[ editar artigo]

Mulheres que ganharam o Nobel de Medicina e Fisiologia

Mulheres que ganharam o Nobel de Medicina e Fisiologia

Ficamos procurando maneiras de homenagear as mulheres nesse dia tão especial, o dia que comemora a independência das diferenças entre homens e mulheres. A partir disso resolvi trazer as mulheres que atingiram o topo na medicina e obtiveram o Nobel Prize of Medicine & Physiology

Até hoje foram apenas 11 as mulheres que ganharam o Nobel de Medicina:

1947 - Gerty Cori

Foi a primeira mulher a receber o prêmio Nobel de Medicina e Fisiologia devido a seus estudos e publicações sobre diabetes. Gerty Cori recebeu o Prêmio Nobel em 1947 pela descoberta do mecanismo pelo qual a glicogênio - um derivado da glicose - é metabolizado no tecido muscular, em ácido láctico e, em seguida, re-sintetizado e armazenado como fonte de energia (conhecido como o Ciclo de Cori). Ela também ajudou a identificar um composto catalisador importante, o éster de Cori. Em 2004, Gerty Cori e Carl (seu marido) foram designados como um marco histórico na química em reconhecimento do trabalho no esclarecimento metabolismo de carboidratos.

Em 1957, Gerty Cori morreu após uma luta de dez anos com mieloesclerose. Ela permaneceu ativa no laboratório de pesquisa até o fim. Ela recebeu o reconhecimento por suas realizações através de vários prêmios e honrarias. A cratera Cori na Lua e a cratera Cori em Vênus são nomeados em homenagem a ela.


1977 - Rosalyn Yalow

Recebeu o Prêmio Nobel pelo seu papel no desenvolvimento da técnica de Radioimunoensaio (RIE), que mede as substâncias no corpo humano. Isso possibilitou a realização em massa de exames de screening de diversas doenças, que possibilitaram a doação de sangue. A invenção de Yalow e seus colaboradores pode ser usada para medir uma infinidade de substâncias utilizando apenas uma pequena quantidade de material (drogas, vírus e hormônios). O Radioimunoensaio contribui em permitir a doação de sangue limpo, livres de diversos tipos de hepatites (principalmente). A evolução da técnica pôde ser utilizada para quantificar hormônios. Em outro momento a evolução da técnica possibilitou identificar marcadores tumorais que estão presentes no câncer. Finalmente, a técnica possibilitou a medição da dose efetiva de antibióticos e outras drogas.


1983 - Barbara McClintock

Foi uma botânica estadunidense, especialista em genética. Recebeu o Nobel de Fisiologia/Medicina de 1983, pela descoberta do fenômeno conhecido como transposição genética e sobre elementos genéticos móveis nas décadas de 1940 e 1950.

É considerada, ao lado de Gregor Mendel e Thomas Hunt Morgan, uma das três mais importantes figuras da história da genética. Empreendeu uma das mais espetaculares descobertas da genética, os genes saltadores ou transposões. Passaram-se mais de trinta anos entre a sua descoberta, fundamental para a genética, e o recebimento do Prêmio Nobel em 1983.



1986 - Rita Levi-Montalcini

A investigação científica que lhe valeu o Nobel da Medicina de 1986, partilhado com o norte-americano Stanley Cohen, que com ela trabalhou na década de 1950 na Universidade Washington em St Louis (Missouri, EUA), foi a descoberta de uma proteína importante para o crescimento, manutenção e sobrevivência dos neurônios – um fator de crescimento. Na verdade, foi o primeiro de muitos outros factores de crescimento a ser descrito, e recebeu o nome de NGF (nerve growth factor).

Essa proteína evita ou pelo menos reduz a degeneração celular, e problemas na sua produção podem estar relacionados com várias doenças em que são afetadas as células nervosas, como Alzheimer, esclerose múltipla, demências e esquizofrenia. O fator de crescimento NGF pode também desempenhar papéis importantes nas doenças cardiovasculares.


1988 - Gertrude B. Elion

Em vez de utilizar o consagrado método científico da tentativa e erro, Elion e seus colaboradores usaram as diferenças bioquímicas entre as células humanas normais e as patogênicas (agentes causadores de doença) para desenvolver drogas que podem bloquear as infecções virais. As drogas desenvolvidas a partir desse método, por essa equipe, resultaram nas patentes de drogas utilizadas amplamente no dia-a-dia médico. Entre elas:


1995 - Christiane Nüsslein-Volhard

Por demonstrarem que todas as faculdades das células são formadas em última instância por seu fator hereditário, descoberta importante para compreender o desenvolvimento dos embriões. Identificou os principais genes responsáveis ​​pelo desenvolvimento embrionário da Drosophila e acumulou um catálogo detalhado de mutações que causam defeitos fisiológicos. Estes insights que ajudam os cientistas a compreender melhor o desenvolvimento humano.


2004 - Linda B. Buck

Em seu paper publicado em 1991, Buck e Axel clonaram receptores olfativos, mostrando que eles pertencem à família de receptores acoplados à proteína G. Ao analisar o DNA de ratos, eles estimaram que havia cerca de mil genes diferentes para receptores olfativos no genoma dos mamíferos. Esta pesquisa abriu a porta para a análise genética e molecular dos mecanismos de olfato.

Em seu trabalho, mais tarde, Buck e Axel mostraram que cada neurônio receptor olfativo notavelmente só expressa um tipo de proteína de receptor olfativo, e que a entrada de todos os neurônios que expressam o mesmo receptor é recolhida por um único glomérulo dedicado do bulbo olfatório.


2008 - Françoise Barré-Sinoussi

A pesquisa de Barré-Sinoussi rapidamente virou-se para um determinado grupo de vírus, os retrovírus. Seu conhecimento neste campo levou-a a descobrir o HIV, em 1983. Esta descoberta revela uma necessidade urgente de testes de diagnóstico para auxiliar no controle da disseminação da doença. Barré-Sinoussi começou seu próprio laboratório no Instituto Pasteur, em 1988.

Entre as muitas contribuições de pesquisas recentes de Barr-Sinoussi estão estudos de vários aspectos da resposta imune adaptativa à infecção viral, o papel das defesas imunitárias inatas do hospedeiro no controle de HIV / AIDS , os fatores envolvidos na transmissão mãe-filho do HIV e características que permitem que uma pequena porcentagem de indivíduos HIV-positivos, conhecido como supressores de elite ou controladores, para limitar a replicação do HIV sem medicamento anti-retroviral. Ela foi co-autora de mais de 240 publicações científicas, participou de mais de 250 conferências internacionais, e tem treinado muitos jovens investigadores .

Barré-Sinoussi contribuiu ativamente para várias sociedades científicas e comitês do Instituto Pasteur, bem como a outras organizações de Aids, como a Agência Nacional para a Pesquisa da Aids na França.



2009 - Elizabeth H. Blackburn and Carol W. Greider

Pela descoberta de como os cromossomos são protegidos por telômeros e a enzima telomerase. O prêmio não deveria ter vindo como uma surpresa para qualquer pessoa familiarizada com as modernas ciências biológicas, já que seu trabalho foi realmente inovador. Não era uma questão de "se" que iria ganhar, mas "quando".

Os telômeros são trechos de DNA repetitivo que protegem as extremidades dos cromossomos durante a divisão celular - Blackburn comparou-os até as pontas nas extremidades do cromossomo que os impedem de se desfazer. Como as células se dividem e as sequências dos telômeros ficam mais curtos e mais curtos, o que limita as células a um número fixo de divisões. Telômero de curto-circuito é pensado para ser responsável para o envelhecimento em um nível celular. As células cancerosas, que se dividem indefinidamente, carregam mutações que permitem a manutenção do comprimento dos telômeros.


2014 - May Britt-Moser

Ganhou o Prêmio Nobel por suas contribuições na neurociência, principalmente ao dedicar décadas entendendo o funcionamento cerebral em nível celular tanto para a percepção do posicionamento do corpo quanto para as funções cognitivas. Criada em uma ilha remota na Noruega, May Britt-Moser teve sua mãe como inspiração para se aprofundar nos estudos e usar sua inteligência como diferencial.

"I was not always the best student with the highest grades, but my teachers saw something in me and tried to encourage me." May Britt-Moser


2015 - Tu Youyou

Tu Youyou recorreu aos textos médicos chineses das Dinastias Zhou, Qing e Han para encontrar uma cura tradicional para a malária, extraindo um composto - artemisinina - que salvou milhões de vidas. Assim que isolou o ingrediente que acreditava que funcionaria, ela se ofereceu cobaia. Foi a primeira cientista chinesa continental a receber o Prêmio Nobel em uma categoria científica, e o fez sem um doutorado, um diploma de medicina ou treinamento no exterior.


 

Essas foram as mulheres que ganharam o Nobel de Medicina e Fisiologia. Passados 65 anos do primeiro laureio feminino do Nobel Prize, elas vem conquistando um espaço cada vez maior e definitivo na ciência e no desenvolvimento das ciências.

Mais uma vez a Academia Médica deseja a todas um excelente dia das mulheres. Dia este que comemora principalmente a independência conquistada e merecida por cada uma de vocês, guerreiras.

Academia Médica
Fernando Carbonieri
Fernando Carbonieri Seguir

Inovação é sua forma de exercer a medicina. Em 2012 criou a Academia Médica, comunidade dedicada a "FALAR O QUE A FACULDADE ESQUECEU CONTAR". Membro Comissão do Médico Jovem do CFM, especialista em Bioética

Ler matéria completa
Indicados para você