[ editar artigo]

Quais as características dos médicos que adotaram a telemedicina mais precocemente na pandemia?

Quais as características dos médicos que adotaram a telemedicina mais precocemente na pandemia?

A transição para a telessaúde durante a pandemia de COVID-19 foi fundamental para continuar a prestar cuidados de saúde aos pacientes. Essa mudança também possibilitou grandes transformações no acesso aos cuidados, com maior segurança e comodidade para os pacientes, minimizando as exposições potenciais, eliminando a necessidade de viagens e reduzindo a necessidade de afastamento do trabalho para completar uma visita. Da mesma forma, os médicos têm feito grandes mudanças em suas abordagens na prestação de cuidados para que isso aconteça. No entanto, alguns médicos podem ter sido mais ágeis do que outros ao fazer a transição, influenciando potencialmente a experiência dos pacientes de acesso e disponibilidade de médicos.

Neste sentido, pesquisadores estadounidenses buscaram  identificar características médicas associadas à adoção precoce e sustentada de cuidados de saúde virtuais em um grande sistema de saúde regional de 12 hospitais da Nova Inglaterra. Eles hipotetizaram que a adoção da tecnologia variaria por coorte demográfica geracional. Os resultados do estudo foram publicados no periódico JAMA Network Open.

Eles utilizaram um banco de dados de credenciamento organizacional para identificar todos os médicos credenciados durante o período de estudo de 1º de outubro de 2019 a 31 de dezembro de 2020. Em seguida, usaram dados de nível de encontro do registro de saúde eletrônico integrado (da empresa Epic Systems) para identificar todas as visitas ambulatoriais associadas a médicos na amostra.

As características médicas obtidas do banco de dados de credenciamento incluíram idade, sexo e anos desde a graduação na faculdade de medicina. Os autores do estudo utilizaram o ano de nascimento para categorizar os médicos por coorte demográfica geracional em: Geração Silenciosa (nascidos entre 1928-1945), Baby Boomers (1946-1964), Geração X (1965-1980) e Millennials (1981-1996) usando a Brookings Institution Classification.

A classificação dos profissionais de acordo com categorias de adoção foi feita em: inovadores (aqueles com consultas virtuais antes de 15 de março de 2020), adotantes iniciais (aqueles que adotam durante a semana a partir de 15 de março de 2020), maioria (aqueles que adotam em 22 de março de 2020 ou posteriormente) e não adotantes persistentes (sem adoção até 31 de dezembro de 2020). 

Os pesquisadores identificaram 3.473 médicos que realizaram qualquer visita ambulatorial virtual ou presencial antes e depois de 15 de março de 2020. A idade média dos médicos foi de 50,5 (mais ou menos 11,6) anos, 1.624 médicos (46,8%) eram mulheres e 1.849 médicos (53,2%) eram homens. Quando classificados por coorte demográfica geracional, 83 médicos (2,4%) estavam na Geração Silenciosa, 994 médicos (28,6%) eram Baby Boomers, 1.637 médicos (47,1%) estavam na Geração X e 759 médicos (21,9%) eram Millennials. Foi constatado que havia 807 médicos (23,2%) na atenção primária, 1649 médicos (47,5%) nas especialidades médicas, 749 médicos (21,6%) nas especialidades cirúrgicas, 248 médicos (7,1%) na saúde comportamental e 20 médicos (0,6%) na informações de especialidade ausentes.

Dos 3.473 médicos, 478 (13,8%) foram classificados como inovadores, 1.562 (45,0%) foram adotantes iniciais, 1.237 (35,6%) foram classificados na categoria maioria e 196 (5,6%) eram não adotantes persistentes e não haviam usado atendimento virtual até 31 de dezembro de 2020. Os autores também estratificaram a categoria de adoção virtual por gênero, coorte demográfica geracional e classe de especialidade. As gerações mais jovens tiveram proporções maiores de inovadores e adotantes iniciais. Quando examinados por classe de especialidade, saúde comportamental e atenção primária tiveram a maior proporção de inovadores (saúde comportamental, 75 de 248 [30,2%]; atenção primária, 76 de 807 [9,4%]) e adotantes iniciais (saúde comportamental, 102 de 248 [41,1%]; atenção primária, 523 de 807 [64,8%]), seguido por especialidades médicas (inovadores, 244 de 1649 [14,8%]; early adopters, 680 de 1649 [41,2%]), com o menor entre as especialidades cirúrgicas (inovadores, 80 de 749 [10,7%]; adotantes iniciais, 251 de 749 [33,5%]).

Houve pequenas diferenças por coorte demográfica geracional, e médicos do sexo feminino e médicos de saúde comportamental foram os mais propensos a serem os primeiros a adotar.

Existem, segundo os autores, muitas explicações potenciais para as taxas mais altas de adoção precoce entre as médicas em relação aos médicos do sexo masculino. Por exemplo, o impacto da pandemia sobre as mulheres em funções de cuidadoras foi bem descrito, e esse grupo pode ter descoberto que o atendimento virtual é uma solução flexível que lhes permitiu equilibrar ou manter suas muitas funções. Embora muitas coisas tenham acontecido simultaneamente durante as primeiras semanas da pandemia, os pesquisadores observaram que o pico de adoção antecipada coincidiu com a data de fechamento da escola exigida pelo estado de 16 de março de 2020.

Uma explicação potencial alternativa pode ser encontrada nas práticas de comunicação. Anteriormente, as médicas já haviam demonstrado terem uma comunicação mais centrada no paciente e passar mais tempo com seus pacientes. É possível, então, que suas transições anteriores para cuidados de saúde virtuais tenham sido resultado de estas serem mais responsivas às suas percepções de seus pacientes concomitantemente com as mudanças rápidas no início da pandemia.

Quando examinaram o tipo de especialidade médica, os pesquisadores descobriram que o fator médico mais fortemente associado à probabilidade de adoção precoce da assistência virtual à saúde foi a prática em saúde comportamental, seguida pela atenção primária. Existem várias explicações possíveis para essa associação. As visitas de saúde comportamental podem ser mais passíveis de atendimento virtual, uma vez que normalmente dependem menos de um exame físico ou procedimento presencial. Também é provável que os pacientes com necessidades de saúde comportamental tenham tido desafios particulares ao renunciar ao atendimento médico quando as visitas presenciais foram restritas no início da emergência de saúde pública e, portanto, esses desafios motivaram seus médicos a fazer uma rápida transição para o atendimento virtual.

A única associação geracional que os autores observaram foi que o pequeno número de médicos da Geração Silenciosa eram menos propensos a serem os primeiros a adotar. No entanto, mais de 90% desses médicos mais velhos fizeram a transição para fornecer assistência médica virtual em algum momento de 2020, e a Geração Silenciosa não foi associada à não adoção persistente. Ao considerar os médicos da geração Baby Boomer, os autores descobriram que eles eram tão propensos a adotarem os primeiros quanto os médicos da Geração X ou do grupo Millennials

Desta forma, os autores concluem que, embora a maioria dos médicos do sistema tenha adotado cuidados de saúde virtuais em 2020, os médicos do sexo feminino, da atenção primária e da saúde comportamental tiveram maior probabilidade de desempenhar um papel importante como adotantes iniciais.

 

Artigos relacionados

 

Referências:

Zachrison KS, Yan Z, Samuels-Kalow ME, Licurse A, Zuccotti G, Schwamm LH. Association of Physician Characteristics With Early Adoption of Virtual Health Care. JAMA Netw Open. 2021;4(12):e2141625. doi:10.1001/jamanetworkopen.2021.41625

 

Academia Médica
O que a faculdade esquece de falar!
O que a faculdade esquece de falar! Seguir

Página da redação da Academia Médica para divulgar atualizações pertinentes aos médicos, acadêmicos de medicina e profissionais de saúde.

Ler conteúdo completo
Indicados para você