[ editar artigo]

COVID-19: Eficácia da vacina diminui mais rapidamente para pacientes com câncer, segundo estudo

COVID-19: Eficácia da vacina diminui mais rapidamente para pacientes com câncer, segundo estudo

 

A eficácia da vacina é muito menor em pessoas com leucemia ou linfoma, em pacientes com diagnóstico recente de câncer e naqueles que fizeram radioterapia ou tratamentos sistêmicos anticâncer no ano passado, de acordo com uma pesquisa de caso-controle negativo para teste de base populacional publicada na Lancet Oncology em 23 de maio de 2022.

O estudo, liderado em conjunto por pesquisadores das universidades de Birmingham, Oxford e Southampton e pela Agência de Segurança da Saúde do Reino Unido, incluiu 377.194 pacientes com câncer ativo ou recente que receberam duas doses de uma vacina contra a COVID-19, das quais 43.882 tiveram infecção pelo Sars-CoV-2. Estes indivíduos foram comparados com uma população de controle, constituída de 28.010.955 pessoas, das quais 5.748.708 foram infectadas.

A eficácia geral da vacina após a segunda dose da vacina foi de 69,8% na população de controle e ligeiramente inferior na população com câncer em 65,5%. No entanto, os pesquisadores observaram que em 3-6 meses após a segunda dose da vacina a eficácia foi reduzida para 47% nos pacientes com câncer, em comparação com 61,4% na população de controle.

Verificou-se que a vacinação oferece maior proteção contra internações hospitalares associadas à COVID-19 (83,3%) e morte (93,4%) do que contra infecções na coorte de câncer, mas essa proteção também diminuiu 3-6 meses após a segunda dose.

A eficácia da vacina, tanto global como entre 3 e6 meses, foi menor entre os doentes com malignidades hematológicas do que entre os doentes com malignidades de órgãos sólidos. Aos 3-6 meses, a eficácia da vacina foi de 12,8% para pacientes com linfoma e 18,5% para leucemia. Em contraste, a eficácia da vacina no subgrupo de mieloma foi alta – 63,9% em 3-6 meses. Entre os cânceres sólidos, a eficácia da vacina foi menor em pacientes com malignidades de cabeça e pescoço.

O estudo não abordou os mecanismos para a queda na eficácia da vacina, mas os autores disseram que pacientes portadores de câncer, especialmente aqueles com linfoma e leucemia, podem ter uma capacidade limitada de manter a memória imunológica da vacina como consequência de tratamentos contra o câncer que suprimem as respostas imunológicas.

De acordo com os autores do estudo, os resultados demonstram que, para algumas pessoas com câncer, a vacinação contra a COVID-19 pode oferecer proteção menos eficaz e duradoura. Isso destaca a importância de programas de reforço de vacinação e acesso rápido a tratamentos contra a COVID-19 para pessoas em tratamento oncológico, além de estratégias não farmacológicas para reduzir o risco que a doença representa para pacientes com câncer.

 

Artigos relacionados:

Referências:

Lee, L.; Starkey, T.; Ionescu, M.; et al. Vaccine effectiveness against COVID-19 breakthrough infections in patients with cancer (UKCCEP): a population-based test-negative case-control study. Lancet Oncol. 2022 May 18:S1470-2045(22)00202-9. doi: 10.1016/S1470-2045(22)00202-9. Disponível em https://www.thelancet.com/journals/lanonc/article/PIIS1470-2045(22)00202-9/fulltext

Academia Médica
O que a faculdade esquece de falar!
O que a faculdade esquece de falar! Seguir

Página da redação da Academia Médica para divulgar atualizações pertinentes aos médicos, acadêmicos de medicina e profissionais de saúde.

Ler conteúdo completo
Indicados para você