[ editar artigo]

Terapia cognitiva baseada em mindfulness reduz o auto-viés negativo disposicional na depressão recorrente

Terapia cognitiva baseada em mindfulness reduz o auto-viés negativo disposicional na depressão recorrente

Em estudo publicado pela Springer Nature, cientistas analisaram a resposta de 25 participantes que estão em remissão da depressão às sessões de terapia cognitiva baseada em mindfulness em comparação com 25 pacientes remitidos que não passaram pela terapia. Como resultado, os pesquisadores encontraram que o uso de mindfulness parece reduzir efetivamente o auto-viés negativo e facilita os benefícios psicofisiológicos associados a uma autopercepçãovisão mais positiva.

No mundo, cerca de 350 milhões de pessoas sofrem de transtorno depressivo maior (TDM), que é, segundo a ONU uma das principais causas de incapacidade. Além disso, as taxas de recaída do transtorno são de 50 a 90%, fazendo com que os pacientes sejam altamente vulneráveis ​​mesmo após a redução dos sintomas. O auto-viés negativo é um dos fatores de vulnerabilidade mais difundidos e prejudiciais da recaída depressiva, esse fator é visto como a autocrítica habitual e altamente internalizada que se manifesta como pensamentos autodepreciativos e sentimentos de inutilidade.

Embora os tratamentos farmacológicos e psicológicos possam reduzir o auto-viés negativo,  ele persiste em um nível automático e habitual mesmo após a redução dos sintomas e pode, portanto, ser facilmente reativado.

A terapia baseada em mindfulness consiste em um programa psicossocial de 8 semanas que ensina meditação para cultivar atitudes de aceitação e não auto-julgamento, para reconhecer e descentralizar padrões de pensamento depressivos e autodepreciativos. A terapia já é amplamente estabelecida no Reino Unido e constitui uma alternativa acessível na prevenção de recaídas depressivas.

Pesquisas em neurociência com amostras saudáveis de meditadores experientes demonstraram que a prática regular da consciência da atenção plena, sem julgamento, leva a mudanças plásticas funcionais e estruturais nos circuitos cerebrais (ou seja, ínsula, córtex pré-frontal medial) envolvidos no processamento autorreferencial. Esses circuitos também são alterados na depressão e estão implicados em auto-viés negativo.

A terapia baseada em mindfulness aumenta a autocompaixão disposicional, aquela que é compassiva  em relação a si mesmo. Segundo pesquisadores, a autocompaixão envolve ser gentil consigo mesmo e enfrentar a adversidade com autoconfiança e calma. Ter compaixão também significa não julgar a si mesmo e reconhecer a própria experiência como parte de uma experiência humana compartilhada.

 Nessa pesquisa, pessoas saudáveis ​​relataram aumento estado de autocompaixão que foi acompanhado por aumento da variabilidade da frequência cardíaca (um índice assumido como uma medida de estimulação parassimpática e regulação emocional adaptativa) e diminuição da excitação fisiológica (indicada por uma diminuição da frequência cardíaca e níveis de condutância da pele).

Em contraste, uma condição de controle de ruminação autocrítica foi acompanhada pelo padrão de resposta fisiológica oposta. Da mesma forma, pesquisadores demonstraram que a prática da compaixão estava associada ao aumento da variabilidade da frequência cardíaca e à diminuição do cortisol. 

O cultivo de autocompaixão relacionado ao mindfulness também facilitou a recuperação efetiva do humor negativo induzido experimentalmente em indivíduos com depressão recorrente. Além disso, os níveis de autocompaixão disposicional estão associados a uma regulação emocional mais adaptativa e a um reparo mais eficaz do humor negativo em indivíduos com depressão atual e remitida. Portanto, cultivar a autocompaixão pode ser um mecanismo-chave de mudança por meio do qual o mindfulness está abordando o auto-preconceito negativo.

Para investigar, os cientistas da publicação da Spring Nature primeiro investigaram se antes da terapia os pacientes remitidos com TDM recorrente demonstraram uma redução significativa na autocrítica do estado autorrelatado e aumento na autocompaixão do estado ao ouvir a indução, para testar a suposição de que a ausência de sintomas clínicos atuais é acompanhada pela ausência de auto-viés negativo explícito.

Posteriormente, os pesquisadores  examinaram se os achados de autorrelato foram acompanhados por uma redução na excitação fisiológica e aumento na ativação parassimpática ao ouvir a indução da autocompaixão como um marcador fisiológico dos benefícios de um eu mais positivo. Em terceiro, os estudiosos investigaram se o autorrelato e as respostas fisiológicas à breve indução de autocompaixão melhoraram do pré para o pós-terapia baseada em mindfulness, investigando assim se a terapia  reduz ainda mais o auto-viés negativo e aumenta o eu positivo. E por último, analisaram se as reduções relacionadas à terapia na excitação fisiológica e aumento na variabilidade da frequência cardíaca estão associadas a mudanças na autodisposição e sintomas depressivos.

Como resultado, os cientistas encontraram evidências de que depois da terapia houve aumento de pensamentos auto-positivos e redução dos negativos quanto comparados antes da terapêutica. Além disso, os resultados mostraram redução da autocrítica e excitação fisiológica e aumento da autocompaixão e aumento da variabilidade da frequência cardíaca para uma meditação de autocompaixão após o mindfulness, indicando que esta intervenção tem o potencial de reduzir o auto-viés negativo e facilitar os benefícios psicofisiológicos associado a um pensar mais positivo.

Artigos relacionados 

Meditação como prática pessoal e médica

Estresse e Mindfulness na doença de Parkinson quais os efeitos clínicos?

Pode vir quente que eu estou "mindful", ou Medita que te "fa bene" – meditação e mindfulness para todas as tribos e línguas da saúde

Referência

  1. KIRSCHNER, Hans; KUYKEN, Willem; KARL, Anke. A Biobehavioural Approach to Understand How Mindfulness-Based Cognitive Therapy Reduces Dispositional Negative Self-Bias in Recurrent Depression. Mindfulness, p. 1-14, 2022. Disponível em: https://doi.org/10.1007/s12671-022-01845-3. Acesso em: 06 de maio de 2022.

 

 

Psiquiatria

Academia Médica
O que a faculdade esquece de falar!
O que a faculdade esquece de falar! Seguir

Página da redação da Academia Médica para divulgar atualizações pertinentes aos médicos, acadêmicos de medicina e profissionais de saúde.

Ler conteúdo completo
Indicados para você