[ editar artigo]

Evidências de dietas baixas em carboidratos para adultos com Diabetes tipo 2

Evidências de dietas baixas em carboidratos para adultos com Diabetes tipo 2

No dia 01 de novembro de 2021 foi publicado no British Journal of Nutrition um artigo contendo os resultados obtidos de um grupo de trabalho coordenado pelo Scientific Advisory Committee on Nutrition (SACN) que buscou avaliar os impactos da adoção de uma dieta mais baixa em carboidratos (Low Carb diets) em pessoas portadoras de Diabetes mellitus tipo 2. O grupo contou também com a participação de membros do Diabetes UK, British Dietetic Association, Royal College of Physicians e Royal College of General Practitioners, além de representantes do NHS England, NHS Health Improvement e do National Institute for Health and Care Excellence.

Os termos de referência para o grupo de trabalho consistiam em revisar as evidências sobre dietas com baixo teor de carboidratos (junto com mais gordura e/ou proteína) em comparação com o conselho governamental atual para adultos com diabetes tipo 2 e considerar o impacto, em adultos com DM2, de dietas mais baixas em comparação com dietas com mais carboidratos nos marcadores e desfechos clínicos de DM2, incluindo quaisquer efeitos adversos em potencial e faça recomendações com base na revisão das evidências. 

Os pesquisadores conduziram uma busca nos principais bancos de dados on-line: MEDLINE, Embase, a Cochrane Library (CDSR e DARE), Instituto Nacional de Provas de Excelência em Saúde e Cuidados, TRIP e Google Scholar para identificar artigos relevantes em inglês publicados entre 1980 e 30 de setembro de 2018, usando uma lista acordada de termos de pesquisa com foco em dietas com baixo teor de carboidratos e T2D. Houve um interesse particular nos seguintes desfechos primários: alteração de peso (≥12 meses), Hb glicada (HbA1c), um marcador de controle glicêmico prejudicado (≥3 meses) e desfechos secundários: peso corporal (≥3 a <12 meses ), glicose plasmática em jejum (≥3 meses), perfis de lipídios no sangue (≥3 meses) e uso de medicamentos. No total, nove publicações atenderam aos critérios e foram incluídas para extração de dados, incluindo oito revisões sistemáticas e uma meta-análise.

  • Peso corporal

A evidência para dietas mais baixas em comparação com dietas com mais carboidratos no peso corporal foi inconsistente no curto prazo (≥3 a 6 meses); houve uma maior redução no peso corporal com dietas mais baixas em comparação com dietas com mais carboidratos aos 3 meses, mas essa diferença não foi observada entre 3 e 6 meses ou aos 6 meses. Houve evidência adequada para não haver diferença no efeito entre dietas com baixo e alto teor de carboidratos na redução do peso corporal em longo prazo (≥12 meses).

  • HbA1c

Houve evidência adequada de uma maior redução na HbA1c com dietas mais baixas em comparação com dietas com mais carboidratos no curto prazo (≥3 a 6 meses). A evidência foi inconsistente em estudos de longo prazo com uma duração de 12 a 24 meses. Houve evidência adequada para não haver diferença entre dietas com baixo e alto teor de carboidratos na mudança de HbA1c em estudos de longo prazo em 24 meses.

  • Glicose plasmática em jejum

Houve evidência moderada de uma maior redução na glicose plasmática em jejum com dietas mais baixas em comparação com as dietas mais altas de carboidratos no curto prazo (≥3 a 6 meses). Não houve evidência suficiente para avaliar se havia uma diferença entre dietas com baixo e alto teor de carboidratos na glicose plasmática de jejum em longo prazo (≥12 meses).

  • Colesterol total sérico

Houve evidência moderada de não haver diferença no efeito entre dietas com baixo e alto teor de carboidratos na redução do colesterol total sérico em curto prazo (≥3 a 6 meses). Houve evidência adequada para não haver diferença no efeito entre dietas com baixo e alto teor de carboidratos na redução do colesterol total sérico em longo prazo (≥12 meses).

  • Triglicerídeos séricos

Houve evidência adequada de uma maior redução no TAG sérico com dietas mais baixas em comparação com dietas com mais carboidratos no curto prazo (≥3 a 6 meses). A evidência foi inconsistente a longo prazo (≥12 meses).

  • LDL-colesterol sérico

Houve evidência adequada para não haver diferença no efeito entre dietas com baixo e alto teor de carboidratos na alteração do colesterol LDL sérico em curto prazo (≥3 a 6 meses) e em longo prazo (≥12 meses).

  • HDL-colesterol sérico

A evidência sobre dietas mais baixas em comparação com dietas com mais carboidratos no colesterol HDL sérico foi inconsistente a curto prazo (≥3 a 6 meses) e a longo prazo (≥12 meses).

  • Mudanças no uso de medicamentos

Houve evidência moderada de uma maior redução no uso de medicamentos com dietas mais baixas do que com mais carboidratos. Este resultado não foi avaliado de acordo com a duração do estudo. Não foi possível avaliar a consistência no tamanho do efeito.

 

No geral, as evidências sugerem efeitos benéficos de dietas com menos carboidratos para alguns desfechos (HbA1c, glicose plasmática em jejum, TAG sérico) em curto prazo (até 6 meses). Uma vez que as avaliações de curto prazo não relataram resultados entre 6 e 12 meses, é incerto se os benefícios sugeridos são mantidos por mais de 6 meses.

Embora não tenha havido evidência consistente de reduções no peso corporal com dietas com menos carboidratos, não é possível, a partir das evidências consideradas, separar os efeitos da mudança de peso dos efeitos da mudança na ingestão de carboidratos.

Dietas com menos carboidratos podem permitir reduções na medicação para diabetes, mas a interpretação é complicada por inconsistências no relato e medição das mudanças no uso de medicação.

Não foram observadas diferenças entre dietas de carboidratos maiores e menores no colesterol total ou LDL sérico, tanto no curto (≥3 a 6 meses) quanto no longo prazo (≥12 meses). A evidência sobre o colesterol HDL foi inconsistente no curto (≥3 a 6 meses) e no longo prazo (≥12 meses).

Em geral, não houve diferença nos eventos adversos entre dietas com baixo e alto teor de carboidratos, mas a duração do estudo não se estendeu além de 12 meses na maioria dos RCT primários.

Recomendações

O relatório afirma que as recomendações são aplicáveis ​​a adultos que vivem com T2D e com sobrepeso ou obesidade. Não havia evidências suficientes para fazer recomendações para adultos que vivem com DM2 sem sobrepeso ou obesidade. O relatório não avaliou evidências sobre o efeito de dietas com baixo teor de carboidratos na população em geral sem T2D.

O relatório faz as seguintes recomendações:

  • Para adultos que vivem com T2D e sobrepeso ou obesidade, uma dieta baixa em carboidratos pode ser recomendada pelos médicos como uma opção eficaz de curto prazo (até 6 meses) para melhorar o controle glicêmico e as concentrações séricas de TAG.

  • Indivíduos que vivem com T2D e sobrepeso ou obesidade que escolhem uma dieta baixa em carboidratos devem incluir alimentos integrais ou ricos em fibras, uma variedade de frutas e vegetais e limitar a ingestão de gorduras saturadas, refletindo as recomendações dietéticas atuais para a população em geral.

  • Uma vez que a maioria dos indivíduos que vivem com DM2 tem sobrepeso ou obesidade, o controle do peso continua sendo o objetivo principal para melhorar o controle glicêmico e reduzir o risco de DCV. Os profissionais de saúde devem apoiar qualquer abordagem alimentar baseada em evidências que ajude os indivíduos com DM2 a obter redução de peso em longo prazo.

  • Adultos que vivem com DT2 e com sobrepeso ou obesidade, que mudam para uma dieta com menos carboidratos e estão tomando medicamentos para diabetes podem estar em risco de hipoglicemia. Recomenda-se que recebam aconselhamento e apoio de sua equipe de saúde para gerenciar esse risco e fazer ajustes em sua medicação conforme necessário.

 

Referências:

Singh, M., Hung, E., Cullum, A., Allen, R., Aggett, P., Dyson, P., . . . Young, I. (2021). Lower carbohydrate diets for adults with type 2 diabetes. British Journal of Nutrition, 1-6. doi:10.1017/S0007114521002373

 

Artigos relacionados:

Academia Médica
O que a faculdade esquece de falar!
O que a faculdade esquece de falar! Seguir

Página da redação da Academia Médica para divulgar atualizações pertinentes aos médicos, acadêmicos de medicina e profissionais de saúde.

Ler conteúdo completo
Indicados para você