[ editar artigo]

Med Wars, o episódio repetido 1 milhão de vezes: a ameaça fantasma dos milhares de médicos formados no Brasil

Med Wars, o episódio repetido 1 milhão de vezes: a ameaça fantasma dos milhares de médicos formados no Brasil

Como todo bom caroneiro no algoritmo das redes sociais, e também porque quero meu biscoito nesse momento, vou falar de uma reportagem publicada recentemente no Estadão e que se você, médico, não viu, abordou a "ameaça de milhares de médicos formados no Brasil”. 

O título é um pouco redundante e não é um clickbait de texto. Ele realmente fala que os “milhares de médicos formados no Brasil com uma qualidade duvidosa vão inundar a saúde pública E suplementar causando um quase apocalipse da saúde” e de brinde a reportagem dá a entender que "os recém-formados/generalistas vão ter que flertar com condutas de especialistas". 

Estranha e paradoxalmente, esse mesmo tipo de veículo de imprensa publicou há alguns anos (e me recuso a dizer o contexto político.. Cof cof.. Mais médicos) que “faltava médico no interior do Brasil”

Gosto de lembrar ao médico que até para ser médico é preciso saber interpretar um texto. Ou seja, para qualquer doença e diagnostico exige CONTEXTO. 

 

O contexto da reportagem é nada gentil e acho que nem é para alertar sobre uma medicina adequada às necessidades dos pacientes. Do meu ponto de vista, tem um claro viés político se observarmos as pauladas constantes que a categoria médica sofre dos meios de imprensa. Foi por esse ponto que desconfiei e vim compartilhar algumas observações.

De fato, existe: 

  1. Várias faculdades “pagou-passou" de medicina no mercado com uma educação questionável;

  2. As faculdades de medicina mais tradicionais (inclusive as públicas, ditas topo de linha) sofrem com uma educação medíocre e insuficiente para as necessidades dos médicos e dos pacientes (se for necessidade política ou de oligarquias estatais e privadas deixo ao pensamento de vocês); 

  3. As residências e pós-graduações não estão dando uma educação médica necessária para os médicos aprenderem. Também pelo que vi como interno e residente em lugares que vigora assédio, burnout e mão de obra barata no lugar de pedagogia, o resultado é um desastre anunciado a longo prazo. 

  4. A forma do trabalho do médico está sofrendo uma transição, de artesãos da saúde para operários (coisa que já discuti aqui no site

  5. Claramente temos uma falta de representatividade da categoria médica seja autarquia, política ou até mesmo individual. Ou seja, ninguém faz nada ou não quer fazer seja por falta de inteligência ou conveniência mesmo. 

  6. O uso da categoria e mão de obra “médica” para interesses das oligarquias de saúde (sejam estatais como o Mais Médicos, que, na minha opinião, foi uma “lavagem de dinheiro para Cuba”  ou para grupos empresariais pagarem menos para os médicos, reduzir custos e lucrar) 

E reportagens assim me dão verdadeiro asco, não pelo fato de constatar de que existem muitos médicos (e que parte deles podem ser médicos ruins). O problema é o jeito que os médicos estão interpretando isso. 

 

E isso não é só coisa de recém formado, aliás já vi muita conduta de médico preceptor de hospital com idade para ser meu pai/avô/mãe/avó/irmãos mais velhos e que da muita vergonha. 

A educação médica atual, ao meu ver, tem sérios problemas e não é só a questão de muitos recém-formados de faculdades conceituadas ou pagou-passou. São também nas residências, atualizações, representatividade e a simples dificuldade de interpretar um texto em seu contexto.

Afinal de contas as sociedades de especialistas, a AMB, CRM, CFM são responsáveis por normas e diretrizes de atualização e a divulgação adequada delas. 

Na época em que ultrapassamos o 2º país com mais faculdades de medicina no mundo, (a Índia que tem uma população na classe do bilhão) o que mais vi nos comentários foi: “por isso temos que fazer residência e virar especialistas”. Aviso, entretanto que eu já adiantei: 

“Se todo mundo virar especialista, sendo por meio de pós, prova de título ou residência, de nada vai adiantar fazer reserva de mercado. Isso é inevitável, e vamos para onde? 4 steps, Portugal ou Alemanha saturando ou sendo vítimas de xenofobia e mão de obra barata (a nível deles)?” 

E agora, com esse tipo de reportagem, até os especialistas demonstram receio, afinal bateu no convênio e na necessidade de o generalista entrar no campo da especialidade sem residência. Os “mais velhos no topo de suas cadeiras longe do PS” sentem medo lógico. Além de concorrer com um médico inadequado vai ter que fazer dancinha de tik tok e ganhar mal no particular a ponto de voltar ao convênio ou ao PS. 

É.. minha previsão infelizmente está se concretizando. 

Vamos acabar nos EUA, com pós-doutorado, fritando hamburger ou trabalhando de “fellow” em uma community college se achando, porque afinal de contas, com o dólar a R$ 6 , a gasolina R$ 6,20 o litro, a inflação disparada e um governo de direita ineficiente com uma esquerda que parece que nos odeia... mas dane-se estarei nos EUA ganhando em dólares americanos, não é? 

PS: antes que me venham dizer que é preconceito de classe, não vejo indigno um subemprego nos EUA; mas acho meio sem sentido uma pessoa gastar quase metade da sua vida estudando para uma função e não exercê-la. Em fim, quem gostou gostou, quem não gostou chore até o 4steps.


 

Conteúdo Relacionado


Quer escrever? Publique seu artigo na Academia Médica. Clique no botão "NOVO POST" no alto da página!


 

Academia Médica
Henri Hajime Sato
Henri Hajime Sato Seguir

Sou médico formado em uma faculdade que não gosto, passei pela pós USP, por Barretos e falhei. Não tenho grandes títulos, mestrados doutorados, livre docência, cargos ou Fellowships. Sou um andarilho que de vez em quando fala algumas coisas.

Ler conteúdo completo
Indicados para você