[ editar artigo]

Mais de 5 milhões de crianças perderam pelo menos um dos pais ou cuidadores devido à COVID-19

Mais de 5 milhões de crianças perderam pelo  menos um dos pais ou cuidadores devido à COVID-19

 

De acordo com um novo estudo de modelagem publicado na revista The Lancet Child & Adolescent Health, o número de crianças que se estima ter sofrido a morte de um dos pais ou cuidador como resultado da pandemia de COVID-19 gira em torno de mais de 5,2 milhões em todo o mundo.

Os autores do estudo utilizaram dados atualizados de excesso de mortalidade e fertilidade para modelar aumentos nas estimativas mínimas de orfandade associada à COVID-19 e mortes de cuidadores de nosso período de estudo original de 1º de março de 2020 a 30 de abril de 2021, para incluir o novo período de 1º de maio a 31 de outubro de 2021, para 21 países, incluindo o Brasil. A orfandade foi definida como a morte de um ou ambos os pais; a perda do cuidador principal incluiu a morte dos pais ou a morte de um ou ambos os avós guardiães; e a perda do cuidador secundário incluiu avós ou parentes co-residentes.

As estimativas do número de crianças afetadas pela orfandade associada ao COVID-19 e morte de cuidadores quase dobraram nos seis meses de 1º de maio de 2021 a 31 de outubro de 2021, em comparação com o valor após os primeiros 14 meses da pandemia.

O estudo sugere que duas em cada três crianças órfãs por COVID-19 ao redor do mundo são adolescentes de 10 a 17 anos. Além disso, indo a encontro das evidências que sugerem que a COVID-19 afeta desproporcionalmente os homens, três em cada quatro crianças em todo o mundo que sofreram a morte de um dos pais durante a pandemia perderam a figura paterna. Em todos os países, as crianças foram mais propensas a perder o pai do que a mãe, com mais de três vezes mais crianças sofrendo a morte do pai do que da mãe (76,5% ou 2.581.300/3.374.900 das crianças perderam o pai em comparação com 23,5 % ou 793.600/3.374.900 que perderam mães).

O estudo alerta para o fato de que, em geral, as crianças que sofrem a perda de um cuidador têm um risco aumentado de pobreza, exploração e violência ou abuso sexual, infecção por HIV, desafios de saúde mental e sofrimento grave e, em alguns contextos, maior vulnerabilidade ao envolvimento em gangues e extremismo violento. Os pesquisadores pedem que programas baseados em evidências para crianças em situação de orfandade sejam incorporados urgentemente aos esforços de resposta à pandemia, incluindo programas que apoiem o fortalecimento econômico, maior apoio comunitário e familiar e programas que evitem colocar crianças em cuidados institucionais. As descobertas podem ajudar nas respostas nacionais adaptadas à idade e às circunstâncias das crianças afetadas.

Os pesquisadores estimam que, para cada pessoa que morreu como resultado da pandemia de COVID-19, uma criança ficou órfã ou perdeu um cuidador. Isso é o equivalente a uma criança a cada seis segundos enfrentando um risco aumentado de adversidade ao longo da vida, a menos que receba apoio adequado a tempo. Durante todo o período de 20 meses do estudo, a equipe estima que um mínimo de 3.367.000 crianças ficaram órfãs em todo o mundo, sofrendo a perda de um dos pais. Outras 1.833.300 crianças foram afetadas pela morte de um avô ou cuidador idoso que morava em sua própria casa. No geral, o número de crianças afetadas pela morte de um cuidador devido ao COVID-19 excedeu o número de mortes relatadas por COVID-19 (5,2 milhões de crianças em comparação com 5 milhões de mortes por COVID-19).

Assim, afirmam os autores, o apoio a crianças órfãs deve ser imediatamente integrado em todos os planos nacionais de resposta à COVID-19. Esse apoio deve se concentrar em três componentes principais: prevenir a morte do cuidador por meio de cobertura, contenção e tratamento equitativo da vacina contra a COVID-19; preparar as famílias para apoiar crianças afetadas (como por meio de cuidados de parentesco, assistência social e adoção); e proteger as crianças usando estratégias baseadas em evidências para reduzir os riscos de pobreza, adversidade infantil e violência. 

 

Artigos relacionados

Referência

  1. Unwin HJT, Hillis S, Cluver L, Flaxman S, Goldman PS, Butchart A, Bachman G, Rawlings L, Donnelly CA, Ratmann O, Green P, Nelson CA, Blenkinsop A, Bhatt S, Desmond C, Villaveces A, Sherr L. Global, regional, and national minimum estimates of children affected by COVID-19-associated orphanhood and caregiver death, by age and family circumstance up to Oct 31, 2021: an updated modelling study. Lancet Child Adolesc Health. 2022 Feb 24:S2352-4642(22)00005-0. doi: 10.1016/S2352-4642(22)00005-0. Epub ahead of print. PMID: 35219404; PMCID: PMC8872796. Disponível em https://www.thelancet.com/journals/lanchi/article/PIIS2352-4642(22)00005-0/fulltext

Academia Médica
O que a faculdade esquece de falar!
O que a faculdade esquece de falar! Seguir

Página da redação da Academia Médica para divulgar atualizações pertinentes aos médicos, acadêmicos de medicina e profissionais de saúde.

Ler conteúdo completo
Indicados para você