[ editar artigo]

Alimentos ultraprocessados aumentam em 45% o risco de obesidade em adolescentes

Alimentos ultraprocessados aumentam em  45% o risco de obesidade em adolescentes

 

Pesquisadores do Núcleo de Pesquisas Epidemiológicas em Nutrição e Saúde (Nupens) da Universidade de São Paulo (USP) calcularam o grau de impacto do consumo de alimentos ultraprocessados no risco de obesidade em adolescentes e publicaram os resultados da pesquisa no periódico Journal of the Academy of Nutrition and Dietetics.

No estudo, participaram 3.587 adolescentes entre 12 e 19 anos. Eles responderam o inquérito nacional de saúde e nutrição dos Estados Unidos entre 2011 e 2016. Com essas respostas, foram  classificados em três grupos conforme a quantidade ingerida desses produtos. O padrão alimentar dos participantes foi avaliado por meio do Recordatório Alimentar de 24 horas.

Foram avaliados, também, dados antropométricos dos participantes como peso, altura e circunferência da cintura. Esses índices foram avaliados de acordo com a idade, sexo e  padrão de crescimento segundo o Centro de Controle de Doenças (CDC) dos Estados Unidos.

O risco de obesidade total foi estimado com base no IMC (índice de massa corporal). Por sua vez, a medida da circunferência abdominal foi utilizada para mensurar a obesidade abdominal, e o diâmetro abdominal sagital foi usado na estimativa da obesidade visceral.

Ao analisar os grupos, os pesquisadores concluíram que os  adolescentes que mais consomem alimentos ultraprocessados possuem 45% mais chances de desenvolver sobrepeso e a associação desses hábitos de consumo está associada a  maiores riscos de obesidade total, abdominal e visceral, com 52% e 63%  de probabilidade, respectivamente. Todas essas condições de saúde estão altamente relacionadas ao desenvolvimento de doenças crônicas como hipertensão, doença arterial coronariana, diabetes tipo 2, dislipidemia e aumento do risco de mortalidade.

Alimentos e bebidas ultraprocessados contêm aditivos como corantes, aromatizantes, emulsificantes e espessantes que podem ter teores elevados de açúcar e gordura, que contribuem diretamente para o ganho de peso. Mas, ressaltam os pesquisadores, mesmo alimentos ultraprocessados com baixas calorias, como refrigerantes diet, podem favorecer o desenvolvimento de obesidade de formas que vão além da composição nutricional, como modificando a microbiota intestinal. Além disso, conforme a ingesta deste tipo de alimento aumenta, diminui o consumo de fibras e outros nutrientes importantes.

Os autores concluem que os achados do estudo apoiam a crescente evidência de associações entre alimentos ultraprocessados ​​e aumento da adiposidade e também com fenótipos metabolicamente não saudáveis ​​de obesidade na adolescência. São necessárias ações para reduzir o consumo destes alimentos ​​entre os adolescentes, especialmente por parte de políticas públicas.

Artigos relacionados

Referência

1.Neri D, Martínez-Steele E, Khandpur N, Levy R. Associations Between Ultra-processed Foods Consumption and Indicators of Adiposity in US Adolescents: Cross-Sectional Analysis of the 2011-2016 National Health and Nutrition Examination Survey. J Acad Nutr Diet. 2022 Jan 18:S2212-2672(22)00033-8. doi: 10.1016/j.jand.2022.01.005. Epub ahead of print. PMID: 35051632. Disponível em https://www.sciencedirect.com/science/article/abs/pii/S2212267222000338#!

Academia Médica
O que a faculdade esquece de falar!
O que a faculdade esquece de falar! Seguir

Página da redação da Academia Médica para divulgar atualizações pertinentes aos médicos, acadêmicos de medicina e profissionais de saúde.

Ler conteúdo completo
Indicados para você