[ editar artigo]

Revisão da Cochrane: Antibióticos para o tratamento da COVID ‐ 19

Revisão da Cochrane: Antibióticos para o tratamento da COVID ‐ 19

Os efeitos de antibióticos com potenciais propriedades antivirais e anti-inflamatórias estão sendo investigados em ensaios clínicos como tratamento para COVID-19. O uso de antibióticos neste contexto segue a intenção de tratar a doença viral e não para tratar coinfecções bacterianas de indivíduos com COVID‐19. Desta forma, a Cochrane, uma organização independente que produz revisões sistemáticas com base em ensaios clínicos randomizados (ECRs), publicou uma revisão que buscou avaliar as evidências atuais sobre a eficácia e segurança dos antibióticos como tratamentos antivirais para a COVID-19.

Os autores buscaram estudos sobre a COVID-19 nas bases MEDLINE, Embase, ClinicalTrials.gov, WHO ICTRP, medRxiv, CENTRAL), Web of Science e WHO COVID ‐ 19  concluídos e em andamento até 14 de junho de 2021.

Foram incluídos ensaios clínicos randomizados que compararam antibióticos entre si, sem tratamento, padrão de tratamento sozinho, placebo ou outra intervenção comprovada, para o tratamento de pessoas com COVID‐19 confirmado, independentemente da gravidade da doença, tratadas em regime de internamento ou ambulatório.

As cointervenções tiveram que ser as mesmas em ambos os braços do estudo. Foram excluídos estudos que comparavam antibióticos a outras intervenções farmacológicas com eficácia não comprovada.

  • Foram incluídos 11 estudos com 11.281 participantes com idade média de 54 anos investigando antibióticos em comparação com placebo, padrão de tratamento sozinho ou outro antibiótico. 
  • Nenhum estudo foi encontrado comparando antibióticos a uma intervenção com eficácia comprovada. 
  • Todos os estudos investigaram a azitromicina, dois estudos investigaram outros antibióticos em comparação com a azitromicina. 
  • Sete estudos investigaram pacientes internados com COVID‐19 moderado a grave e quatro investigaram casos de COVID‐19 leve em ambientes ambulatoriais. 
  • Oito estudos tiveram um desenho aberto, dois foram cegos com um controle de placebo e um não relatou cegamento. 
  • Foram encontrados 19 estudos em andamento e 15 estudos aguardando classificação enquanto aguardam a publicação dos resultados ou esclarecimento de inconsistências.

Dos 30 resultados do estudo que contribuíram para os resultados primários dos estudos incluídos, 17 foram avaliados como de baixo risco geral e 13 como algumas preocupações de viés. Apenas os estudos que investigam a azitromicina relataram dados elegíveis para os desfechos primários priorizados. As doses de azitromicina e a duração do tratamento variaram entre os estudos incluídos. 

Em comparação com o tratamento padrão sozinho, os pesquisadores da Cochrane concluíram que a azitromicina tem pouco ou nenhum efeito na mortalidade por todas as causas no dia 28 da doença (razão de risco (RR) 0,98; intervalo de confiança de 95% (IC) 0,90 a 1,06; 8600 participantes; 4 estudos; evidência de alta certeza). A azitromicina provavelmente tem pouco ou nenhum efeito na piora clínica ou morte no dia 28 (RR 0,95; IC 95% 0,87 a 1,03; 7311 participantes; 1 estudo; evidência de certeza moderada), na melhora clínica no dia 28 (RR 0,96; 95% IC 0,84 a 1,11; 8172 participantes; 3 estudos; evidência de certeza moderada), em eventos adversos graves durante o período do estudo (RR 1,11; IC de 95% 0,89 a 1,40; 794 participantes; 4 estudos; evidência de certeza moderada) e cardíaca arritmias durante o período de estudo (RR 0,92; IC 95% 0,73-1,15; 7865 participantes; 4 estudos; evidência de certeza moderada) em comparação com placebo ou tratamento padrão sozinho. A azitromicina pode aumentar ligeiramente quaisquer eventos adversos durante o período do estudo (RR 1,20; IC 95% 0,92 a 1,57; 355 participantes; 3 estudos; evidência de baixa certeza) em comparação com o tratamento padrão sozinho. Nenhum estudo relatou qualidade de vida até 28 dias.

Quando comparada com placebo ou tratamento padrão sozinho na mortalidade por todas as causas no 28º dia, a azitromicina pode ter pouco ou nenhum efeito (RR 1,00; IC 95% 0,06 a 15,69; 876 participantes; 3 estudos; evidência de baixa certeza), na admissão ao hospital ou morte em 28 dias (RR 0,94; IC 95% 0,57 a 1,56; 876 participantes; 3 estudos; evidência de baixa certeza) e na resolução dos sintomas no dia 14 (RR 1,03; IC 95% 0,95 a 1,12; 138 participantes; 1 estudo; evidência de baixa certeza). Os autores não conseguiram concluir se se a azitromicina aumenta ou reduz os eventos adversos graves em comparação com o placebo ou tratamento padrão sozinho (0 participantes experimentaram eventos adversos graves; 454 participantes; 2 estudos; evidência de certeza muito baixa). Nenhum estudo relatou eventos adversos, arritmias cardíacas durante o período do estudo ou qualidade de vida até 28 dias.

Um estudo comparou a azitromicina à lincomicina em pacientes internados, mas não relatou nenhum desfecho primário.

Outro estudo comparou a azitromicina à claritromicina em pacientes ambulatoriais, mas não relatou nenhum resultado relevante para esta revisão.

Como conclusão desta revisão, os autores têm certeza de que o risco de morte em pacientes com COVID‐19 hospitalizados não é reduzido pelo tratamento com azitromicina. Além disso, com base em evidências de certeza moderada, os pacientes internados com doença moderada e grave provavelmente não se beneficiam da azitromicina usada como potencial tratamento antiviral e antiinflamatório para COVID-19 em relação à piora ou melhora clínica. Para o ambiente ambulatorial, atualmente há evidências de baixa certeza de que a azitromicina pode não ter efeito benéfico para indivíduos com COVID-19. Não há evidências de RCTs disponíveis para outros antibióticos como tratamento antiviral e anti‐inflamatório de COVID‐19. Por fim, os autores recomendam que, em relação às evidências para a azitromicina e no contexto de resistência antimicrobiana, antibióticos não devem ser usados ​​para o tratamento de COVID-19 fora de ECRs bem planejados.

Referências:

Popp M, Stegemann M, Riemer M, Metzendorf M-I, Romero CS, Mikolajewska A, Kranke P, Meybohm P, Skoetz N, Weibel S. Antibiotics for the treatment of COVID‐19. Cochrane Database of Systematic Reviews 2021, Issue 10. Art. No.: CD015025. DOI: 10.1002/14651858.CD015025.

 

Artigos relacionados:


Publique na Academia Médica. Clique no passo a passo e saiba como.


 

Academia Médica
O que a faculdade esquece de falar!
O que a faculdade esquece de falar! Seguir

Página da redação da Academia Médica para divulgar atualizações pertinentes aos médicos, acadêmicos de medicina e profissionais de saúde.

Ler conteúdo completo
Indicados para você