos anos e continua tendo adeptos. A escravidão também foi uma prática milenar, assim como a mutilação genital feminina, e por muitos séculos a terra foi considerada plana (sim, pasme, a terra é geoide e o sol não gira em torno dela!).


"Mas é natural!"

Esse é um argumento muito comum para dizer que, por ser natural, a prática é saudável e não deve causar mal. Bem, se entendermos “natural” como algo que vem da natureza, então é bom lembrar que cogumelos venenosos são naturais, bactérias que causam infecções letais também são naturais, assim como o chá de erva-de-são-joão, que diminui a eficácia de uma série de medicamentos e pode reduzir a absorção de ferro.


"O Dr. Fulano, que é professor na Universidade Bolinha, disse que funciona."

Argumento famoso entre a galera que adora replicar fake news de zapzap. Ser médico ou ter doutorado, mesmo que seja especialista na área, não significa que suas opiniões sejam verdades científicas. Opinião não é ciência. Se a hipótese é válida, basta seguir o método científico e publicar os resultados para a comunidade. Então não, até o momento não há evidências científicas de que Ivermectina previna infecção de COVID-19 [2], não importa o título de quem te disse o contrário.


"Minha tia disse que funcionou pra ela."

Querer validar uma prática com base em experiências pessoais ou profissionais subjetivas é conhecido como "evidência anedótica" e não se baseia em relações de causa e efeito cientificamente comprovados. Muitos profissionais "especialistas" utilizam dessa estratégia. Se sua tia foi curada da COVID-19, por exemplo, e acha que foi porque fez "tratamento precoce" (só pra constar, não tem evidência científica de que isso exista), é porque ela provavelmente iria se safar mesmo se tivesse tomado água de coco ou café com leite no lugar da Cloroquina [3].

Querer extrapolar e recomendar experiências pessoais e pontuais sem fazer um estudo mais amplo, com análises estatísticas de eficácia é, no mínimo, irresponsável. Essa é uma prática combatida desde a Grécia antiga por Platão e Aristóteles, que defendiam que mitos e opiniões individuais estavam submetidos à busca de um conhecimento verdadeiro [4].


"Tem evidências científicas."

A frase, falada quase sempre de forma vaga e sem mostrar as referências, costuma aparecer nas conversas para legitimar uma prática. Tem evidências? Mesmo? Onde foram publicadas? Em qual revista? Qual a qualidade das evidências? Teve revisão por pares pra ser publicado? O estudo foi duplo-cego randomizado? Teve grupo controle? Dizer apenas que foi "publicado" infelizmente não é suficiente! É preciso avaliar a qualidade do trabalho e é importante que pesquisadores de outros grupos cheguem às mesmas conclusões (ou que as refutem).


"Ah, mas se não funcionou é porque não fizeram direito"

Também conhecida como "falácia do escocês de verdade", trata-se de uma estratégia para relativizar um ou mais casos sem apresentar argumentos capazes de confrontar a crítica em si. Para não admitir que não tem comprovação científica, os defensores da prática minimizam a situação atribuindo a ineficácia questionada a um caso isolado.


“A Ciência não é perfeita […], mas é a melhor ferramenta que temos.” Carl Sagan

É claro que a produção científica tem seus limites e que nem tudo precisa ser cientificamente comprovado.

A arte é um exemplo de uma experiência humana que não precisa caber dentro do método científico para ser o que é - mas há trabalhos mostrando os efeitos da arte no cérebro [5]. E é justamente por isso que cada um pode perceber a mesma obra de arte de diferentes maneiras. Outro exemplo são as religiões, que não se propõem a ser científicas. A vasta maioria, até onde eu sei, não quer se legitimar a partir de falácias ou de narrativas científicas. São discussões de outra ordem.

A questão fica mais complexa, entretanto, quando falamos de saúde, porque, nesse caso, vidas podem ser colocadas em risco pelo discurso charlatão das pseudociências. A área da saúde tem sido cada vez mais permeada por práticas sem comprovação científica e com uma fala muito tentadora demonizando a medicina alopática. Além disso, os defensores dessas práticas místico-exotéricas, muitas vezes o fazem associando-as a recentes desenvolvimentos da ciência [4], tornando o discurso ainda mais atraente.

Se aparecer um prefixo "neuro" ou um sufixo "quântico" então, desconfie de cara!

Muitos pacientes podem tardar a buscar ajuda ou até mesmo abandonar tratamentos com comprovação científica a fim de se aventurar por essas abordagens pseudocientíficas. Pior, algumas dessas práticas, sob o argumento de serem "naturais", podem fazer trazer riscos à saúde, visto que seus efeitos nunca foram sistematicamente avaliados.

O problema fica ainda mais grave quando falamos de saúde mental. Por quê? Simplesmente porque os efeitos danosos dessas "terapias" muitas vezes demoram a aparecer e fica mais fácil para seus defensores saírem pela tangente e se eximirem da responsabilidade, que se perde no tempo. Agora, experimente apenas canalizar energias boas ou tomar um shake milagroso para tratar uma tuberculose ou uma infecção urinária e veremos em quanto tempo concluiremos que a abordagem deveria ter sido outra.

Encarar um processo psicoterapêutico validado pode ser incômodo, "doer", além de ser, geralmente, custoso. Em paralelo, há também uma série de desinformação e de estigma quanto ao uso de medicações psiquiátricas, replicada sempre pelos que recorrem ao lado ruim da história da psiquiatria e aos interesses capitalistas da indústria farmacêutica - que, aliás, é fortemente regulada pelas instituições governamentais e precisa investir em pesquisa para provar a eficácia de seus medicamentos.

Gostaria de ressaltar que todo mundo pode crer no que quiser e se submeter ao que acredita. Não é isso que está em discussão aqui. Estou tratando de práticas que se beneficiam de um discurso científico para ludibriar uma série de pessoas, geralmente desinformadas.

Penso que, sob o ponto de vista do profissional de saúde, é preciso se ético e responsável com a saúde de nossos pacientes e com a dos que confiam nas informações que tornamos públicas. Afinal, foi justamente essa falta de comunicação e de clareza na relação profissional-paciente que tornou fértil o terreno para o crescimento dessas pseudociências.

Artigos relacionados


Publique na Academia Médica. Clique em NOVO POST e compartilhe conhecimento com toda a comunidade


Referências

  1. HANSSON, Sven Ove. Science and pseudo-science. 2008.
  2. POPP, Maria et al. Ivermectin for preventing and treating COVID‐19. Cochrane Database of Systematic Reviews, n. 7, 2021.
  3. CORTEGIANI, Andrea et al. A systematic review on the efficacy and safety of chloroquine for the treatment of COVID-19. Journal of critical care, v. 57, p. 279-283, 2020.
  4. DE VASCONCELLOS, Maria José Esteves. Pensamento sistêmico: o novo paradigma da ciência. Papirus Editora, 2003.
  5. BOLWERK, Anne et al. How art changes your brain: Differential effects of visual art production and cognitive art evaluation on functional brain connectivity. PloS one, v. 9, n. 7, p. e101035, 2014.

 

Academia Médica
Felipe Dalvi
Felipe Dalvi Seguir

Doutor em Modelagem Computacional e atual acadêmico de Medicina na Unirio. Entusiasta da visão integrada entre mente e corpo, entre leituras e corridas pra ver o por do sol, cultivo minha paixão por cinema, ciência e saúde mental

Ler conteúdo completo
Indicados para você