[ editar artigo]

Mudanças na alimentação podem aumentar a expectativa de vida em até 13 anos - e quanto antes, melhor!

Mudanças na alimentação podem aumentar a expectativa de vida em até 13 anos - e quanto antes, melhor!

 

Mudar o que você come pode adicionar até 13 anos à sua vida, de acordo com um estudo recém-publicado, especialmente se você começar quando é jovem. A pesquisa, publicada em 08 de fevereiro de 2022 no jornal PLOS Medicine, criou um modelo do que poderia acontecer com a longevidade de um homem ou mulher se eles substituíssem uma “dieta típica ocidental” focada em carne vermelha e alimentos processados ​​por uma “dieta otimizada” baseada na ingestão reduzida de carne vermelha e processada e mais frutas e vegetais, legumes, grãos integrais e nozes e outras sementes.

A alimentação é fundamental para a saúde e estima-se que os fatores de risco dietéticos globalmente causem 11 milhões de mortes e 255 milhões de anos de vida ajustados por incapacidade anualmente.

Para modelar o impacto futuro da mudança de dieta de uma pessoa, os pesquisadores da Noruega usaram meta-análises e dados existentes do estudo Global Burden of Disease , um banco de dados que rastreia 286 causas de morte, 369 doenças e lesões e 87 fatores de risco em 204 países e territórios ao redor do mundo. Eles implementaram uma ferramenta disponível gratuitamente online – a calculadora Food4HealthyLife

As estimativas apresentadas, com intervalos de incerteza de 95%, para uma dieta otimizada e uma dieta com abordagem de viabilidade. Uma dieta ideal contém uma ingestão substancialmente maior do que uma dieta típica de grãos integrais, legumes, peixes, frutas, vegetais e incluiu um punhado de nozes, reduzindo carnes vermelhas e processadas, bebidas açucaradas e grãos refinados. Uma dieta de abordagem de viabilidade seria o ponto médio entre a dieta ideal e uma dieta ocidental típica. 

Os pesquisadores observaram que a mudança sustentada de uma dieta típica ocidental para a dieta ideal a partir dos 20 anos aumentaria a expectativa de vida em mais de uma década para mulheres dos Estados Unidos (10,7 anos) e homens (13,0 anos). Os maiores ganhos seriam obtidos com o maior consumo de leguminosas, grãos integrais e oleaginosas e menos carne vermelha e carne processada. A mudança de uma dieta típica para uma dieta otimizada aos 60 anos aumentaria a expectativa de vida em 8,0 anos para mulheres e 8,8 anos para homens, e os de 80 anos ganhariam 3,4 anos (mulheres: 2,6 a 3,8/ homens: 2,7 a 3,9).

Já a mudança de uma dieta ocidental típica para uma dieta de abordagem de viabilidade aumentaria a expectativa de vida de mulheres de 20 anos em 6,2 anos e 7,3 anos para homens.

Os resultados indicam que, para indivíduos com uma dieta típica ocidental, mudanças alimentares sustentadas em qualquer idade podem trazer benefícios substanciais à saúde, embora os ganhos sejam maiores se as mudanças começarem cedo na vida. A calculadora Food4HealthyLife, afirmam os pesquisadores, pode ser útil para médicos, formuladores de políticas e leigos entenderem o impacto na saúde das escolhas alimentares.

 

Artigos relacionados

 

Referências

Lars T. Fadnes, Jan-Magnus Økland, Øystein A. Haaland, Kjell Arne Johansson. Estimating impact of food choices on life expectancy: A modeling study. PLOS Medicine. Published: February 8, 2022. https://doi.org/10.1371/journal.pmed.1003889

 

 

Academia Médica
O que a faculdade esquece de falar!
O que a faculdade esquece de falar! Seguir

Página da redação da Academia Médica para divulgar atualizações pertinentes aos médicos, acadêmicos de medicina e profissionais de saúde.

Ler conteúdo completo
Indicados para você