[ editar artigo]

As vacinas de RNA mensageiro possuem efeitos adversos graves em casos raros, sugere estudo

As vacinas de RNA mensageiro possuem efeitos adversos graves em casos raros, sugere estudo

Existiu durante muito tempo uma preocupação em relação aos efeitos adversos da duas vacinas de RNA mensageiro (Pfizer e Moderna) que foram utilizadas no combate ao Covid-19. A preocupação com essas vacinas é baseada no fato de que elas são as primeiras com essa tecnologia autorizadas para uso em humanos. Levando isso em consideração, um grupo de pesquisadores estadunidenses estudou o registro de mais de 12 milhões de doses administradas buscando estratificar os riscos mais severos e o uso das vacinas.

E o que foi descoberto?

Os efeitos adversos graves incluídos neste estudo foram: infarto agudo do miocárdio, paralisia de Bell, trombose de seio venoso cerebral, síndrome de Guillain-Barré, miocardite / pericardite, embolia pulmonar, acidente vascular cerebral e trombose com síndrome de trombocitopenia. A incidência de eventos que ocorreram entre os destinatários da vacina 1 a 21 dias após a dose 1 ou 2 de uma vacina de RNA mensageiro (mRNA) foi comparada com a de comparadores simultâneos vacinados que, no mesmo dia de calendário, receberam sua dose mais recente 22 a 42 dias antes.

Das quase 12 milhões de doses de vacina Covid-19 de mRNA (57% Pfizer-BioNTech, 43% Moderna) administradas a 6,2 milhões de indivíduos com 12 anos ou mais, nenhum resultado atendeu aos critérios de sinalização pré-especificados para significância estatística.

Razões de taxas (RRs) foram maiores para púrpura trombocitopênica trombótica, trombose do seio venoso cerebral e mielite transversa, mas essas medidas de associação tiveram intervalos de confiança ICs amplos de 95% e valores de P não significativos. As estimativas mais altas de casos em excesso por milhão de doses foram 7,5 (95% CI, -0,1 a 14,0) para tromboembolismo venoso, 1,2 (95% CI, -6,9 a 8,3) para infarto agudo do miocárdio e 1,2 (95% CI, -2,1 a 3.3) para miocardite / pericardite.

Dessa análise provisória de vigilância das vacinas de mRNA Covid-19, a incidência de desfechos graves selecionados não foi significativamente maior de 1 a 21 dias após a vacinação em comparação com 22 a 42 dias após a vacinação. Embora os ICs sejam amplos para muitos resultados, a vigilância deve continuar em andamento para melhor caracterização da segurança dessas vacinas.

 

Conteúdo relacionado


Quer escrever?
Publique seu artigo na Academia Médica e faça parte de uma comunidade crescente de mais de 215 mil médicos, acadêmicos, pesquisadores e profissionais da saúde. Clique no botão "NOVO POST" no alto da página!


Referências

  1. Klein NP, Lewis N, Goddard K, Fireman B, Zerbo O, Hanson KE, et al. Surveillance for Adverse Events After COVID-19 mRNA Vaccination. JAMA [Internet]. 2021 Sep 3 [cited 2021 Sep 7]; Available from: https://jamanetwork.com/journals/jama/fullarticle/2784015 ‌

Conteúdo elaborado por Diego Arthur Castro Cabral

Academia Médica
O que a faculdade esquece de falar!
O que a faculdade esquece de falar! Seguir

Página da redação da Academia Médica para divulgar atualizações pertinentes aos médicos, acadêmicos de medicina e profissionais de saúde.

Ler conteúdo completo
Indicados para você