[ editar artigo]

Consumo de azeite e risco de mortalidade total e por causa específica em adultos

Consumo de azeite e risco de mortalidade total e por causa específica em adultos

 

O consumo de mais de 7 gramas (> 1/2 colher de sopa) de azeite por dia pode estar associado a menor risco de mortalidade por doenças cardiovasculares, mortalidade por câncer, mortalidade por doenças neurodegenerativas e mortalidade por doenças respiratórias, de acordo com um estudo publicado em 10 de janeiro no Journal of American College of Cardiology (JACC). Os pesquisadores descobriram que a substituição de cerca de 10 gramas por dia de margarina, manteiga, maionese e gordura láctea pela quantidade equivalente de azeite também está associada a um menor risco de mortalidade.

Marta Guasch-Ferré e colaboradores analisaram 60.582 mulheres e 31.801 homens do Nurses' Health Study e do Health Professionals Follow-up Study que estavam livres de doenças cardiovasculares e câncer na linha de base do estudo em 1990. Durante 28 anos de acompanhamento, a dieta foi avaliada por um questionário a cada quatro anos.

O consumo de azeite foi calculado a partir da soma de três itens do questionário: azeite usado para molhos de salada, azeite adicionado à comida ou pão e azeite usado para assar e fritar em casa. Uma colher de sopa equivalia a 13,5 gramas de azeite. O consumo de azeite foi categorizado da seguinte forma: Nunca ou <1 vez por mês; >0 a ≤4,5 gramas/dia (>0 a ≤1 colher de chá); >4,5 a ≤7 gramas/dia (>1 colher de chá a ≤1/2 colher de sopa); e >7 gramas/dia (>1/2 colher de sopa).

O consumo de outros óleos vegetais foi calculado com base na marca de óleo relatada pelos participantes e no tipo de gordura utilizada para cozinhar em casa. O consumo de margarina e manteiga foi baseado na frequência relatada de consumo de palito, pote ou margarina mole, e a quantidade de margarina ou manteiga adicionada ao assar e fritar em casa. A ingestão de laticínios e outras gorduras e nutrientes também foi calculada.

Os pesquisadores descobriram que o consumo de azeite aumentou de 1,6 gramas/dia em 1990 para cerca de 4 gramas/dia em 2010, enquanto o consumo de margarina diminuiu de cerca de 12 gramas/dia em 1990 para cerca de 4 gramas/dia em 2010. A ingestão de outras gorduras permaneceu estável.

Ao longo de 28 anos, ocorreram 36.856 mortes, sendo 22.768 no Nurses' Health Study e 14.076 no Health Professionals Follow-up Study. Os participantes com maior consumo de azeite eram frequentemente mais ativos fisicamente, tinham ascendência do sul da Europa ou do Mediterrâneo, eram menos propensos a fumar e tinham maior consumo de frutas e vegetais em comparação com aqueles com menor consumo de azeite. O consumo médio de azeite total na categoria mais alta foi de cerca de 9 gramas/dia na linha de base e incluiu 5% dos participantes do estudo.

Quando os pesquisadores compararam aqueles que raramente ou nunca consumiram azeite, aqueles na categoria de maior consumo tiveram 19% menor risco de mortalidade cardiovascular, 17% menor risco de mortalidade por câncer, 29% menor risco de mortalidade neurodegenerativa e 18% menor risco de mortalidade respiratória . O estudo também descobriu que a substituição de 10 gramas/dia de outras gorduras, como margarina, manteiga, maionese e gordura láctea, por azeite de oliva foi associada a um risco 8-34% menor de mortalidade total e por causa específica. Eles não encontraram associações significativas ao substituir o azeite por outros óleos vegetais.

As descobertas apoiam as recomendações dietéticas atuais para aumentar a ingestão de azeite e outros óleos vegetais insaturados, de acordo com os autores. Os médicos devem aconselhar os pacientes a substituir certas gorduras, como margarina e manteiga, por azeite para melhorar sua saúde. Os autores reiteram que possível que o maior consumo de azeite seja um marcador de uma dieta geral mais saudável e um status socioeconômico mais alto. No entanto, mesmo após o ajuste para esses e outros fatores de status socioeconômico, os resultados permaneceram praticamente os mesmos.

 

 

Referências:

Marta Guasch-Ferré, Yanping Li, Walter C. Willett, Qi Sun, Laura Sampson, Jordi Salas-Salvadó, Miguel A. Martínez-González, Meir J. Stampfer, Frank B. Hu,
Consumption of Olive Oil and Risk of Total and Cause-Specific Mortality Among U.S. Adults, Journal of the American College of Cardiology, Volume 79, Issue 2,
2022, Pages 101-112, ISSN 0735-1097,
https://doi.org/10.1016/j.jacc.2021.10.041.

Artigos relacionados:

 

Academia Médica
O que a faculdade esquece de falar!
O que a faculdade esquece de falar! Seguir

Página da redação da Academia Médica para divulgar atualizações pertinentes aos médicos, acadêmicos de medicina e profissionais de saúde.

Ler conteúdo completo
Indicados para você