[ editar artigo]

Estudo que avalia a eficácia da vacina CoronaVac no Chile mostra bons resultados

Estudo que avalia a eficácia da vacina CoronaVac no Chile mostra bons resultados

Em 2 de setembro de 2021 foi publicado no The New England Journal of Medicine um estudo intitulado "Effectiveness of an Inactivated SARS-Cov-2 Vaccine in Chile" que buscou avaliar a eficácia da vacina CoronaVac, de vírus inativado, na proteção contra infecção pelo Sars-Cov-2, hospitalização, admissão em UTIs (Unidades de Terapia Intensiva) e morte. 

O Chile iniciou uma campanha de vacinação em massa em 2 de fevereiro de 2021 com a vacina CoronaVac, sendo que o Instituto de Saúde Pública do Chile havia aprovado a vacina para uso emergencial em 20 de janeiro de 2021; a vacina deveria ser administrada em esquema de duas doses, com doses separadas por 28 dias. A campanha de vacinação priorizou idosos, a partir dos 90 anos; trabalhadores de saúde da linha de frente; e pessoas com doenças subjacentes. A implementação da vacinação foi organizada por meio de uma programação nacional publicamente disponível que atribuiu datas específicas aos grupos elegíveis. Um registro nacional de imunização acompanha os calendários de vacinação. Em 10 de maio de 2021, o Ministério da Saúde administrou 13,98 milhões de doses da vacina CoronaVac (7,62 milhões de primeiras doses e 6,36 milhões de segundas doses). A introdução da vacina e o aumento da campanha ocorreram durante um período de maior incidência taxas de Covid-19 desde o início da pandemia no Chile.

Os pesquisadores utilizaram uma coorte observacional prospectiva em nível nacional. A coorte do estudo incluiu participantes de 16 anos de idade ou mais que eram afiliados ao Fundo Nacional de Salud (FONASA), o programa nacional de seguro saúde público, que inclui aproximadamente 80% da população chilena.  Os critérios de elegibilidade incluíram idade igual ou superior a 16 anos, afiliação ao FONASA e recebimento de pelo menos uma dose da vacina CoronaVac entre 2 de fevereiro e 1º de maio de 2021, ou não recebimento de qualquer vacinação Covid-19. Participantes com uma infecção de SARS-CoV-2 provável ou confirmada, conforme avaliado pelo ensaio de reação em cadeia da polimerase-transcriptase reversa (RT-PCR) ou teste de antígeno, na data de 2 de fevereiro de 2021 ou antes, e pessoas que haviam recebido pelo menos uma dose de outra vacina  foram excluídos da pesquisa.

 Os participantes foram classificados em três grupos: aqueles que não foram vacinados, aqueles que foram parcialmente imunizados (≥14 dias após o recebimento da primeira dose da vacina e antes do recebimento da segunda dose) e aqueles que foram totalmente imunizados (≥14 dias após o recebimento da segunda dose).  A eficácia da vacina foi estimada com base em quatro desfechos primários: Covid-19 confirmada em laboratório, hospitalização, admissão na UTI e morte relacionada à Covid-19. Variáveis que poderiam interferir na associação entre a vacinação e resultados foram controladas, incluindo idade, sexo, região de residência, renda, nacionalidade e se o paciente tinha condições subjacentes que foram associadas a Covid-19 grave. Essas condições incluíram doença renal crônica, diabetes, doença cardiovascular, acidente vascular cerebral, doença pulmonar obstrutiva crônica, doença hematológica, doença autoimune, infecção pelo vírus da imunodeficiência humana e doença de Alzheimer e outras demências.

Foram elegíveis para inclusão na pesquisa 10.187.720 indivíduos ao todo. Houve diferenças significativas de acordo com a região geográfica, sexo, idade, grupo de renda, nacionalidade e presença de condições médicas subjacentes. A confirmação laboratorial da infecção foi pelo ensaio RT-PCR em 98,1% dos casos e pelo teste de antígeno em 1,9%.

Os pesquisadores estimaram que a eficácia da vacina entre pessoas parcialmente imunizadas (14 a 28 dias após o recebimento da primeira dose) foi de 15,5% (IC de 95%, 14,2 a 16,8) para a prevenção de Covid-19 e 37,4% (IC de 95%, 34,9 a 39,9) para a prevenção de hospitalização, 44,7% (IC 95%, 40,8 a 48,3) para a prevenção de admissão em UTI, e 45,7% (IC 95%, 40,9 a 50,2) para a prevenção de morte relacionada à Covid-19. Nos indivíduos totalmente imunizados, a estimativa da eficácia da vacina ajustada foi de 65,9% (IC de 95%, 65,2 a 66,6) para a prevenção de Covid-19 e 87,5% (IC de 95%, 86,7 a 88,2) para a prevenção de hospitalização, 90,3% (IC 95%, 89,1 a 91,4) para a prevenção de internação em UTI e 86,3% (IC 95%, 84,5 a 87,9) para a prevenção de morte relacionada a Covid-19. No artigo é possível verificar estes números ajustados de acordo com a faixa etária.

Os resultados da eficácia da vacina neste estudo são, de acordo com os pesquisadores, semelhantes às estimativas que foram relatadas
no Brasil para a prevenção da Covid-19 (50,7%; IC de 95%, 35,6 a 62,2), incluindo estimativas de casos que resultaram em tratamento médico (83,7%; IC de 95%, 58,0 a 93,7) e estimativas de um final composto de casos hospitalizados, graves ou fatais (100%; IC de 95%, 56,4 a 100). No entanto, os resultados deste trabalho são mais baixos do que a eficácia da vacina relatada recentemente na Turquia (83,5%; IC de 95%, 65,4 a 92,1), possivelmente devido à pequena amostra nesse ensaio clínico de fase 3 (10.029 participantes na análise por protocolo), diferenças em dinâmicas de transmissão local, e a predominância de idosos entre a população total ou parcialmente participantes imunizados no Chile. No geral, os autores concluem que a vacina CoronaVac teve alta eficácia contra doenças graves, hospitalizações e morte e tem grande potencial na prevenção de mortes e de sobrecarga do sistema de saúde.

Referências:

Alejandro Jara, A.; Undurraga, E. A.; González, C.; Paredes, F.; Fontecilla, T.; Jara, G.; Pizarro, A.; Acevedo, J.; Leo, K.; Leon, F.; Sans, C.; Leighton, P.; Suárez, P.; García-Escorza, H.; Araos, R. Effectiveness of an Inactivated SARS-CoV-2 Vaccine in Chile. September 2, 2021, N Engl J Med 2021; 385:875-884
DOI: 10.1056/NEJMoa2107715

Artigos Relacionados:

 

Academia Médica
O que a faculdade esquece de falar!
O que a faculdade esquece de falar! Seguir

Página da redação da Academia Médica para divulgar atualizações pertinentes aos médicos, acadêmicos de medicina e profissionais de saúde.

Ler conteúdo completo
Indicados para você