[ editar artigo]

Como a pandemia de COVID-19 nos envelheceu mais rapidamente

Como a pandemia de COVID-19 nos envelheceu mais rapidamente

 

Em 19 de janeiro de 2022, a revista Nature publicou um artigo que evidencia os indícios de envelhecimento precoce e mais rápido da população mundial após 2 anos de pandemia. Isso não é tão estranho quanto parece. O envelhecimento acelerado pode resultar de diversos fatores, alguns dos quais foram destacados pela pandemia de COVID-19. A exposição a doenças infecciosas, estresse crônico e solidão podem afetar o processo de envelhecimento, agravando as condições de saúde e encurtando a vida.

A autora do artigo, Emily Sohn, relata que, à medida que os cientistas se tornam mais hábeis em mensurar o envelhecimento no corpo, fica claro que algumas pessoas são notavelmente resilientes a estressores – uma observação que impulsionou pesquisas sobre como a experiência de vida pode retardar o processo de envelhecimento.

As variações genéticas influenciam a rapidez com que as pessoas envelhecem, mas comportamentos e eventos da vida também podem influenciar a idade epigenética – incluindo a exposição a infecções. Estudos sugerem que a infecção pelo HIV, por exemplo, acelera o envelhecimento e a morte das células imunes. Desta forma, cientistas acreditam que a infecção pelo vírus SARS-CoV-2, que causa a COVID-19, também pode resultar em inflamação crônica e envelhecimento biológico acelerado.

Ficou claro no início da pandemia que os idosos, especialmente aqueles com condições médicas subjacentes, são particularmente propensos a experimentar respostas inflamatórias descontroladas chamadas tempestades de citocinas, bem como sintomas graves e morte, como resultado da COVID-19. Isso pode ser em parte porque, à medida que as pessoas envelhecem, elas são mais propensas a ter altos níveis de marcadores inflamatórios no sangue. Uma hipótese, conhecida como inflamatória, sustenta que essa inflamação contribui para riscos elevados não apenas para o agravamento da COVID-19, mas também para doenças cardiovasculares, doenças renais, demência, câncer e outros problemas que se tornam mais comuns com a idade.

Na COVID-19, a inflamação parece surgir por várias vias, incluindo a senescência celular, que leva a uma cascata de respostas imunes que incluem a secreção de citocinas e outras moléculas inflamatórias. A senescência celular também tem sido relevante nas pesquisas em câncer, osteoartrite e outras doenças relacionadas ao envelhecimento.

Esses processos podem afetar pessoas de todas as idades. Quando as reações inflamatórias ao vírus da COVID-19 são altas, o sistema imunológico pode se tornar menos resiliente a longo prazo, potencialmente deixando algumas pessoas menos capazes de resistir aos efeitos do envelhecimento.

Por outro lado, mesmo para pessoas que nunca foram infectadas pelo SARS-CoV-2, a pandemia de COVID-19 tem sido também estressante – principalmente para aqueles que já se encontravam sob estresse. Perdas de emprego, preocupações com a saúde e as doenças e mortes de entes queridos adicionaram uma ansiedade considerável à própria doença. Quando experimentado por um longo período de tempo - o estresse crônico - tem sido associado a doenças cardíacas, diabetes e disseminação de câncer, bem como a outras doenças crônicas não transmissíveis.

A autora ressalta que ainda não está claro como o estresse pode acelerar o envelhecimento, mas algumas pesquisas associaram o estresse crônico ao encurtamento do comprimento dos telômeros. Isso parece provável porque níveis elevados do hormônio do estresse cortisol promovem vias prejudiciais aos telômeros, especialmente ao longo de anos ou décadas, e telômeros encurtados dificultam a capacidade do corpo de reparar danos. No contexto da pandemia de COVID-19, o estresse crônico implacável pode acelerar ainda mais o processo de envelhecimento.

Em meados de abril de 2020, 89 países haviam instituído bloqueios, afetando mais de um terço da população mundial. As pessoas mais velhas, por serem mais propensas a apresentar sintomas graves do COVID-19, eram alvo particular do isolamento nos períodos de lockdown. As casas de repouso foram fechadas para visitantes e muitos serviços de saúde e programas sociais foram fechados. O isolamento social e a solidão levam a uma chance 50% maior de desenvolver demência, um risco 29% maior de doença cardíaca coronária incidente e um risco 32% maior de acidente vascular cerebral – todas doenças relacionadas ao envelhecimento. O isolamento e a solidão também têm sido associados a taxas mais altas de doenças cardíacas, obesidade, depressão, ansiedade, pressão alta, declínio cognitivo e morte prematura.

O isolamento social é uma estratégia importante para retardar a propagação de doenças infecciosas, mas pode dificultar a recuperação das pessoas da COVID-19 se estiverem infectadas. Vários estudos com ratos descobriram que o isolamento após um acidente vascular cerebral leva a piores resultados, tanto física quanto mentalmente. O estresse de estar sozinho é provavelmente uma das principais causas, de acordo com Sohn.

Eventualmente, pode haver esperança de neutralizar o rápido envelhecimento que muitas pessoas sentem que estão enfrentando neste momento estressante. Em estudos com camundongos, pesquisadores descobriram que a remoção de células senescentes pode prolongar a vida útil em mais de um terço. Por enquanto, os especialistas recomendam uma variedade de estratégias de estilo de vida baseadas em evidências para combater os efeitos do envelhecimento da pandemia.

Apenas 15 minutos de exercício por dia podem aumentar sua expectativa de vida em cinco anos e diminuir a incidência de doenças relacionadas à idade, como Alzheimer, câncer e diabetes em 14%. Meditar pode diminuir os níveis de cortisol, manter um peso saudável pode acalmar a resposta inflamatória e uma dieta rica em frutas e vegetais pode neutralizar os efeitos do estresse oxidativo. Não fumar também é importante, e dormir o suficiente de alta qualidade pode neutralizar o envelhecimento rápido.

 

Artigos relacionados

Referências

1.Emily Sohn. How the COVID-19 pandemic might age us. Nature, 19 de janeiro de 2022. Disponível em https://www.nature.com/articles/d41586-022-00071-0

Academia Médica
O que a faculdade esquece de falar!
O que a faculdade esquece de falar! Seguir

Página da redação da Academia Médica para divulgar atualizações pertinentes aos médicos, acadêmicos de medicina e profissionais de saúde.

Ler conteúdo completo
Indicados para você